WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

ebook gestao financeira


outubro 2020
D S T Q Q S S
« set    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031


:: ‘Cuba’

Cuba libera comercialização de veículos, após quase 50 anos de controle

 

Foto: ilustração

Em uma das reformas mais aguardadas de sua gestão, o presidente Raúl Castro autorizou a importação e a comercialização de automóveis, depois de cerca de cinquenta anos de controle. O governo de Cuba liberou o setor automotivo a comercializar veículos a preços de mercado e aboliu o sistema que só permitia aos cubanos comprar automóveis novos por meio do Estado. Até ontem (19), cidadãos cubanos podiam vender e comprar veículos somente a preços fixados pelo Estado, de acordo com um decreto de 2010. A população não tinha acesso, no entanto, aos automóveis novos, que eram vendidos pelo Estado a pessoas selecionadas. O Conselho de Ministros de Cuba decidiu na quinta-feira (19) liberar a venda a varejo de motocicletas, carros e caminhonetes novos e seminovos. A norma determina que a compra pode ser feita por pessoas físicas cubanas e estrangeiras, pessoas jurídicas estrangeiras e corpo diplomático. A nova política elimina as cartas de autorização emitidas pelo Ministério do Transporte, assim como outros mecanismos de aprovação pelo Estado.

Fonte: Agência Brasil

Cubanos ainda aguardam libertação

O Estado de S.Paulo

O governo cubano não tinha cumprido até ontem a promessa de soltar os primeiros 5 dissidentes, passo inicial do acordo alcançado na quarta-feira, sob mediação da Igreja e do governo espanhol, que prevê a libertação de 52 presos de consciência na ilha. Ontem à noite, parentes dos opositores já estavam prontos para recebê-los antes de ser enviados para a Espanha e aguardavam somente o sinal verde de Raúl Castro.

 Se levada adiante, essa será a maior libertação de dissidentes cubanos desde 1998, quando 299 foram soltos após uma visita do papa João Paulo II a Cuba. Os opositores beneficiados foram presos em 2003 na repressão conhecida como “Primavera Negra”, na qual 75 foram detidos sob acusação de conspirar com os EUA.

:: LEIA MAIS »

Igreja cubana revela nomes de 5 dos 52 presos a serem soltos

O Arcebispado de Havana confirmou nesta quinta-feira a libertação de cinco presos políticos cubanos do ‘Grupo dos 75’, cujos nomes foram divulgados em comunicado. Após sua soltura, eles viajarão para viver com suas famílias na Espanha.

Os prisioneiros que serão libertados, todos reconhecidos como presos de consciência pela Anistia Internacional, são Antonio Villarreal Acosta, de 60 anos, sentenciado a 15 anos; Lester González Pentón, de 33, condenado a 20 anos; Luis Milán Fernández, 40, sentenciado a 13; José Luis García Paneque, 45, condenado a 24; e Pablo Pacheco Ávila, 40, sentenciado a 20. Eles “poderão sair rumo à Espanha nos próximos dias”, segundo a nota divulgada pela Igreja Católica da Ilha, que não especifica quando serão feitas as libertações.

Moralinda Paneque, mãe de José Luis García, afirmou à AFP por telefone da Província de Tunas que seu filho já tinha sido avisado pelo cardeal Jaime Ortega e ligou para ela para dar a notícia.

:: LEIA MAIS »

Cuba: Raúl Castro e Igreja católica discutem a situação dos presos políticos

O presidente de Cuba, Raúl Castro, e a alta hierarquia da Igreja Católica trataram da situação dos presos políticos em uma reunião inédita realizada na quarta-feira, informou nesta quinta-feira à AFP o líder da Conferência Episcopal, monsenhor Dionisio García.
“Esse tema foi tocado e creio que de ambas as partes há disposição, desejo de que se resolva e esperamos que assim seja. Creio que será assim”, declarou García, arcebispo de Santiago de Cuba, que participou no contro com o cardeal Jaime Ortega.
Ao ser consultado sobre um eventual acordo para uma libertação dos presos, García disse acreditar que “será um processo e esse processo tem que começar com pequenos passos, que serão dados”.

Fonte: AFP

Missões: Cristãos cubanos esperam por um novo tempo

Neste mês de abril, Cuba volta a aparecer com destaque na mídia.

Depois da polêmica que chegou a envolver o presidente Lula em fevereiro, por ocasião da morte do ativista Orlando Zapata, devido a uma greve de fome, o país de Fidel Castro é mais uma vez alvo de críticas internacionais e especulações quanto à eminente queda do regime Castrista.

A revista Veja de 14 de abril publicou extensa reportagem sobre a juventude cubana e sua crescente coragem de protestar contra a ditadura no país. Já o colunista Jorge G. Castaneda escreveu no The New York Times do dia 16 de abril que Cuba está em uma encruzilhada sem precedentes desde a revolução, há 50 anos. Entre os três fatores que ele aponta para isso, um deles é justamente o protesto público. Greves de fome, passeatas e enfrentamentos com a polícia, eram coisas que jamais vinham ao conhecimento no exterior. :: LEIA MAIS »

Igreja cubana defende libertação de presos e diálogo com os EUA

Fidel diz que Cuba é vítima de chantagem internacional

O ex-presidente de Cuba, Fidel Castro, afirmou hoje que Cuba não cederá à chantagem e ao que considera uma campanha internacional feita contra seu regime. Fidel disse num dos seus habituais artigos, chamados “Reflexões” e publicados na imprensa local, que a Revolução Cubana teve seus “erros e acertos”, mas que ele se manteve fiel a uma política baseada em princípios. A Revolução Cubana, afirmou, “nunca cedeu e não cederá ante à chantagem e ao terror midiático”.
Nas últimas semanas, o governo cubano denunciou uma suposta campanha, que seria orquestrada pelos Estados Unidos e a União Europeia, contra a ilha. Segundo as acusações de Cuba, a campanha teria sofrido uma escalada após a morte, por causa de uma greve de fome, do preso político Orlando Zapata, em fevereiro deste ano.

:: LEIA MAIS »

Missões: Família de pastor será despejada de apartamento

CUBA – As autoridades cubanas notificaram a esposa do pastor Omar Gude Perez, que a casa da família será confiscada.
De acordo com uma informação da organização Christian Solidarity Worldwide (CSW), a família será realocada para um apartamento muito menor, em condições ruins, fora da cidade de Camaguey.
A CSW relatou que Kênia, esposa do pastor, disse para os oficiais que ela e seus filhos não sairão da casa voluntariamente. Ela pediu para que a União Europeia e outros membros da comunidade internacional monitorem ativamente a situação de sua família.
De acordo com a organização, os oficiais do governo têm ameaçado a família com o despejo desde julho, quando o pastor foi condenado a 6 anos e 7 meses de prisão.
A razão dada pelos oficiais para o confisco da casa e a mudança da família é “ganhos ilícitos”.

:: LEIA MAIS »

Terremoto de magnitude 5,6 é sentido perto de Guantánamo

Um tremor de terra de magnitude 5,6 atingiu neste sábado (20) região próxima de Guantánamo, em Cuba, segundo informou o Serviço Geológico dos Estados Unidos.

Segundo a agência de notícias Reuters, o epicentro do terremoto foi a cerca de 43 quilômetros a sudoeste de Guantánamo e teve uma profundidade de 22 quilômetros.

Veja lista dos 64 presos políticos que seguem em poder do regime castrista

SÃO PAULO – A reportagem do Estado obteve a lista dos 64 presos políticos que continuam detidos pelo regime cubano. A maior parte destes dissidentes foi presa em 2003 em uma onda de repressão desencadeada pelo regime de Fidel Castro. As penas variam entre 10 e 27 anos. Leia na edição do Estado desta quarta-feira, 17, a matéria completa sobre os ativistas detidos. 

À época, eles foram acusados de trair a pátria a serviço dos EUA. A lista foi divulgada pela ilegal, porém tolerada, Comissão Cubana de Direitos Humanos e Reconciliação Nacional, ligada à oposição. :: LEIA MAIS »

Lula faz defesa de Justiça cubana e compara preso político a criminoso

O presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, pediu ontem respeito às determinações da Justiça cubana nos casos relacionados à detenção de opositores e comparou os presos políticos da ilha a criminosos comuns. As declarações foram feitas no dia em que um grupo de dissidentes do regime comunista pediu a Lula que interceda pela libertação de 20 presos políticos. Entre os dissidentes que fizeram o apelo está o jornalista Guillermo Fariñas, há 13 dias em greve de fome para chamar atenção para o problema (mais informações nesta página). :: LEIA MAIS »

Em greve de fome, jornalista cubano rejeita refúgio na Espanha

Na última segunda-feira (8) jornalista cubano Guilllermo Fariñas – em greve de fome e sede há 14 dias pela libertação de 23 presos políticos -rechaçou a ideia de se refugiar na Espanha. Após receber a visita de um diplomata do país europeu, que o informou sobre a autorização do governo para a viagem, Fariñas afirmou que só deixaria a ilha caso lhe fosse negado atendimento nos hospitais de Cuba.

Por meio de artigo publicado pelo jornal oficial Granma, o governo cubano alegou que existe uma campanha da imprensa “orquestrada pelo inimigo para desprestigiar a revolução”. Ao ressaltar que não alimentará Fariñas à força, o jornal reforçou que não aceitará “chantagens” em troca da libertação de presos. :: LEIA MAIS »

Quatro presos políticos e um psicólogo fazem greve de fome em Cuba

Agência Globo

A oposição cubana segue abalada com a morte do dissidente Orlando Zapata Tamayo e com o excesso de repressão por parte do governo cubano, que evitou que seu enterro se tornasse um ato político. Nesta sexta-feira, fontes da oposição informaram que quatro presos políticos e um psicólogo deram início a greves de fome nos últimos dias, informa o jornal “El País”. São eles Eduardo Díaz Fleitas, Nelson Molinet e Diosdado González, detidos na prisão Kilo 5, em Pinar del Rio; Fidel Suárez Cruz, da Kilo 8, na mesma região; e o psicólogo Guillermo Fariñas, que desde quarta-feira não come nem bebe, para exigir a libertação de 27 presos políticos que estariam em estado grave. :: LEIA MAIS »

Preso político cubano será enterrado após prisões e sob vigilância policial

Agência o Globo

imagem de orlando zapata tamayo na entrada de uma casa em havana marca velório simbólico - ap

HAVANA – após ser adiado para as 7h desta quinta-feira (9h de Brasília), o enterro do preso político cubano Orlando Zapata Tamayo, que morreu na terça-feira após 85 dias de greve de fome, será marcado pela detenção, na véspera, de opositores do governo Castro que não poderão comparecer à cerimônia e pela presença de agentes de segurança do regime. Por decisão de sua mãe, Reina Luisa Tamayo, o dissidente será enterrado em sua cidade natal, a 700 quilômetros de Havana, onde, segundo ela, policiais à paisana se instalaram nas entradas da cidade, nos arredores do cemitério e perto de sua casa.

 O corpo de Zapata foi escoltado pelas forças de segurança de Havana até Banes, na província de Holguín, onde chegou na quarta-feira, quando cerca de 30 dissidentes que tentavam se deslocar para a região foram presos provisoriamente para que não pudessem comparecer ao funeral. Muitos teriam sido mantidos presos em suas próprias casa, mas há relatos de que vários conseguiram viajar a Holguín. :: LEIA MAIS »

Lula encontra Fidel para falar de futuro e abertura

Reuters

No meio de uma semana repleta de compromissos oficiais no seu giro pelo Caribe, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva tem um encontro especial na tarde desta quarta-feira (24): ele visita o líder cubano Fidel Castro, em Havana. Segundo as fontes oficiais, será um “encontro entre amigos”. Mas, para analistas, o futuro de Cuba e o papel do Brasil no processo de abertura política do regime devem fazer parte da conversa.

 Para a historiadora Maria Aparecida Aquino, professora da USP, “é uma visita entre amigos, sim”, mas os interesses vão além da amizade entre Lula e Fidel:

– Por parte de Lula é uma visita a um velho amigo que se encontra extremamente doente [Fidel]. Mas há uma sinalização aí: do ponto de vista político, representa um apoio [ao regime cubano]. Cedo ou tarde, ocorrendo a morte do Fidel, Cuba terá mudanças. A proximidade do Brasil com Cuba pode ser um aceno às conquistas da revolução socialista em Cuba, como a questão da saúde pública. :: LEIA MAIS »



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia