A reportagem anterior realizada pelo site Correio da Bahia era caluniosa, e a ÚNICA acusação sobre os irmãos foram,”Em Vitória da Conquista, a força-tarefa detectou alterações contratuais fraudulentas de quadros societários de empresa, burlando a real identificação dos sócios gestores para dificultar a cobrança do ICMS devido, tendo em vista a inserção de sócios ‘laranjas’.No cumprimento de um dos mandados de prisão, realizado em uma residência, foi encontrada arma de fogo ilegal, sendo lavrado flagrante na sede da 10ª Coordenadoria Regional do Interior da Polícia Civil (Coorpin), em Vitória da Conquista. “

Não há nenhuma ligação dos dois casos, Conquista e Cândido Sales. O comercio de carvão , as falsificações e as clonagens de documentos e de notas frias, e a dívida de 3,4 MILHÕES,  diz respeito ao caso de Cândido Sales.

Tudo isso está claro do próprio site do Governo da Bahia

 

Estou entrando em contato, pois estou indignado pelas distorções divulgadas na reportagem Irmãos são presos por sonegar R$ 3,4 milhões em impostos em Vitória da Conquista . Essas causaram e estão causando diversos transtornos e constragimentos.

Em sua reportagem foi divulgado que:

Dois irmãos foram presos durante uma operação da polícia nesta quarta-feira (21) em Vitória da Conquista, no sudoeste da Bahia. Batizada de “Operação Sudoeste”, a ação tinha o objetivo de desarticular uma organização que burlava o fisco estadual nacomercialização de carvão.

“Os irmãos utilizavam formulários falsos de notas fiscais, documentos de arrecadação estadual (DAEs) clonados ou falsos e carimbos fraudulentos da Sefaz.”

Ao analisar a reportagem apresentada pelo site do governo da Bahia,
http://www.comunicacao.ba.gov.br/noticias/2011/09/21/forca-tarefa-deflagra-operacao-sudoeste-de-combate-a-sonegacao-fiscal, e pelo site da própria SEFAZ, é possível ver que a operação em conquista foi:

“Em Vitória da Conquista, a força-tarefa detectou alterações contratuais fraudulentas de quadros societários de empresa, burlando a real identificação dos sócios gestores para dificultar a cobrança do ICMS devido, tendo em vista a inserção de sócios ‘laranjas’. No cumprimento de um dos mandados de prisão, realizado em uma residência, foi encontrada arma de fogo ilegal, sendo lavrado flagrante na sede da 10ª Coordenadoria Regional do Interior da Polícia Civil (Coorpin), em Vitória da Conquista.”

A comercialização de Carvão e a falsificação de documentos ocorreram no municipio de Candidos Sales, e não possui nenhum envolvimento com o caso de conquista.

É possível notar isso pela reportagem oficial:

“De acordo com a investigação, iniciada há dois anos, o esquema fraudulento foi montado a partir de uma base operacional instalada em um escritório de contabilidade no município de Cândido Sales, com o engajamento de estabelecimentos gráficos capazes de produzir documentos falsos, conforme indícios apurados. Eram utilizados formulários falsos de notas fiscais, documentos de arrecadação estadual (DAEs) clonados ou falsos e carimbos fraudulentos da Sefaz.”

“A falsificação de documentos visava dar aparência de veracidade aos mesmos, objetivando amparar vendas irregulares de carvãopara siderúrgicas localizadas em outras unidades da federação, configurando crime tipificado no artigo 1º da lei federal nº 8.137/90, que define crimes contra a ordem tributária”

E ainda os 3,4 milhões devidos são referentes ao caso de Cândido Sales, e não de conquista, basta ler a reportagem oficial do governo.

Por isso pedimos que analise o fim da reportagem oficial, supracitada, pois verá o que realmente ocorreu em Vitória da Conquista.

Ao consultar-mos nosso advogado fomos informados que esse tipo de procedimento usado, cabe uma ação judicial, pois o que houve foi uma falta com a verdade, calúnia e defamação, causando diversos transtornos para nós. Pois reafirmando o que houve em conquista foi somente:

“Em Vitória da Conquista, a força-tarefa detectou alterações contratuais fraudulentas de quadros societários de empresa, burlando a real identificação dos sócios gestores para dificultar a cobrança do ICMS devido, tendo em vista a inserção de sócios ‘laranjas’.
No cumprimento de um dos mandados de prisão, realizado em uma residência, foi encontrada arma de fogo ilegal, sendo lavrado flagrante na sede da 10ª Coordenadoria Regional do Interior da Polícia Civil (Coorpin), em Vitória da Conquista.”

Por isso pedimos encarecidamente que tratem de divulgar a informação oficial, caso queiram, mas pedimos que publiquem umaretratação explicando para os leitores que houve um equivoco e que os irmão não são acusados daqueles demais crimes (venda de carvão irregular, falsificação de documentos, associação coma gráfica,notas fiscais falsas, etc.), como de fato não foram. A única acusação está citada acima e deve ser esclarecida.

Espero que divulguem uma retratação esclarecendo o ocorrido para evitar-mos transtornos posteriormente, pois como já foi dito nosso advogado já está com os documentos em mãos e pronto para entra com uma ação. Estamos evitando essa opção ainda, pedindo que somente se retratem e esclareça as informações.