O pesadelo ocorrido na semana passada em Realengo, no Rio de Janeiro, por muito pouco não se repetiu na Bahia. Nos últimos dois dias, três armas de fogo foram apreendidas no interior de escolas localizadas em Salvador e Região Metropolitana.
Em um dos casos, um revólver calibre 38 de numeração raspada, foi encontrado com um jovem de apenas 13 anos, na Escola Municipal Eliza Dias de Azevedo, em Vilas de Abrantes, no município de Camaçari.
Dias antes, ele havia ameaçado de morte três colegas de sala com quem havia se desentendido. As suspeitas são de que o adolescente pretendia assustar os demais estudantes, já que a arma estava sem munição.
De acordo com Antonio Chagas, diretor da escola em que a primeira arma foi encontrada, o jovem surpreendido com o revólver já possuía um histórico de violência dentro da instituição de ensino. “No mesmo dia em que o flagrante ocorreu, ele tinha passado pela diretoria por agredir uma colega”, disse Chagas.
 
Em depoimento, o adolescente negou ser o proprietário da arma e alegou que alguém a teria colocado em sua mochila. Em contrapartida, ele confirmou que havia ameaçado alguns colegas de morte.

Conforme Chagas, este não é o primeiro caso de violência registrado na Eliza Dias de Azevedo. Até mesmo um “chuncho”, espécie de faca artesanal utilizado por detentos em rebeliões, já foi encontrado no local. “Temos um problema muito sério aqui, mas que não envolve só a escola, e sim toda a comunidade. No ano passado, por volta das 12h30, quando a unidade fica vazia, encontrei um adolescente que estava com um ferro com ponta. Ele pretendia furar um jovem que estuda pela tarde.

Na última semana, um revólver de brinquedo foi encontrado com um aluno daqui. No mesmo dia, outro estudante encontrou uma arma no jardim que fica próximo à instituição de ensino. Ele até tentou recolher a pistola, mas um homem o assustou e ele saiu correndo”.

O diretor não descartou a possibilidade de requisitar um detector de metais à Secretaria de Educação de Camaçari para reforçar a segurança dos quase 700 alunos, com idade entre seis e 15 anos, que frequentam aulas na Escola Eliza Dias de Azevedo.

O auxílio de uma psicopedagoga também foi solicitado. Para Chagas, no entanto, o fim da violência nas instituições públicas de ensino do estado não está ligado apenas ao reforço no policiamento ou na aquisição de equipamentos sofisticados, mas passa diretamente pelas mãos da sociedade.

“Tem alunos que me dizem que querem ser marginais, porque um traficante compra a moto que quer e usa a roupa que bem entende. Temos que acabar com isso. Precisamos convocar a comunidade à participar da escola, pois não há força policial capaz de acabar com a violência sem o apoio dos pais. Hoje, não cumprimos apenas o papel de educar, mas sim de tentar modificar toda uma sociedade”, pontuou o diretor.

A opinião é compartilhada pelo delegado titular da 26ª Delegacia (Abrantes), Marcos Tebaldi. “A sociedade de uma maneira geral precisa sentar e debater a segurança nas escolas. Se alguém colocar um fuzil na mochila de um aluno, ele entra na unidade de ensino sem qualquer problema.

Acho que alguma coisa deve ser feita urgentemente. Mas no Brasil, a gente espera arrombar a porta para trocar a fechadura”, disse Tebaldi. O aluno encontrado com a arma foi liberado pelo delegado e deverá se apresentar ao Ministério Público nos próximos dias. Os pais do adolescente já solicitaram a transferência para outra instituição de ensino.

Jovem é esfaqueado em escola estadual

Um adolescente de 17 anos foi esfaqueado no final da tarde de ontem, durante uma briga ocorrida no pátio da Escola Estadual Eurides de Matos, localizada no bairro do Rio Vermelho. O jovem foi atingido no peito e encaminhado para o Hospital Geral do Estado (HGE).

Ele não corre risco de morte. O agressor, um garoto de 14 anos, foi conduzido para a Delegacia do Adolescente Infrator (DAI), onde prestou depoimento e alegou que uma série de agressões realizadas pela vítima motivaram a tentativa de homicídio.
 
“Ele afirmou que o jovem de 17 anos já havia se desentendido com alguns de seus amigos anteriormente. Ele diz também que foi ofendido e agredido com um soco pela vítima. Foi a partir daí que ele buscou um conhecido que tinha um canivete e esfaqueou o adolescente mais velho. Ainda não identificamos o proprietário da arma, até porque ela não foi encontrada. Mas já iniciamos as investigações”, disse a delegada Claudenice Maio, titular da DAI.

Conforme a delegada, houve tentativa de linchamento. “Alguns estudantes tentaram agredir o jovem que deu a facada. Ele diz que chegou até mesmo a ser ameaçado de morte”. Por conta da tentativa de homicídio, as aulas na Escola Eurides de Matos foram suspensas durante a tarde e retomadas apenas no período da noite.
 
O adolescente infrator será apresentado à 2ª Vara da Infância e Juventude para adoção das devidas medidas legais.

INTERIOR – Em Eunápolis, na última terça-feira, um jovem de 17 anos foi apreendido com um revólver calibre 32 na Escola Municipal Anésia Guimarães. Segundo a delegacia do município, os colegas do estudante o denunciaram. A arma estava carregada.

Em Feira de Santana, a Operação Paz nas Escolas, iniciada no dia 8, resultou na apreensão de 20 armas brancas, como facas, punhais, estiletes e peixeiras. Até mesmo uma réplica de um revólver calibre 38 foi encontrada dentro de uma instituição de ensino.

Polícia registra 72 casos de violência

Segundo a delegada Claudenice Maio, titular da Delegacia do Adolescente Infrator (DAI), o número de ocorrências registradas dentro de escolas soteropolitanas nos quatro primeiros meses de 2011 já é correspondente a 33% do total notificado em todo o ano de 2010. “No ano passado foram 219 ocorrências. Já em 2011, somente em fevereiro, março e esse começo de abril, a delegacia já recebeu 72”, disse a delegada.

O número de armas apreendidas este ano dentro de instituições de ensino é maior em comparação ao mesmo período do do ano passado. “Desde o início do ano letivo, recolhemos 10 artefatos, entre armas branca e revólveres, mesmo número que conseguimos em todo o ano de 2010”, concluiu Maio.

Uma das pistolas encaminhadas para DAI foi encontrada na noite da última quarta-feira na Escola Estadual Castro Alves, no bairro da Calçada. O revólver calibre 38 estava com um ex-aluno que tentava pular o muro da instituição de ensino.

O porteiro viu a invasão e acabou entrando em luta com o jovem, que fugiu deixando a arma para trás.
Outro revólver foi apreendido na manhã de ontem, no Colégio Estadual Doutor Ailton Pinto de Andrade, no Lobato. Um adolescente de 17 anos foi flagrado com a pistola calibre 32 e numeração raspada. Em depoimento, ele afirmou que a arma pertencia a um traficante.

Segurança – Na edição do último dia 9, esta Tribuna publicou reportagem em que o secretário municipal de Educação e Cultura, João Bacelar, avaliava como crítica as condições de segurança nas escolas. “Só para se ter ideia, na invasão da Polêmica tem um aluno da Saramandaia que está impedido de frequentar as aulas porque há conflito entre facções criminosas das duas regiões”, afirmou Bacelar. Tribuna da Bahia