Em 1984, quando entrou na NBA, Michael Jordan foi jogar por um time mediano, que nunca tinha sido campeão. Quando deixou o Chicago Bulls, 14 anos depois, a equipe tinha seis taças da liga americana de basquete e fama de uma das mais ricas do mundo.

Agora, como o primeiro ex-jogador a ser um dono majoritário de um time da NBA, Jordan tem desafio similar.

A direção da liga anunciou ontem que a proposta pelo controle do Charlotte Bobcats foi aprovada, e o ex-armador vai assumir o time imediatamente. Terá trabalho.

O próprio valor pago pelo time, em dinheiro arrecadado por Jordan com investidores, é a prova que o Bobcats, da Carolina do Norte, o mesmo Estado onde Jordan cresceu e foi lançado no basquete universitário, é um verdadeiro “mico”.

Foram US$ 275 milhões, ou US$ 25 milhões a menos do que seu primeiro dono gastou para fundar a franquia há seis anos.

Os Bobcats nunca deram lucro. Com o ginásio quase sempre vazio, o time deve ter um prejuízo de US$ 30 milhões (cerca de R$ 53 milhões) apenas nesta temporada.

Esportivamente o time também acumula fracassos. Até hoje, nunca foi aos playoffs e sempre teve campanhas com aproveitamento abaixo de 50%.

Na estreia, Jordan terá que desfazer a fama de dirigente ruim que ganhou no Washington e no próprio Charlotte.

E também pode ganhar a fama de pé frio. Com a melhor campanha da sua história, o time estaria hoje nos playoffs da temporada 2009/2010.

Folha