A Bahia está entre os estados com menor cobertura da vacina contra a gripe A no que diz respeito ao público alvo. A Bahia imunizou 22,58% das 331.411 crianças menores de dois anos (esse é o quarto menor percentual de cobertura, atrás apenas de Roraima, Acre e Amazonas). Em relação à vacinação de grávidas, a situação é ainda pior. A Secretaria de Saúde do Estado (Sesab) aplicou a dose contra a H1N1 em apenas 11,23% das 273.510 gestantes (apenas o Acre tem um índice menor).

A coordenadora da Imunização da Sesab, Fátima Aguirra, atribui a dificuldade de vacinar a população baiana a existência de dois públicos alvos novos (pessoas com doenças crônicas e profissionais de saúde) e os “falsos efeitos adversos”. “A vacina é segura e tem baixa probabilidade de efeitos adversos. Milhões se vacinaram sem nenhum efeito adverso. As informações sobre problemas após a vacinação estão emperrando o avanço da campanha na Bahia”, diz.

Campanha – A partir desta segunda-feira, 5, é a vez de jovens entre 20 e 29 anos se vacinarem. Na Bahia, esse número representa 2.880.743 pessoas. Fátima também alerta que as grávidas, pessoas com doenças crônicas, profissionais de saúde e crianças com menos de 2 anos que ainda não foram imunizados também podem procurar os postos de saúde para garantir sua dose.

A campanha com os jovens adultos segue até 23 de abril. Entre 24 de abril e 7 de maio acontece a quarta etapa que tem como alvo pessoas com mais de 60 anos com doenças crônicas e entre 10 e 21 de maio será a vez de adultos com idade entre 30 e 39 anos.

A Tarde