Com os ataques de grupos extremistas, as mulheres e crianças em Moçambique passaram a enfrentar maior pressão

Com os ataques de grupos extremistas, as mulheres e crianças em Moçambique passaram a enfrentar maior pressão

Hoje, 25 de junho, Moçambique celebra 46 anos de independência. Como resultado de uma onda anticolonial que se espalhou por toda a África, diversos movimentos políticos clandestinos foram criados em favor da independência de Moçambique, o que ocorreu de fato em 25 de junho de 1975.

O país ocupa o 45º lugar na Lista Mundial da Perseguição 2021, e é a segunda vez que compõe o Top50, desde que esteve presente na primeira edição, em 1993. Em Moçambique, na maioria mulheres e crianças enfrentam más condições de vida, exploração e falta de emprego e oportunidades de aprendizagem em países estrangeiros onde a chance de sobrevivência ainda é melhor do que em casa. O conflito armado tem sido um dos principais impulsionadores da crise dos refugiados na África Subsaariana, e desde 2019 e, apesar da COVID-19, o conflito nos países africanos só aumentou.

Aumento na violência contra mulheres e crianças

O Alto-comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) diz que continua preocupado com a segurança no Norte de Moçambique, à medida que o conflito armado e a insegurança na cidade costeira de Palma continuam após muitos ataques. Testemunhas disseram aos funcionários da ONU que mais de dois meses após o ataque em massa, a insegurança continua na região, fazendo com que as pessoas continuem fugindo diariamente em uma busca desesperada por segurança. Cerca de 70.000 pessoas fugiram de Palma desde 24 de março, diz a ONU.

Um relatório apontou que mulheres e crianças foram mais severamente afetadas. “Com meninas e famílias desocupadas enfrentando dificuldades financeiras, o risco de casamento precoce e gravidez na adolescência está se tornando uma preocupação crescente”, disse Andrea M. Wojnar, chefe do Alto-comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) em Moçambique.

Aqueles que não conseguiram fugir sofrem consequências ainda mais drásticas. Centenas de meninos e meninas foram sequestrados por grupos jihadistas, segundo a Diocese de Pemba. Os meninos são recrutados à força para os grupos jihadistas, enquanto as meninas são “casadas” com os combatentes ou servem como escravas.

Pedidos de oração

  • Ore por Moçambique neste Dia da Independência, para que Cristo cuide da população em meio a um cenário de violência.
  • Clame para que Deus traga esperança de dias melhores aos cristãos no país, para que compartilhem o evangelho sem medo de ataques.
  • Interceda pelas autoridades do país, para que tenham sabedoria para lidar com os conflitos e governem pelo bem de toda a população.

Fonte: Portas Abertas