BRASÍLIA – A candidata petista à Presidência, Dilma Rousseff, defendeu a fórmula de reajuste do salário mínimo, mas também admitiu que a proposta elevando seu valor de R$ 510 para R$ 538,15 ainda pode ser discutida com as centrais sindicais. O novo valor segue a fórmula de repor as perdas com a inflação e garantir um aumento real de acordo com o crescimento do Produto Interno Bruto ( PIB) . Entretanto, como o PIB não subiu ano passado, na prática o novo reajuste não traz aumento real, gerando descontentamento entre as centrais sindicais.

– Acho uma fórmula muito boa, porque produziu efeito real – disse Dilma, lembrando que o crescimento este ano, de 7%, vai produzir um reajuste maior ano que vem.

Mais cedo ela recebeu o presidente em exercício da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Andrade, na casa que serve como escritório político em Brasília. Discutiram temas como ensino profissionalizante, capacitação de mão-de-obra, inovação tecnológica, cooperativas e investimento em pequenos negócios. Ela aproveitou para falar sobre a loja de produtos importados que abriu em Porto Alegre em 1995 e fechada 17 meses depois.

– A vida do microempresário, quando o dólar estava de um para um, era uma coisa. Quando o dólar sobe para dois, três reais, o microempresário quebra. É muita dificuldade – disse Dilma, explicando o motivo de fechamento de sua empresa.

– Na prática dei uma força para minha cunhada e disse que tinha muito orgulho da experiência dela – afirmou, citando uma das sócias no empreendimento.

Dilma também negou que tenha intenção de recriar a CPMF, mas disse que é preciso resolver o problema do subfinanciamento da saúde. Ela defendeu ainda criar uma meritocracia para o serviço público e comentou a dificuldade dos aliados nas campanhas ao governo de São Paulo e Minas Gerais.

– Eleição tem suas características. Eu não tenho a pretensão de resolver a situação e os problemas dos aliados. Agora, eu vou me empenhar nas eleições de São Paulo e Minas, mas não vou me descuidar de outros estados também. O Globo