O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MP-RJ) informou nesta quarta-feira (29) que, por intermédio da Procuradoria-Geral de Justiça, instaurou procedimento preparatório no dia 20 de junho para apurar as informações veiculadas pela imprensa após o acidente aéreo em Porto Seguro, na Bahia, que deixou sete mortos.
“A partir de análise da relevância jurídica do conteúdo das reportagens, que passaram a instruir o procedimento, foi feito na última segunda-feira (27/06) pedido formal de informações ao governador Sérgio Cabral, por meio de ofício, em que o MPRJ solicita esclarecimento dos fatos noticiados pela mídia”, afirmou o MP-RJ, em nota.

A viagem
A assessoria de imprensa do Palácio Guanabara confirmou que o governador Sergio Cabral havia deixado o Rio de Janeiro na tarde de 17 de junho com o filho Marco Antonio, a namorada dele, Mariana Noleto, e um grupo de amigos para a festa de aniversário do empreiteiro Fernando Cavendish em Trancoso, na Bahia.

O grupo ia de Porto Seguro para Trancoso. Eles tinham deixado o Rio para passar o fim de semana no resort do empresário Marcelo Mattoso Almeida, que pilotava o helicóptero que caiu ao levar parte do grupo que acompanhava Cabral. As sete pessoas a bordo morreram: a namorada do filho de Cabral, Mariana Noleto, a mulher de Cavendish, Jordana, o filho dela, Luca, de 3 anos, e a babá das crianças, Norma Batista de Assunção, além do piloto.

O governador e o filho iriam no mesmo helicóptero na segunda viagem, junto com o empreiteiro Fernando Cavendish. Segundo a assessoria do governador, o avião usado pelo grupo para chegar até Porto Seguro foi emprestado pelo empresário Eike Batista.

Deputados também pedem explicações
Na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), deputados da oposição também decidiram enviar um requerimento ao governador pedindo explicações. Os deputados Luís Paulo Correira da Rocha (PSDB), e Marcelo Freixo (PSOL) criticam o fato de o governador ter viajado para Porto Seguro no avião particular do empresário Eike Batista, em companhia do empresário Fernando Cavendish, dona da Delta Construções.

O Jornal “O Globo” publicou em 21 de junho que a empresa é uma das maiores prestadoras de serviço do estado, e teria firmado – desde o ano de 2007 – contratos que chegam a quase R$ 1 bilhão. As informações são do G1.