O juiz federal da 1ª vara de Mato Grosso, Julier Sebastião da Silva, apreciará em 72 horas a ação popular que pede a indisponibilidade de bens no valor de R$ 36,8 milhões do Estado, do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), do ex-governador Blairo Maggi, do secretário-chefe da Casa Civil, Eder de Moraes, além dos ex-secretários Vilceu Marchetti (Infraestrutura) e Geraldo De Vitto (Administração). A ação foi impetrada pelo advogado Sebastião Gaeta, que também pediu o confisco das máquinas que teriam sido superfaturadas em R$ 36,8 milhões e a perda dos direitos políticos de todos os envolvidos. Em despacho, o magistrado deu, nesta quarta-feira, o prazo para que o governo do Estado apresente todo o procedimento licitatório da compra das 705 máquinas (376 caminhões basculantes, 145 motoniveladoras,79 escavadeiras hidráulicas, 73 pás carregadeiras, 24 cavalos mecânicos, quatro melosas lubrificantes e quatro semi-reboques). No mesmo prazo, os réus devem se manifestar e apresentar suas defesas. Informações do Estadão