Fonte governista muito próxima do governador Jaques Wagner (PT) assegurou há pouco ao Política Livre que “nem que a vaca tussa” ele aceitará a idéia de conceder a segunda vaga ao Senado ao secretário estadual de Infraestrutura, João Leão, do PP, deslocando a deputada federal Lídice da Mata (PSB) para sua vice.

“O governador trabalha com o cenário de um candidato mais à direita e outro à esquerda para as vagas ao Senado em sua chapa”, disse a mesma fonte, observando que, na hipótese de a ida de Otto Alencar para sua vice ser inviabilizada, ele preferiria dar o posto para o secretário estadual de Agricultura, Roberto Muniz, do PP.

“Ele (Wagner) gostou muito do trabalho de Roberto Muniz na administração. Confia nele, preferiria ele mil vezes para vice do que jogar Leão no Senado”, completou o petista, sem querer dar pistas sobre o motivo para “o alto índice de rejeição de Leão” na articulação do governo como opção para integrar a chapa de Wagner.

O clima contra uma eventual indicação de Leão para companheiro de chapa do governador contrasta com especulações que circulam desde ontem nos meios políticos segundo as quais haveria intensa articulação no PR e no PP para fazer figurá-lo como candidato ao Senado ao lado do senador César Borges (PR).

Por estes mesmos rumores, a participação do secretário do PP na chapa seria mais um desejo do senador César Borges do que do próprio governador. Combatido fortemente pelo PT, o republicano estaria preocupado com a possibilidade de disputar o Senado ao lado de uma esquerdista, como Lídice.

Temeria que as esquerdas e simpatizantes descarregassem seus votos na socialista, isolando-o, num cenário com outros componentes complicadores, porque teria que enfrentar outros candidatos de outras chapas que disputam o mesmo eleitorado dele.

Contribuindo com o grande volume de especulações sobre a composição da chapa de Wagner, outra fonte do governo descortina o único cenário em que imagina que, mesmo a contragosto do governador, Leão poderia participar da chapa.

Seria na hipótese de César Borges recuar da negociação com Wagner, temendo a carga crescente que faz contra ele o PT, principalmente no interior. Aí, completa o governista, Leão poderia ir para o Senado tendo como companheira Lídice e Otto, filiando-se ao PDT (e não mais ao PP), ficaria na vice, como idealizado por Wagner.

Política Livre