Tribuna

Já são 40 as fazendas ocupadas pelo MST no chamado Abril Vermelho, que significa a jornada de luta do movimento em favor da reforma agrária. Em Salvador, no Centro Administrativo da Bahia, cerca de três militantes continuam acampados à espera de uma definição da pauta de reivindicações, que contém 15 itens.
Segundo explicou o coordenador do movimento no estado, Marcio Matos, a Bahia é o estado brasileiro com o maior número de famílias de trabalhadores rurais sem terras acampadas: 25 mil. Ontem em Brasília, em uma reunião de deputados federais do PT com o ministro Gilberto Carvalho, da Secretaria Geral da Presidência, ficou acertado que até o próximo dia 2 de maio, o Governo Federal dará uma resposta às reivindicações, a nível nacional, um dos movimentos que lutam pela reforma agrária.
 Para Valmir Assunção, deputado federal (PT-BA) e um dos fundadores do MST, que esteve com o ministro Gilberto Carvalho, “a reforma agrária é determinante para 4,5 milhões de famílias brasileiras. Não é possível deixar de enxergar a necessidade da reforma agrária neste país, principalmente nas metas de combate à pobreza”, disse.