WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

ebook gestao financeira


abril 2019
D S T Q Q S S
« mar    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930  


:: ‘Notícias’

Crianças não nascem transgêneros, conclui Associação Americana de Psicologia

Associação Americana de Psicologia alerta que crianças não devem ser estimuladas a fazer a "transição de gênero". (Foto: Pixabay)
Associação Americana de Psicologia alerta que crianças não devem ser estimuladas a fazer a “transição de gênero”. (Foto: Pixabay)

Pessoas que buscam uma “identidade transgênero” não nascem assim e as crianças não devem ser encorajadas a “fazer a transição” para o sexo oposto, de acordo com um trabalho de referência endossado pela Associação Americana de Psicologia (APA), que se descreve como “a maior organização científica e profissional que representa a psicologia nos Estados Unidos e a maior associação de psicólogos no mundo”.

No entanto, todos os dias pais ouvem de terapeutas, depois de uma consulta ou duas, a recomendação clara de que “devem permitir que seu filho(a) mude o nome e os pronomes pessoais, leve uma vida como como se fosse do sexo oposto e se submeta a intervenções médicas irreversíveis para concluir essa transição”.

Laura Haynes, psicóloga licenciada na Califórnia, recentemente revisou o Manual de Sexualidade e Psicologia da APA e destacou suas descobertas de pesquisas sobre crianças transexuais.

Entre esses resultados, citados na página 744 do Volume 1 do Manual, estão os seguintes:

– “Em não mais do que uma em cada quatro crianças, a disforia de gênero persiste desde a infância até a adolescência ou vida adulta”, com a maioria dos meninos afetados se identificando como gays, não transgêneros e até a metade das meninas afetadas se identificando como lésbicas, não transgêneros.

– “A transição social precoce (isto é, a mudança do papel de gênero, como registrar um menino na escola já como menina) deve ser abordada com cautela para evitar a exclusão desse estágio de desenvolvimento da identidade de gênero.”

– “A transição social precoce pode parecer necessária para alguns; no entanto, o estresse associado à possível reversão dessa decisão tem se mostrado substancial ”.

Mentiras e distorções

O ex-transgênero, escritor e colunista do jornal americano ‘Daily Signal’, Walt Heyer destacou que apesar dessas verdades expostas recentemente pela psicóloga Laura Haynes, a sociedade tem sido enganada por distorções sobre o assunto.

“Fomos enganados por afirmações distorcidas em contrário dos defensores da mudança de sexo, que insistem que a ciência está resolvida”, afirmou. “Eles dizem que ‘as pessoas que se identificam como sendo do sexo oposto nunca mudam de ideia, a identidade entre sexos é fixa e quanto mais cedo a criança, adolescente ou adulto for afirmado como o sexo oposto e fizer a transição, melhor ele ou ela estarão”.

“De fato, no entanto, a Associação Americana de Psicologia’ e o peso da evidência histórica desafiam essa afirmação das identidades entre sexos”, acrescentou.

Walt conta que se submeteu à sua mudança de sexo em abril de 1963, mas não tinha ideia de que um dia poderia mudar sua opinião sobre sobre o rumo que sua própria vida tomaria, nem que as evidências contra a ideologia de gênero já começariam a vazar em 1979.

“Quatro anos antes eu fui mutilado”, conta o escritor que nasceu como sendo do sexo masculino, mas decidiu ‘se tornar uma mulher’ e passou pela cirurgia de transição definitiva.

A verdade emergente

Em 1979, um endocrinologista, Dr. Charles L. Ihlenfeld, fez um alerta sobre o uso de hormônios e cirurgias na população transgênero em comentários a um grupo de médicos. Ihlenfeld havia administrado terapia hormonal por seis anos a um grande grupo de 500 adultos trans-identificados que se voluntariaram.

Ihlenfeld, que é gay, disse aos médicos que “80% das pessoas que querem mudar de sexo não devem fazê-lo”. O desejo de mudar o sexo, segundo ele, “provavelmente se deve a fatores psicológicos poderosos – provavelmente a partir das experiências. dos primeiros 18 meses de vida. ”

Os comentários de Ihlenfeld, há 40 anos, prenunciavam as evidências fornecidas no Manual da APA, onde a página 743 do Volume 1 diz que se identificar como sendo do sexo oposto é “muito provavelmente o resultado de uma interação complexa entre fatores biológicos e ambientais”.

“A pesquisa sobre a influência da dinâmica da família de origem”, acrescentou, “encontrou algum apoio para a ansiedade de separação entre meninos não-conformes ao gênero e psicopatologia entre as mães.”

Ihlenfeld e a APA, gerações separadas no tempo, chegaram a uma conclusão semelhante: o desejo de mudar de sexo provavelmente decorre de experiências da vida pregressa e de fatores psicológicos.

Quanto ao conhecimento e eficácia do uso de hormônios sexuais e cirurgia de mudança de sexo para tratar a disforia de gênero, a evidência não existe.

No Reino Unido, a Faculdade de Inteligência em Pesquisa Agressiva da Universidade de Birmingham realizou uma revisão em 2004 de 100 estudos médicos internacionais de “transexuais pós-operatórios”, mas não encontrou evidências conclusivas de que operações de mudança de sexo melhorassem a vida de transexuais.

Além disso, as evidências mostraram que a pessoa transexual, depois de passar por uma cirurgia de redesignação, “continua gravemente angustiada a ponto de cometer suicídio”.

Crianças = cobaias

Os tratamentos para crianças e adolescentes com menos de 18 anos com disforia sexual permanecem em grande parte experimentais. Há um grande número de perguntas não respondidas que incluem a idade de início, reversibilidade, eventos adversos, efeitos a longo prazo na saúde mental, qualidade de vida, densidade mineral óssea, osteoporose na vida adulta e cognição.

Assim, as descobertas negativas se acumulam e são levantados alarmes sobre a falta de provas em relação à eficácia e à segurança. Mas a administração de hormônios desnecessários e remoção partes do corpo saudáveis ??com cirurgias de mudança de sexo continuam acontecendo.

O Manual de Sexualidade e Psicologia da APA, mais uma vez, diz que pessoas trans não nascem assim, que a identificação entre sexos pode mudar, e que a maioria das crianças podem abandonar o desejo de mudar de sexo se tiverem uma boa interação social. Fonte: Guia-me

:: LEIA MAIS »

Tornado destrói igreja e batismo acontece em meio aos destroços

Batismo na Primeira Igreja Pentecostal de Colombo

Batismo na Primeira Igreja Pentecostal de Colombo. (Foto: Reprodução / Facebook)

No último sábado (23) a Primeira Igreja Pentecostal de Colombo, no Mississippi (EUA), foi destruída por conta de um tornado que levou o telhado e as paredes do templo.

O pastor Steve Blaylock ficou feliz por não ter ninguém dentro da igreja quando a tempestade atingiu a região. Mas ele resolveu não cancelar o culto do domingo pela manhã e ainda batizou nove pessoas em meio aos destroços.

“Eu não sei qual é o plano de Deus, sempre sei que vai funcionar em conjunto para o nosso bem”, disse Blaylock, 61 anos, durante o culto. Ele chorava emocionado ao ver as pessoas reunidas do lado de fora da igreja e a cerimônia de batismo sendo conduzida.

Para que fosse possível realizar o culto ao ar livre, os fiéis armaram cadeiras dobráveis e o tanque de batismo foi emprestado. Aproximadamente 100 pessoas participaram do culto.

“A reconstrução está definitivamente no futuro”, disse ele. “É apenas um edifício, nossa igreja é o povo”, completou o pastor em entrevista à CNN.

De acordo com Serviço Nacional de Meteorologia, nove tornados foram registrados na noite daquele sábado, atingindo os estados do Alabama, Geórgia e Mississippi.

Maduro deporta jornalistas que filmaram venezuelanos comendo lixo

Um grupo de três jornalistas foi detido por ordem do ditador Nicolás Maduro por terem filmado venezuelanos comendo lixo. Os profissionais da Univision Notícias, rede de televisão dos Estados Unidos com programação em espanhol, foram deportados.

Os jornalistas ficaram quase três horas no Palácio Miraflores, sede do governo venezuelano. Eles entrevistavam o ditador que se sentiu contrariado ao ver as pessoas comendo o que encontravam no lixo e ordenou que o material gravado e os equipamentos fossem confiscados.

Segundo o jornalista Jorge Ramos, eles foram soltos após três horas, mas seus equipamentos, registros e artigos pessoais não foram devolvidos.

Pelo Twitter, Enrique Acevedo, parte da equipe da Univision, publicou o vídeo que Jorge Ramos mostrou a Nicolás Maduro. É possível ver claramente três venezuelanos buscando restos de comidas no caminhão de lixo. Um dos homens fala com os jornalistas dizendo que está com fome e que pela primeira vez na sua vida está buscando alimentos no lixo.

Vídeo incorporado

Enrique Acevedo

?@Enrique_Acevedo

Estas son las imágenes que ?@jorgeramosnews? le mostró a Nicolás Maduro y que provocaron que Maduro se levantara de la entrevista,? que retuvieran al equipo de Univision y que confiscaran su trabajo. Esto es lo que Maduro no quiere que vea el mundo.

“Maduro não serve como presidente, estamos na rua porque você não serve como presidente”, disse o homem enquanto segurava nas mãos o alimento que colhera no lixo.

“O que eu disse Nicolas Maduro é que milhões de venezuelanos e muitos governos ao redor do mundo não o consideram um presidente legítimo, mas um ditador. Isso é o que eu disse Nicolas Maduro, obviamente, não gostou e por isso parou a entrevista“, disse o jornalista Jorge Ramos. As informações são do site Gospel Prime

Cristãos enfrentam extinção iminente no Oriente Médio”

Religioso em escombros de igreja no Iraque
Religioso em escombros de igreja no Iraque. (Foto: Getty Images)

Os cristãos no Oriente Médio estão enfrentando “extinção iminente”, advertiu neste domingo (2) o arcebispo da Cantuária, líder máximo dos cerca de 80 milhões de anglicanos do mundo. Justin Welby disse à BBC que os seguidores de Jesus estavam sujeitos à “ameaça diária de execução” e que sua situação era a pior desde as invasões mongóis do século 13.

O arcebispo pediu que o governo do Reino Unido aceite mais refugiados cristãos, que acabam preteridos em muitos países. Ele destaca que apenas um em cada 400 refugiados sírios que receberam asilo no Reino Unido no ano passado era cristão.

A Abadia de Westminster, sede da Igreja Anglicana, realizou um culto especial hoje para lembrar a perseguição religiosa. Welby disse aos fiéis que “a situação dos cristãos em muitas partes do Oriente Médio está cada vez mais difícil”. Insistiu também que “precisamos orar por eles e falar em nome deles.”

Falando ao jornal The Telegraph, acrescentou: “Os cristãos enfrentam diariamente ameaças, violência, assassinato, intimidação, preconceito e pobreza. Nos últimos anos, eles foram massacrados pelo Estado Islâmico e, em muitos países, encontram-se aprisionados em meio aos conflitos que tomam conta da região”.

O arcebispo lembra ainda que “centenas de milhares de cristãos foram forçados a sair de suas casas. Muitos foram mortos, escravizados ou convertidos [ao Islã] à força”. Destacou o Iraque como exemplo, onde a população cristã atual é menos da metade do que era em 2003. Muitas igrejas foram destruídas e não há mais cultos em diversas regiões. :: LEIA MAIS »

Violência contra as mulheres vira “pandemia global”, segundo a ONU

Violência contra mulher
Violência contra mulher

No dia 25 de novembro foi celebrado o “Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra a Mulher”. Para conscientizar as pessoas sobre essa realidade, a ONU preparou uma campanha de 16 dias de ativismo que vai ocorrer até o dia 10 de dezembro.

Para a organização, a violência contra a mulher alcançou o nível de “pandemia global” e abrange a agressão sexual, o estupro no contexto de guerra, a mutilação genital feminina e a violência doméstica. De acordo com a pesquisa “Mulheres, empresas e a lei”, realizada pelo Banco Mundial, em 2017, uma em cada três mulheres já foi vítima de alguma violência.

Durante o período dos 16 dias de campanha haverá vários encontros e ações de conscientização sobre a escala massiva e mundial da violência contra elas. Um dos objetivos é colocar fim à cultura do silêncio que impede a quebra do ciclo de atos violentos e abusivos. :: LEIA MAIS »

Dilma diz que PT vai fazer “aliança até com o Diabo” para combater Bolsonaro

Dilma Rousseff
Dilma Rousseff em Bueno Aires. (Foto: Reuters)

A ex-presidente Dilma Rousseff participou do Fórum do Pensamento Crítico, em Buenos Aires, Argentina, nesta segunda-feira (19). Em um discurso inflamado, repercutido pela rádio Jovem Pan, ela falou sobre a formação de uma frente de oposição liderada pelo Partido dos Trabalhadores.

“Uma frente democrática, que seja a mais ampla possível. Para sermos capaz de fazer todas as alianças necessárias, com todos os segmentos. A gente fará aliança até com o diabo para combatê-los”, insistiu Dilma na cerimônia de abertura do evento que reuniu dirigentes da esquerda de vários países.

Durante seu discurso ela explicou que tais alianças devem ter como base “corações antiliberais e antiautoritarismo” para combater o que chamou de “neofascismo”. Segundo ela, o governo de Bolsonaro é de extrema-direita, que “tem essa característica de querer moderar os neofascistas que agora chegaram ao poder”.

Insistindo no discurso adotado pelo PT desde a derrota de Fernando Haddad, Dilma criticou o fim do programa Mais Médicos, assinado com Cuba durante o seu primeiro mandato. “Isso significa que milhões de brasileiros não terão acesso ao atendimento básico de saúde. E essa sistemática alteração dos direitos vai provocar uma reação popular”, prevê.

Mesmo não tendo sido eleita para o Senado, ela comentou o resultado das urnas, dizendo que seu partido não sofreu, em nível nacional, “uma derrota estratégica”. “Elegemos a maior bancada no Congresso e o maior número de governadores por partido. Eles dizem de forma clara que querem a nossa destruição. É um método fascista. E também querem destruir as conquistas dos movimentos sociais como os Sem Terra (MST) e os Sem Teto (MTST), dois movimentos que tratam de um grande problema do Brasil: a desigualdade”, assegurou.

Assista!

Terroristas islâmicos dizer ser responsáveis por incêndios na Califórnia


Incêndio. Imagem Michael Held

Com uma longa história de incentivo à chamada “jihad incendiária”, partidários do grupo terrorista islâmico Al-Qaeda estão afirmando que são responsáveis pelos incêndios florestais que arrasam Califórnia nas últimas semanas.

“Quando eles questionarem você sobre as montanhas, diga: Allah os espalhará como cinzas”, diz um dos textos divulgados nos canais do grupo extremista citando um trecho do Alcorão. A frase aparece sobre fotos de notícias da destruição pelo fogo.

Para especialistas trata-se de uma tática de propaganda da al-Qaeda, que tentam fazer com que os incêndios mortais no norte e no sul da Califórnia pareçam retribuições pelos bombardeios da coalizão na Síria.

A imagem divulgada online pela Al-Ansar Media faz ligações com o Estado Islâmico, com a promessa: “Ó América, esta é a punição por bombardear os muçulmanos na Síria. Este é o castigo de Allah sobre vocês. Vocês verão mais incêndios! Louvado seja Allah”.

Em uma edição de 2012 da revista oficial da al-Qaeda, Inspire, são abordados os danos causados ??por incêndios florestais na Austrália. Os mentores do grupo também ensinam como os jihadistas devem escolher as condições climáticas ideais para incêndios criminosos, incluindo vegetação seca e ventos fortes, para que haja a maior devastação possível.  “O resultado mais importante é a disseminação do terror entre a comunidade-alvo”, disse o texto da publicação. :: LEIA MAIS »

Jornalista da Globo diz que oração por Bolsonaro “causou preocupação”

Miriam Leitão
Miriam Leitão fazendo comentários na Globo. (Foto: Reprodução / Globo)

Logo após o TSE anunciar a vitória de Jair Bolsonaro como novo presidente do Brasil, o político ignorou a grande imprensa e fez um pronunciamento nas redes sociais. Sua opção incomodou a Rede Globo, que reclamou da “quebra” de protocolo.

Minutos depois, Bolsonaro foi para a frente de sua casa, onde um repórter representando um pool de emissoras da TV aberta e também de canais pagos mostraria a primeira declaração oficial do 38º presidente do país. Porém, antes de falar, o capitão reformado participou de uma roda de oração, puxada pelo senador Magno Malta.

Tudo foi transmitido ao vivo em rede nacional de televisão. “Os tentáculos da esquerda jamais seriam arrancados sem as mãos de Deus”, enfatizou Malta durante sua prece. Também citou o texto bíblico de João 8:32 – “E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará” – adotado como slogan de campanha por Bolsonaro.

A jornalista Mirian Leitão, da Globo News, disse que aquilo gerava “um pouco de preocupação” porque, enfatizou, separar Estado de Igreja é fundamental”.

“O Estado brasileiro é laico. Um grupo de cristãos… Aquilo [a oração] cria um pouco de preocupação. O compromisso de um estado laico é fundamental. É conquista da reforma protestante, inclusive. Separar Estado de Igreja é fundamental”, destacou Leitão.

Não é a primeira vez que a jornalista reclama do fato de Bolsonaro falar sobre sua fé. Em um texto publicado no jornal O Globo, ela reclamou da aproximação dele com pastores. “Essa mistura jamais dará um bom resultado. Púlpito e palanque devem estar distantes”, escreveu. Também avalia que “O uso da Bíblia e da religião serve para atemorizar ou enganar eleitores. Isso ameaça a soberania do voto”. :: LEIA MAIS »

Cresce o número de protestos contra legalização do aborto no Brasil


Imagem: Luciney Martins

No último domingo (30), milhares de pessoas se concentraram na Av. Brigadeiro Luís Antônio, em São Paulo, para uma caminhada até a Praça da Sé. Muitas famílias, crianças, jovens, religiosos e organizações pró-vida saíram com lenços azuis no pescoço, faixas e bandeiras.

Mesmo debaixo de forte chuva os manifestantes levantaram faixas que diziam “Vida sim, aborto não!” ou “Salvemos as duas vidas”, em alusão à defesa tanto da mulher quanto do feto em formação.

A marcha reuniu pelo menos 15 mil pessoas, segundo os organizadores. A iniciativa faz parte da chamada “onda celeste latino-americana” que já aconteceu em vários países. Na Argentina o movimento reuniu milhões e conseguiu pressionar o Senado para que não aprovasse a legalização do aborto.

Ana Valoy, pastora que ajudou a coordenar as marchar por lá, reclamou da morosidade da Igreja, que não se posicionou como deveria. “Acho que ainda precisamos de muita conscientização, ensinando os cristãos a deixar a apatia e a indiferença de lado. Muitos pastores não quiseram que as pessoas faltasse aos cultos para estar conosco nas marchas aos domingos. A maioria não se ‘atreveu’ a pregar sobre isso. Agora, quando viram os resultados é que foram falar algo sobre o aborto. Infelizmente, muitos deles não querem usar seus púlpitos para falar de ‘questões seculares’ “, avaliou. :: LEIA MAIS »

Jovem cristão sobrevive após ficar 49 dias à deriva no oceano

Aldi Novel Adilang na cabana de pesca
Aldi Novel Adilang na cabana de pesca. (Foto: Consulado indonésio)

Um jovem indonésio de apenas 19 anos sobreviveu 49 dias à deriva no Oceano Pacífico. Ele ficou abrigado em uma cabana de pesca, que serve como uma armadilha flutuante para peixes.

Em meados de julho, ventos fortes arrebentaram as amarras da cabana, que estava ancorada por uma longa corda e flutuava graças a grandes boias. Sem ter um remo, Aldi Novel Adilang ficou à deriva até ser resgatado no dia 31 de agosto por um navio japonês que passava próximo a ele, na costa da ilha de Guam.

Nas entrevistas que tem dado, Aldi afirmou que muitas vezes achou que não conseguiria sobreviver. Ele viu passar cerca de 10 navios, mas nenhum o avistou para socorrê-lo. Além de gritar, usava um rádio de baixa frequência para emitir pedidos de SOS.

O jovem relata que seus suprimentos duraram uns poucos dias e que ele sobreviveu pescando e queimando parte da madeira da cabana para cozinhar seu alimento. Para matar a sede, “filtrava” água do mar através de suas roupas, o que minimizava a ingestão de sal. :: LEIA MAIS »

Mais de 50% dos adolescentes trans tentam o suicídio, indica estudo

Adolescentes.

Adolescentes.

De acordo com uma análise de dados feita ao longo de três anos pelo professor Russell B. Toomey, da Universidade do Arizona-Tucson (EUA), 51% das adolescentes que passaram a se identificar como homem relatam pelo menos uma tentativa de suicídio.

O estudo Profiles of Student Life: Attitudes and Behaviors foi produzido pelo Search Institute – organização sem fins lucrativos focada em questões da juventude – e publicado na revista científica Pediatric News.

Realizada entre junho de 2012 e maio de 2015, a coleta de dados investigou 120.617 adolescentes, com idade variando de 11 a 19 anos. As perguntas da pesquisa incluíram: “Você já tentou se matar?”. Quatorze por cento de todos os entrevistados disseram que sim. Os participantes tinham 15 anos, em média.

O estudo também descobriu que os níveis de educação dos pais e o status socioeconômico da família não parecem influenciar diretamente os adolescentes que tentam o suicídio. Contudo,  os números eram muito mais altos para aqueles que se identificaram como alguém diferente de seu sexo biológico.

Na pesquisa, 60.973 dos adolescentes eram do sexo feminino e 57.871 eram do sexo masculino. O restante se identificou como “outro”. Entre eles, 202 identificaram como transexual (homem para mulher) e outros 175 de mulher para homem. Além disso, 344 identificaram como “transexual não-binário”.

Outros 1.052 afirmam estar “questionando” seu gênero. Dentre estes, 28% relataram tentativas de suicídio. Já entre os trans de homem para mulher o número era 30% e para os “não binário” chegaram a 42%. Esses números são consideravelmente maiores do que os adolescentes e adolescentes que se identificaram com seu sexo biológico. Apenas 10% desses homens e 18% das mulheres relataram tentativas de suicídio. :: LEIA MAIS »

“Deus não está morto 3” estreia nos cinemas brasileiros

Deus não está morto 3
Cena de Deus não está morto 3. (Foto: Divulgação)

Após dois meses de campanha e divulgação nacional, o filme “Deus não está morto – uma luz na escuridão” estreia em mais de 260 salas de cinemas pelo Brasil. O filme estreia hoje nos cinemas.

A trama mostra que uma pequena “chama” pode iluminar o caminho para a cura e a esperança. O personagem Dave (David A. R. White), um evangelista, se vê diante de um incêndio que devasta o prédio onde ele administrava a igreja de Saint James há anos.

O terreno que fazia parte de uma universidade estatal passa a ser motivo de embate. Os diretores da Hadleigh University questionam a presença do evangelista e de sua igreja no campus e usam a tragédia para tirá-lo dali. Rapidamente, a batalha se estende pela comunidade local.

Entre as cenas que ilustram os momentos difíceis, a fragilidade humana e a força que se deve buscar em Deus, há também momentos de reflexão quando alguns personagens questionam sua fé.

Além de David A. R White (Deus não está Morto 2), estão os atores John Corbett (Casamento Grego), Shane Harper (Deus não está Morto) e Jennifer Taylor (Two and a Half Man). Com participação especial da lenda gospel Dra. Cissy Houston (mãe de Whitney Houston), e da ganhadora do Oscar Tatum O´Neal (Lua de Papel). :: LEIA MAIS »

Pastor abriga venezuelanos durante protesto em Pacaraima

Pastor Gedeão e venezuelanos
Gedeão (no centro) ao lado da esposa, Sandra, e parte dos refugiados que receberam após ataques. (Foto: Emily Costa / G1)

Um grupo de brasileiros cristãos mudou a vida de 63 refugiados venezuelanos, entre eles 16 crianças. A casa de um pastor e sua esposa ficou cheia. Missionários ligados à mesma igreja também abriram as portas de suas casas para abrigá-los.

Depois do confronto entre brasileiros e venezuelanos, em Pacaraima (RR), no último dia 18, muitos venezuelanos deixaram a cidade. Outros, porém, foram acolhidos por uma família cristã, representada pelo pastor Gedeão e sua esposa Sandra Vasconcelos.

Na manhã daquele sábado, o casal percebeu a agitação da cidade. Eles ouviram o som de fogos de artifício, mas pensaram se tratar de alguma inauguração. Em pouco tempo, souberam que havia um protesto de moradores.

“Disseram que a manifestação não estava mais pacífica, que estavam expulsando venezuelanos, colocando gasolina, queimando tudo”, disse o pastor. Ele disse que ouviu “vamos para o palco” e então se preocupou. “Lá tinham crianças, famílias que nós evangelizávamos e dávamos comida”, revelou. :: LEIA MAIS »

Crianças com traços homossexuais podem ser ajudadas pela psiquiatria, defende papa

Papa Francisco
Papa Francisco fala com jornalistas em avião na volta a Roma após visita à Irlanda (Foto: Gregorio Borgia/AP)

No último domingo (26), durante uma entrevista coletiva, o papa Francisco foi questionado sobre a homossexualidade infantil. Ele afirmou que os pais não devem ignorar ou condenar essas crianças.

A coletiva aconteceu dentro do avião que levava o papa de volta à Roma, depois de uma viagem à Irlanda. A pergunta sobre o que ele diria ao pai de uma criança que se revela homossexual foi respondida pelo pontífice: “primeiro sugeriria a oração”.

“Não condene. Dialogue. Entenda. Dê espaço para a criança para que ela possa se expressar”, ele afirmou depois. Francisco também alertou que pode haver necessidade de buscar ajuda psiquiátrica.

Segundo ele, quando “traços preocupantes” são observados a partir da infância “há muito que pode ser feito por meio da psiquiatria”. O papa acredita que quando a homossexualidade se manifesta após os 20 anos, é mais difícil.

Comunidade LGBT se sente ofendida

As críticas chegaram de forma rápida. Associações LGBT francesas interpretaram que o papa considera a homossexualidade como uma doença e criticaram seus comentários como “irresponsáveis”.

“Se há uma doença é esta homofobia arraigada na sociedade”, disse Clémence Zamora-Cruz, porta-voz da Inter LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transexuais), à agência France Presse. O papa por sua vez não comentou sobre as acusações. Com informações G1

Arqueólogos encontram ruínas de igreja em Armagedom

Mosaico no chão da prisão
Mosaico no chão da prisão. (Foto: Reuters)

O fim de “Armagedon” está próximo. Pelo menos para a antiga prisão israelense que fica perto das ruínas de Megido. Depois de vários anos de atraso e muita burocracia, a prisão será transferida e o local será liberado para futuras escavações arqueológicas, previstas para 2021.

Entre os detentos de Armagedon estão militantes do Hamas e membros adeptos ao movimento da “jihad islâmica”. O nome da prisão pode ter sido um erro de tradução da palavra hebraica Har Meggido. O correto seria Monte Megido. Mas é assim que o local ficou conhecido desde então.

Estes nomes chamam a atenção dos cristãos pelos seus significados bíblicos. A palavra “Armagedon” é interpretada como o lugar onde acontecerá a batalha final entre o bem e o mal. E “Megido” é a localização geográfica dessa batalha.

Descobertas Arqueológicas

Em 2005, arqueólogos israelenses encontraram na prisão de Armagedon evidências de que ali existiu uma igreja que pode ter funcionado entre os séculos III e IV, provavelmente numa época em que os romanos perseguiam os cristãos. Onde parece ter sido uma sala de orações, havia um mosaico com a inscrição “Deus Jesus Cristo”.

O local que os arqueólogos passaram a chamar de “Grande Megido” foi escavado durante 18 meses e alguns artefatos foram encontrados. “Ficamos animados por um minuto, mas depois percebemos que há uma prisão de segurança máxima ali, então não poderíamos avançar com nossos planos”, disse Matthew Adams, diretor do W.F. Albright Institute of Archaeological Research. :: LEIA MAIS »

Um milhão de evangélicos argentinos nas ruas contra o aborto

Marcha contra o Aborto na Argentina
Marcha contra o Aborto na Argentina. (Foto: Divulgação)

Durante final de semana, centenas milhares de evangélicos protestaram contra o aborto na Argentina. O senado do país votará dia 8 a lei que legaliza a prática, podendo mudar a decisão da Câmara dos Deputados que a aprovou em junho.

O ato organizado diante do Obelisco da avenida 9 de Julio, um tradicional ponto de protesto no país, foi o maior dos últimos anos. Durante da marcha, que teve como lema “Salvemos as duas vidas”, os participantes usaram lenços azuis, que caracteriza o movimento pró-vida no país.

Além da marcha, pastores evangélicos organizaram vigílias e promoveram campanhas de orações para que a lei não passe. O presidente Maurício Macri disse que não pretende vetá-la, caso passe no Senado.

Os organizadores acreditam que havia 650 mil em Buenos Aires. Entre os muitos discursos, os líderes do movimento lembraram aos evangélicos que, nos períodos eleitorais, muitos candidatos visitam seus templos para obter votos. Os pastores avisaram que farão um alerta nacional para que os fiéis não votem naqueles que se mostrarem a favor da legalização do aborto.

No domingo, outras cidades argentinas também tiveram manifestações do tipo. Em Tucuman foram cerca de 150 mil e, em Córdoba, a movimentação atraiu um número similar. Não existe uma contagem oficial, mas estima-se que elas mobilizaram mais de um milhão em todo o país. Jornais argentinos dão conta que havia muitos católicos e pessoas sem religião participando também. :: LEIA MAIS »

Internacional: Duas pessoas são mortas dentro de igreja sitiada pelo governo da Nicarágua

Mortos na Nicarágua
Manifestantes carregaram os corpos das vítimas da violência pelas ruas de Manágua. (Foto: EFE/Jorge Torres)

Nas últimas semanas, forças paramilitares ligadas ao governo esquerdista da Nicarágua estão atacando cristãos. Na capital Manágua, a igreja católica Divina Misericórdia foi o refúgio encontrado por dezenas de estudantes, que fugiam dos soldados que defendem o presidente Daniel Ortega.

Desde a tarde de sexta-feira (13) eles se estavam escondidos no local que foi cercado pelos paramilitares, que acabaram matando dois estudantes com tiros na cabeça, um dentro da igreja e o outro atrás de uma barricada improvisada no local.

Somente após a mediação do núncio apostólico Stanislaw Waldemar Sommertag, os estudantes conseguiram sair da igreja, dois dias depois. “Sacerdotes da paróquia continuam sendo fortemente atacados por policiais e paramilitares. Um jovem foi atingido por uma bala na cabeça e acaba de falecer”, afirmou a Conferência Episcopal da Nicarágua (CEN) em nota publicada no Twitter.

Ao site Evangélico Digital, vários evangélicos que pediram anonimato, contaram como a situação se agravou após um pastor e sua família terem sido queimados pelos paramilitares que vêm sendo chamados de guerrilha.

“Agora a perseguição é contra tudo o que é cristianismo. Tanto os pastores como os sacerdotes católicos são alvos das forças paramilitares, que os ameaçam. Eles consideram que [pastores e padres] estão fazendo mal ao sistema”, explica um fiel. :: LEIA MAIS »



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia