O policial civil Weber Lorentz, 51 anos, levou um tiro no rosto, por volta de 14h30 desta quinta-feira, 13, na Rua Diamante, próximo ao final de linha de Marechal Rondon, periferia de Salvador. De acordo com informações da Secretaria da Segurança Pública, Lorentz foi ao local, na companhia de outro policial, para entregar uma intimação.

Após o atentado sofrido pelo policial civil, houve uma grande movimentação no bairroMeia hora após o atentado, cerca de 50 policiais, civis e militares, realizaram buscas na região, conhecida como Inferninho, em Marechal Rondon. O lugar, disseram os policiais, abriga o reduto dos traficantes envolvidos no ataque a Lorentz – baleado ao sair da viatura, de surpresa.

O delegado Omar Leal, titular da 4ª CP (São Caetano), confirmou que Ubiratan Valverde Santos, conhecido como Jacaré, e um adolescente foram identificados como responsáveis pela investida. Porém as incursões tiveram como resultado apenas a prisão de Gabriel Menezes de Lima, o Biel, 20, apontado como integrante da gangue.

“A Centel (hoje Stelecom, Superintendência de Telecomunicações da Polícia) recebeu denúncia de que Biel estava dando informações aos comparsas, pelo celular, sobre a movimentação policial no bairro. Os policiais encontraram a casa e o prenderam. No celular dele havia o registro de várias ligações feitas ao adolescente”, frisou Omar.

Preso em casa, na Rua Ipirá, Gabriel também foi autuado por tráfico de drogas. Conforme Pedro Calmon, chefe de investigação da 4ª CP, foram apreendidos com Gabriel 150 papelotes de cocaína, 95 pedras de crack e 200 gramas de maconha. “Ele disse que Jacaré passou correndo por ele e deixou a sacola com as drogas para ser guardada”, assinalou o delegado.

O policial Lorentz (lotado no Grupo Especial de Suporte a Inquéritos Policiais – Gesip-Polícia Civil) foi levado ao Hospital Geral do Estado por uma equipe da 14ª CP (Barra), que fazia diligências na região. Com a bala alojada na face, ele foi transferido a uma clínica particular. Segundo disseram os colegas, Lorentz está fora de perigo.

ATARDE