WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

ebook gestao financeira


outubro 2021
D S T Q Q S S
« set   nov »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  


:: out/2021

Grupo de direitos humanos aponta mais de 300 atos de perseguição na Índia

pastor, esposa e membro espancados na índia

Pastor, esposa e membro foram espancados na Índia (Foto: Reprodução/Christian Solidarity Worldwide)

Segundo grupos de direitos humanos na Índia, foram documentados mais de 300 incidentes de perseguição cristã apenas nos primeiros nove meses de 2021. Eles alertam que este ano pode ser o pior em termos do número de incidentes desse tipo na história do país.

Os nacionalistas hindus radicais têm atacado cristãos alegando punição da minoria por usar a força ou recompensas para converter hindus ao cristianismo, enquanto os cristãos compõem apenas 2,3% da população da Índia e os hindus compreendem cerca de 80%.

“Os ataques brutais ocorreram em 21 estados. A maioria dos incidentes está ocorrendo nos estados do norte e 288 casos foram de violência da máfia”, disse o coordenador nacional do Fórum Cristão Unido, A.C. Michael, disse em uma coletiva de imprensa em Deli.

De acordo com The Christian Post, a conferência foi realizada em conjunto pelo Fórum Cristão Unido, o United Against Hate e a Association of Protection of Civil Rights, que divulgou um relatório de apuração de fatos intitulado “Cristãos Sob Ataque na Índia”.

:: LEIA MAIS »

Líder de gangue ameaça matar missionários no Haiti se resgate não for pago

gangue do Haiti

A gangue sequestrou 17 missionários incluindo menores e um bebê. (Foto: Reprodução/YouTube)

Na última quinta-feira (21), o líder da gangue que sequestrou os 17 missionários no Haiti, Wilson Joseph, ameaçou matar os reféns, incluindo as crianças e um bebê caso suas exigências não sejam atendidas.

“Eu juro que se não conseguir o que estou pedindo, vou colocar uma bala na cabeça desses americanos”, disse Joseph em um vídeo postado em uma rede social.

De acordo com o ministro da Justiça do Haiti, Liszt Quitel, a gangue ligou no sábado (16) para a Christian Aid Ministries, organização dos missionários, e pediu 1 milhão de dólares, cerca de 95 milhões de reais para cada uma das 17 pessoas sequestradas.

No vídeo, o chefe da gangue também ameaçou o primeiro-ministro Ariel Henry e o chefe da polícia nacional do Haiti, ao lado de caixões abertos, possivelmente de membros da sua gangue que foram mortos recentemente.

:: LEIA MAIS »

Aliança chinesa com o Talibã é má notícia para a liberdade religiosa

China e Afeganistão

Reunião em agosto de 2021 para certificar a aliança entre China e Afeganistão. (Foto: Reprodução/China Morning Post)

Em 28 de julho, o cofundador do movimento talibã, mullah Absul Ghani Baradar, e o ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, foram fotografados juntos. Na época o grupo extremista não havia tomado o poder no Afeganistão ainda, mas Pequim já havia o reconhecido como “uma força política e militar chave”.

Em seguida, o governo chinês declarou que apoiava o governo do Talibã e esperava uma transição suave para o país com uma paz duradoura.

A China reiterou o compromisso com o Afeganistão de dar assistência aos cidadãos e disse que não vai interferir nas suas questões internas, mas vai ajudar a resolver problemas e restaurar a paz no país, informou um porta-voz do Talibã à Reuters.

Em contrapartida, especialistas alertam para a ambiguidade da linguagem diplomática, ou seja, muitas questões entre a China e o Afeganistão podem envolver a violação dos Direitos Humanos, incluindo a liberdade religiosa e de expressão.

Ambos países encontram-se entre os 17 do mundo que mais atentam contra as minorias religiosas, principalmente os cristãos, segundo os dados da Portas Abertas.

Milhares de pessoas deixaram o país apenas no primeiro mês do governo do Talibã, um fato que aponta que o grupo terrorista não se importa com os direitos das pessoas no país, de acordo com o Evangelical Focus. Tal fato piora a liberdade religiosa dos cristãos e das minorias religiosas tanto no Afeganistão como na China.

“Ciência, arqueologia e história apontam para a existência de Deus”, diz autor

Eric Metaxas

Eric Metaxas (Foto: Reprodução/CBN News)

Eric Metaxas, um autor best-seller americano, diz que o ateísmo está morto. Para ele, a ciência, arqueologia e história apontam para o Criador divino. Metaxas está com seu mais novo livro: “O Ateísmo Está Morto”.

“Eu literalmente nunca estive tão animado com um livro. Eu realmente não estou particularmente comprometendo o ateísmo. Isso faz parte do livro, mas estou enquadrando-o da maneira que faço com o título O Ateísmo está Morto? particularmente porque em 1966 a Revista Time tinha este infame artigo de capa que dizia: “Deus está morto?”, disse Metaxas.

Metaxas diz que esbarrou repetidamente em evidências de Deus e apontou dois exemplos específicos. O primeiro é a descoberta bíblica de Sodoma. Há cerca de 1650 A.C. uma cidade a leste da Jordânia, Alto El-Hammam, foi destruída por um meteoro. Os cientistas acreditam que a cidade poderia ser o local de Sodoma, a antiga cidade bíblica destruída por sua maldade.

“O outro tem a ver com a ideia de onde veio a vida, para começar? Sempre falamos de evolução, mas nunca falamos sobre quatro bilhões de anos atrás vocês cientistas dizem que a vida emergiu no planeta Terra como células únicas, mas ninguém pode realmente explicar como isso aconteceu. Então as coisas começaram”, explicou ele.

Metaxas escreve sobre tudo, expondo as evidências de Deus. Ele diz que ciência, arqueologia e história simplesmente não suportam o ateísmo. Segundo ele, temos vivido com esse mito, essa mentira de que a ciência e os cientistas estão em desacordo com a fé.

“Chegamos a um lugar na ciência e na história onde podemos conhecer agora. Antes talvez não pudéssemos, mas agora podemos saber que a ciência é compatível com a fé cristã e que, na verdade, foi a fé cristã que levou à ciência moderna. Tremenda ironia quando você pensa nesta narrativa secular com a qual lidamos desde Darwin”, concluiu ele, de acordo com a CBN News.

Com 75 mil cristãos presos, Coreia do Norte exibe armas de guerra

Ditador da Coreia do Norte, Kim Jong Un

Ditador da Coreia do Norte, Kim Jong Un (Foto: Reprodução/YouTube)

A Coreia do Norte, um dos piores países para um cristão viver, continua empunhando seu poder militar em meio às dificuldades que o mundo enfrenta, incluindo 75.000 cristãos que estão trancados em prisões por todo o país.

De acordo com God TV, até mesmo mencionar o Deus cristão é um ato de traição no país. Assim, os cristãos são frequentemente perseguidos e presos por seu governo ditatorial.

Um ex oficial da inteligência norte-coreano compartilhou uma declaração sobre a situação do país. Aparentemente, o ditador Kim Jong-Un estaria “desesperado para ganhar dinheiro”.

Então, ele recorreu a tráfico de drogas, venda de armas e terror. O ditador queria manter seu poder. Além disso, ele também está ávido a se provar um guerreiro para o seu povo e para o mundo.

No 76º Aniversário do partido dos trabalhadores, a Coreia do Norte mostrou seu poder militar para o mundo. Além disso, o país também mostrou um de seus maiores hardwares militares e armas avançadas em décadas.

O ditador Kim também fez um discurso onde prometeu construir um exército invencível para combater a América. Tanques, lançadores de foguetes, mísseis balísticos e um novo míssil hipersônico de longo alcance o cercaram durante seu depoimento.

De acordo com o relatório, a Coreia do Norte testou várias armas com capacidade nuclear em setembro. Essas armas nucleares poderiam atingir alvos na Coreia do Sul e no Japão, incluindo bases militares dos EUA.

Enquanto a Coreia do Norte constrói essas armas militares, as pessoas continuam sofrendo. Devido à negligência do governo comunista com eles, eles enfrentam uma possível inanição. Além disso, seu sistema continua a torturar e prender cristãos em todo o país. As autoridades até mesmo executaram alguns deles por causa de sua .

Fonte: Gospel Prime

Gangue pede US$17 milhões para libertar missionários sequestrados

Militares do Haiti

Militares do Haiti (Foto: Reprodução/AP)

O ministro da Justiça, Liszt Quitel, confirmou que a gangue que sequestrou 17 missionários que estavam em uma viagem para visitar um orfanato no Haiti no sábado exigiu US$ 1 milhão por cada um dos missionários em troca do retorno deles em segurança.

“A exigência foi feita ao chefe do Ministérios da Ajuda Cristã do país, eles pediram US$ 1 milhão por pessoa. Muitas vezes essas gangues sabem que essas exigências não podem ser atendidas e consideraram uma contra oferta das famílias, e as negociações podem levar alguns dias às vezes, ou algumas semanas”, disse Quitel.

Os missionários sequestrados incluem seis homens, seis mulheres e cinco crianças, dos quais 16 são americanos e um canadense. Eles estavam trabalhando com a organização internacional de ajuda quando foram levados no sábado pela gangue 400 Mawozo.

De acordo com The Christian Post, a gangue, cujo nome se traduz em “homens inexperientes”, é conhecida por assassinatos descarados, sequestros e extorsão de empresários.

A secretária de Imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, disse que, embora ela não pudesse revelar as identidades dos missionários por razões de segurança, o Departamento de Estado e o FBI estão trabalhando juntos para trazê-los para casa em segurança

Em uma atualização sobre a situação na segunda-feira, os Ministérios da Ajuda Cristã, que haviam pedido à comunidade cristã que orassem pelo retorno seguro dos missionários, agradeceram à mídia e aos apoiadores globais por sua ajuda e orações.

“Estamos entrando no terceiro dia desde que dezessete de nossos trabalhadores foram sequestrados por uma gangue no Haiti. A mídia tem levado esta situação para todo o mundo. As autoridades civis do Haiti e dos Estados Unidos estão cientes do que aconteceu e estão oferecendo ajuda. Continuamos monitorando a situação de perto e estamos em oração”, disse a organização.

A organização também pediu orações para os sequestradores, alegando que, como todos, os sequestradores são criados à imagem de Deus e podem ser transformados se eles se voltarem a Ele.  Declarando que além de uma libertação segura, desejam que os sequestradores sejam transformados pelo amor de Jesus.

Fonte: Gospel Prime

Evangélicos já são maioria em Honduras, aponta pesquisa

Igreja durante a pandemia

Em pesquisa publicada recentemente pelo grupo Paradigma indicou que 43,2% da população de Honduras se identifica como cristãos evangélicos.

O país fica localizado na América Central e conta com a liberdade religiosa, ou seja, a população pode escolher e praticar livremente a sua , desde que não infrinja a ordem pública ou outras leis.

O governo reconheceu a Igreja Católica Romana como uma religião majoritária no país, no entanto esse cenário mudou, visto que a comunidade cristã evangélica vem crescendo cada vez mais no país.

O estudo mostrou que atualmente o catolicismo romano denota 38,2% da população. Enquanto 13% dos hondurenhos alegam não pertencer a nenhuma denominação.

Durante a pandemia, as igrejas evangélicas atuaram fortemente com ações sociais em todo o país. O presidente de Honduras, Juan Orlando Hernández, agradeceu o trabalho da comunidade cristã durante a crise da Covid-19.

Além disso, Honduras é o único país da América Latina em que se comemora o Dia Nacional da Bíblia, este ano foi comemorado em 26 de setembro.

Fonte: Gospel Prime



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia