Do Globo Amazônia, em São Paulo

Uma denúncia feita por moradores da reserva legal do Projeto de Assentamento Cururuí, em Pacajá, no Pará, levou agentes do Ibama a interromperem, nesta sexta-feira (11), a extração ilegal de madeira que ocorria no local.

 Durante a operação realizada na cidade, que fica a cerca de 600 quilômetros de Belém, os fiscais apreenderam 1,4 mil metros cúbicos de toras recém-cortadas. As árvores escolhidas tinham alto valor de mercado, como o angelim, a maçaranduba, o ipê e o jatobá.

 Foto: Lucivaldo Serrão/ Ibama/ Divulgação

Toras encontradas eram de árvores recém-cortadas. (Foto: Lucivaldo Serrão/ Ibama/ Divulgação)

O madeireiro responsável pelo desmatamento foi multado em R$ 430 mil e também teve seu trator, avaliado em R$ 200 mil, apreendido.

 saiba mais

  • Sucuri de cerca de 8 metros assusta estudantes na Amazônia peruana
  • Antiga arena de ciclismo olímpica recria floresta tropical no Canadá
  • Ibama apreende 70 aves e aplica multas no Pará
  • Pesquisa vai apontar soluções para acabar com naufrágios na Amazônia
  • Pecuarista é denunciado por desmatar floresta dentro de reserva no Acre

  • De acordo com os denunciadores, o madeireiro exercia a atividade clandestina por meio de dois planos de manejo florestal na região, onde a mata deve ser protegida e explorada de forma sustentável.

     Os fiscais confirmaram o desmatamento denunciado ao encontrar estradas e ramais abertos na mata para extrair a madeira. No total, foram desmatados sem autorização cerca de 40 hectares de floresta.

     O Ibama ainda investiga se o madeireiro encobria o corte ilegal de madeira com créditos florestais adquiridos por meio dos planos de manejo legais.

     Se você vive ou viajou para a Amazônia e tem denúncias ou ideias para melhorar a proteção da floresta, entre em contato com o Globo Amazônia pelo e-mail [email protected]. Não se esqueça de colocar seu nome, e-mail, telefone e, se possível, fotos ou vídeos.