RIO – A passeata contra a emenda que altera as regras de distribuição dos royalties do petróleo começou a sair por volta das 16h55 desta quarta-feira, 17, da Candelária, no centro do Rio. Desde o início da tarde, centenas de manifestantes desembarcam na Avenida Rio Branco em caravanas. A Polícia Militar prevê que 150 mil pessoas participem da ação.

 A prefeitura de Macaé disponibilizou 40 ônibus para o protesto, assim como os municípios de Rio das Ostras e Quissamã contam com 20 ônibus cada um. Além de disponibilizar ônibus, a prefeitura de Búzios decretou ponto facultativo a partir do meio-dia para que os servidores possa comparecerem ao ato.

 A passeata seguirá até a Cinelândia, onde haverá um ato público. Um palanque foi montado no local onde o governador Sérgio Cabral deverá discursar. O governador ainda não havia chegado. O palco também receberá artistas como as cantoras Sandra de Sá e Alcione.

A caminhada conta com a participação de políticos, como o senador Marcelo Crivella (PRB/RJ) e Paulo Duque (PMDB/RJ).

Comércio fecha para passeata

Boa parte do comércio está fechada na Avenida rio Branco, onde acontece a passeata contra a emenda Ibsen, que redistribui os royalties do petróleo. Os 4,7 mil policiais militares mobilizados para o evento se concentram em porta de bancos e de instituições como o Museu Nacional de Belas Artes para evitar tumultos.

Estadão