Reuters

QUETTA – Uma explosão matou pelo menos 43 pessoas nesta sexta-feira, 3, durante uma manifestação na cidade paquistanesa de Quetta, no segundo grande atentado desta semana no país, agravando a tensão sobre um governo já fragilizado por críticas à sua reação contra recentes inundações.

A manifestação em Quetta, realizada por muçulmanos xiitas, prestava solidariedade ao povo palestino. Segundo fontes médicas, 78 pessoas ficaram feridas no atentado. Há versões que dão conta de até 46 mortos e mais de cem feridos, mas os números não foram confirmados pelas autoridades.

Na cidade de Mardan, da província do Khyber, outro suicida detonou seus explosivos em um tempo ahmadi, matando um civil e ferindo outros quatro.

Os ahmadis não são considerados muçulamanos por xiitas e sunitas, já que não consideram Maomé como o último profeta enviado por Deus. Por isso são discriminados e sofrem com ataque de radicais islâmicos. No Paquistão, a grande maioria da população é sunita.

Violência
Mesmo antes das devastadoras enchentes do mês passado, o governo já enfrentava uma onda de impopularidade devido à sua aliança com os Estados Unidos para combater militantes islâmicos.

Os EUA disseram que as enchentes devem causar atrasos na ofensiva contra os insurgentes do Taliban. “Infelizmente, a inundação no Paquistão provavelmente irá adiar quaisquer operações do Exército paquistanês no Waziristão do Norte durante algum tempo”, disse o secretário de Defesa, Robert Gates, durante visita a tropas norte-americanas no Afeganistão.

O governo paquistanês diz que o Exército irá realizar a ofensiva no Waziristão, reduto de militantes islâmicos, quando considerar adequado. Nas últimas semanas, os militares se envolveram diretamente no trabalho de ajuda às vítimas das enchentes.

Também na sexta-feira, o Taleban paquistanês assumiu a autoria por três explosões em uma procissão xiita na cidade de Lahore, que matou 33 pessoas nesta semana. Foi a primeira ação de grupos militantes desde o início das enchentes.

“Foi uma vingança pela morte de sunitas inocentes”, disse um porta-voz de Qari Hussain Mehsud, o mentor dos homens-bomba do Taliban, por telefone à Reuters, de local não-revelado.

As atenções estão voltadas para o Taleban paquistanês depois de promotores americanos acusarem seu líder, Hakimullah Mehsud, de participação em um complô que matou sete funcionários da CIA em um quartel dos EUA no Afeganistão em dezembro.

Mehsud, supostamente escondido em áreas tribais paquistanesas, foi indiciado por conspiração para matar norte-americanos no exterior e para usar armas de destruição em massa.

A nova onda de violência sugere que o Taleban está tentando aproveitar a atual fragilidade do governo diante das enchentes, que deixaram milhões de desabrigados, destruíram a infraestrutura e a produção agrícola e afetaram duramente a economia.