G1

David Mota Nogueira tinha 10 anos e atirou na própria cabeça. Antes, ele feriu uma professora; crime foi em escola de São Caetano do Sul.

O corpo do estudante David Mota Nogueira, de 10 anos, que atirou contra uma professora e se matou em seguida, começou a ser velado às 23h30 desta quinta-feira (22), no Velório Municipal do Cemitério das Lágrimas, em São Caetano do Sul, no ABC paulista. O crime ocorreu dentro da Escola Municipal Alcina Dantas Feijão, em uma sala de aula onde havia outras 25 crianças do 4º ano. O motivo do crime é desconhecido.

Ainda sem entender o que tinha acontecido com um menino que não tinha histórico de violência e era considerado tranquilo, a família do garoto não quis dar entrevistas.

Na porta do velório, a todo momento chegavam amigos do irmão mais velho de David, um adolescente que teria 17 anos. Alguns pais de alunos da escola também foram velar o corpo da criança. O administrador do Cemitério das Lágrimas, Roberto Morales, contou que só na manhã desta sexta (23) o local e o horário do enterro serão definidos.

O estudante Lucas Fernando Alves Rocha de Souza, de 15 anos, contou que viu o corpo de David no chão logo após o menino disparar contra a própria cabeça. “Subimos para a sala (depois do intervalo) e logo ouvimos o barulho do disparo. Ele caiu na escada, ficou tremendo.” Brenda Tayná Souza, de 16 anos, e aluna do 9º ano, contou que houve pânico e correria nos corredores da escola. “Pensamos que era uma bomba. Foi horrível”, disse ela sobre o barulho dos disparos.

A professora Rosileide de Oliveira, 38 anos, é socorrida após ser baleada por um aluno em São Caetano do Sul

A professora ferida por David, identificada como Rosileide Queiros de Oliveira, de 38 anos, deixou a escola consciente, por volta de 16h30. Atingida na região lombar, ela foi encaminhada ao Hospital das Clínicas, Zona Oeste de São Paulo.

Em coletiva mais cedo, o secretário da Segurança Pública do município, Moacyr Rodrigues, disse que o revólver usado por David era do pai dele, um guarda-civil municipal. No entanto, a arma era particular, e não da corporação. Guardas-civis, colegas de trabalho do pai do menino, faziam a segurança da sala do velório.