Biaggio Talento, da Agência A TARDE

Lúcio Távora / Agência A TARDE

César Borges durante debate entre os candidatos ao senado promovido por A TARDE

César Borges durante debate entre os candidatos ao senado promovido por A TARDE

SALVADOR – Se parece provável, a partir das pesquisas de intenção de voto, que o governador Jaques Wagner (PT) obtenha a reeleição no primeiro turno eleitoral, já neste domingo (permanece na faixa acima de 50% das intenções de voto), a disputa pelas duas vagas ao Senado permanece indefinida na Bahia. E essa dúvida se amplia a cada pesquisa divulgada nessa reta final de campanha.

Na mais recente, do Instituto Datafolha, César Borges (PR) mantém-se à frente, agora lado de Lídice da Mata (PSB), ambos com 34%. Walter Pinheiro (PT) é o terceiro com 30%. O resultado é diferente da última aferição do Ibope para o Senado, divulgada sábado (25) quando Pinheiro, apareceu na liderança com 35%, Lídice em segundo com 32%, e César Borges, com 29%.

O presidente Lula e a candidata petista Dilma Rousseff têm pedido votos para Lídice e Pinheiro, que fazem parte da chapa majoritária do governador Wagner. Contudo, César Borges, que é filiado ao PR, partido da base de Lula no Congresso, também vinha utilizando as imagens de Lula e Dilma na sua campanha. Mas isso mudou desde a semana passada quando, em visita a Salvador, Dilma resolveu acabar com o duplo palanque na Bahia com o qual recebia o apoio de Wagner (PT) e do candidato peemedebista ao governo Geddel Vieira Lima. Resolveu optar por Jaques Wagner, rifando Geddel, alegando que o candidato do PMDB está mal nas pesquisas.

César Borges também foi rifado por Dilma e acabou se queixando publicamente, pois como vem liderando as pesquisas, a candidata de Lula não teria motivos, segundo avalia, para abandoná-lo.

Para complicar mais ainda os prognósticos sobre a corrida estadual pelo Senado, a disputa tem características próprias quando o eleitor tem que escolher dois nomes. Isso torna as pesquisas incertas como já indicaram alguns analistas, pois, se houver, por exemplo, um segundo candidato comum à maioria dos eleitores, esse pode chegar em primeiro na disputa já que receberá votos de eleitores de várias tendência.

É com isso que contam os outros concorrentes na Bahia, hoje um pouco distantes do bloco da frente formado por Borges, Lídice e Pinheiro. Edvaldo Brito (PTB), José Carlos Aleluia (DEM), José Ronaldo (DEM), que estão na faixa dos 14% a 10%, nas pesquisas de intenção de voto, esperam se beneficiar desse segundo sufrágio e obter a eleição.