Patrícia França l A TARDE

Margarida Neide/Agência A TARDE

Wagner admite que haverá redução de investimentos federais na Bahia

Wagner admite que haverá redução de investimentos federais na Bahia

O governador Jaques Wagner (PT) disse, nesta sexta-feira, 28, que o contigenciamento que fará no orçamento de 2011, estimado em R$ 26,6 bilhões, não comprometerá o salário do funcionalismo, que deverá ter um reajuste linear de 5,93%. O índice corresponde à inflação acumulada no ano passado e será proposto na mensagem a ser encaminhada à Assembleia Legislativa, com data retroativa a janeiro.

Apesar de ter começado o seu segundo governo “apertado”, o governador disse que não pretende cortar custeio. “A gente procura fazer custeio bom, que é o pagamento de médico, enfermeira, remédio…Para dar o reajuste linear integral da inflação tenho que fazer um belo esforço, porém, entendo que o funcionalismo merece, porque o salário, na verdade, não está crescendo; estamos repondo perdas”.

A declaração de Wagner ocorreu nesta sexta, à noite, após a solenidade de abertura das comemorações pelos 200 anos da Associação Comercial da Bahia, onde fez palestra sobre o “Novo ciclo de desenvolvimento da Bahia”.

O governador  fez uma viagem na história da economia baiana desde a chegada de Dom João VI ao Brasil até os dias atuais, para chamar o empresariado à reflexão. “Minha presença aqui  não é litúrgica, é convocatória”, disse o governador, lembrando que muitas das dificuldades do passado, que persistem nos dias de hoje, só serão superadas numa parceria entre o setores público e privado.

“Temos que crescer, mas crescer repartindo”, defendeu. Na plateia empresários da indústria, do comércio, da agricultura e políticos. A TARDE esteve representada pelo diretor executivo, jornalista Ranulpho Bocayuva.

Apesar de se mostrar otimista com o desenvolvimento da economia baiana, Jaques Wagner disse que está preocupado com o corte que governo federal fará no orçamento, visando combater a inflação e o juro elevado.