WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

ebook gestao financeira


junho 2021
D S T Q Q S S
« maio   jul »
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930  


:: jun/2021

As marcas da prisão na Eritreia

Shiden passou mais de dez anos em prisões na Eritreia por não abrir mão do evangelho (foto representativa)

Shiden passou mais de dez anos em prisões na Eritreia por não abrir mão do evangelho (foto representativa)


Shiden*, um cristão eritreu de 30 anos, se converteu no final da adolescência e sabia os riscos de seguir a Cristo na Eritreia. Quando ele tinha 20 anos, foi pego em culto secreto e preso com cerca de 40 outros cristãos. Ele passou mais de dez anos em cerca de três prisões diferentes. Desde 2002, quando o governo proibiu a adoração fora do islã sunita e das igrejas ortodoxa, católica e luterana, milhares de cristãos foram presos por desafiar essa lei.

Durante esse tempo, Shiden enfrentou exposição a temperaturas severas, viveu em situações precárias e com falta de saneamento, e provocações para renunciar à fé. Ele se recusou a ceder , por isso, suportou um confinamento solitário regular e prolongado em um espaço que se assemelhava a um caixão, por ser tão pequeno.

Uma vez que ele foi brevemente “libertado” para o serviço nacional, mas quando espiões encontraram algumas passagens da Bíblia com ele, foi colocado de volta na solitária por mais três meses. Ele não viu ninguém. Uma vez por dia, uma xícara de chá e uma fatia de pão apareciam através de uma brecha na porta. Ele se perguntava se alguém sabia se ele estava vivo e se sentia ridicularizado pelo conhecimento de que alguns dos amigos tinham conseguido escapar e fugir através da fronteira.

Marcas da prisão

Shiden acabou sendo enviado para casa inesperadamente e sem qualquer explicação. A família ficou encantada por tê-lo de volta, mas logo percebeu que tinha algo de errado com o cristão. “Quando ele foi solto, ele estava muito magro. Ele gaguejava muito ao falar”, contou a mãe idosa do eritreu.

Shiden lutou para lidar com o fato de que ele tinha perdido muitas coisas em seu período de cárcere: educação, carreira, casamento, paternidade. “Desde sua libertação vimos Shiden mudar diante de nossos olhos dia após dia. Ele caiu em profunda depressão, e há momentos em que ele é completamente irracional. Temos que observá-lo o tempo todo, mesmo à noite, para garantir que ele não se machuque”, compartilha John*, irmão do cristão.

Recentemente, os parceiros da Portas Abertas na Eritreia estiveram com a mãe de Shiden e ela compartilhou sobre o filho: “Glória a Deus. Meu filho está muito melhor. Agora, quando eu dou comida para ele comer, ele come”. Mesmo com a melhora de Shiden, John continua encorajando o irmão a não desistir. “Ele se sente muito solitário. Tento encorajá-lo dizendo a ele: ‘Deus vai fortalecê-lo. Deus está aqui; não desista. Você é um herói da fé. Ele recompensará o seu amor’”, conta.

*Nome alterado por segurança.

Ajude cristãos a crescer na fé

Assim como Shiden, muitos cristãos lidam com traumas causados pelo período em que ficaram presos. Ao assinar a Revista Portas Abertas, você pode fazer parte do que Deus está fazendo na igreja global e ser um com a parte do corpo que enfrenta perseguição por amor a ele. Na campanha deste mês, você leva apoio aos cristãos eritreus para que sobrevivam e cresçam na fé.

Fonte: Portas Abertas

Cristãos amedrontados pelos ataques do Al-Shabaab no Quênia

Cristãos vivem com medo de serem atacados por jihadistas no Quênia


Os cristãos que vivem na área metropolitana de Mandera, Nordeste do Quênia, precisam de oração. A região é frequentemente atacada por extremistas do grupo Al-Shabaab, tanto que nas últimas duas semanas aconteceram cinco ataques. Os jihadistas mataram pelo menos oito pessoas, sequestraram três e feriram 15.

Os moradores temem outros ataques porque estão vendo homens armados perambulando pela região. Por isso, a cidade de Mandera está em alerta máximo, e a população foi aconselhada a estar em casa às 18h30.

Nesse contexto, os cristãos são alvos primários dos radicais islâmicos, por isso sentem-se mais expostos à violência. O resultado é que muitos meios e transportes locais estão se recusando a transportar os seguidores de Jesus. Com isso, os motoristas tentam evitar que os ônibus sejam atacados.

Apesar do Quênia ser um país onde 43,9 milhões de pessoas são cristãs, muitas enfrentam pressão e violência dos radicais islâmicos que atuam na região. O aumento da violência colocou o território em 49º lugar na Lista Mundial da Perseguição 2021.

Além disso, o crime organizado também é considerado uma ameaça aos cristãos quenianos. A omissão das autoridades corruptas nos casos de violência contra nossos irmãos e irmãs na fé favorece o aumento dos ataques à comunidade cristã.

Pedidos de oração

  • Interceda pelos cristãos no Quênia que vivem com medo dos ataques de extremistas islâmicos, que eles recebam a paz e a proteção de Deus e continuem a ser testemunhas do amor de Jesus.
  • Ore para que os governantes tenham sabedoria e compromisso para liderar o país, e que os direitos dos cidadãos sejam respeitados.
  • Peça pelos parceiros locais da Portas Abertas que atuam na região, que eles sejam guardados pelos Senhor e ampliem o trabalho de fortalecimento dos cristãos locais.

Fonte: Portas Abertas

Neste Dia da Independência, ore por Moçambique

Com os ataques de grupos extremistas, as mulheres e crianças em Moçambique passaram a enfrentar maior pressão

Com os ataques de grupos extremistas, as mulheres e crianças em Moçambique passaram a enfrentar maior pressão

Hoje, 25 de junho, Moçambique celebra 46 anos de independência. Como resultado de uma onda anticolonial que se espalhou por toda a África, diversos movimentos políticos clandestinos foram criados em favor da independência de Moçambique, o que ocorreu de fato em 25 de junho de 1975.

O país ocupa o 45º lugar na Lista Mundial da Perseguição 2021, e é a segunda vez que compõe o Top50, desde que esteve presente na primeira edição, em 1993. Em Moçambique, na maioria mulheres e crianças enfrentam más condições de vida, exploração e falta de emprego e oportunidades de aprendizagem em países estrangeiros onde a chance de sobrevivência ainda é melhor do que em casa. O conflito armado tem sido um dos principais impulsionadores da crise dos refugiados na África Subsaariana, e desde 2019 e, apesar da COVID-19, o conflito nos países africanos só aumentou.

Aumento na violência contra mulheres e crianças

O Alto-comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) diz que continua preocupado com a segurança no Norte de Moçambique, à medida que o conflito armado e a insegurança na cidade costeira de Palma continuam após muitos ataques. Testemunhas disseram aos funcionários da ONU que mais de dois meses após o ataque em massa, a insegurança continua na região, fazendo com que as pessoas continuem fugindo diariamente em uma busca desesperada por segurança. Cerca de 70.000 pessoas fugiram de Palma desde 24 de março, diz a ONU. :: LEIA MAIS »

Viúva cristã é atropelada e sofre lesão na coluna por seguir a Jesus no Vietnã

Foom e os quatro filhos são assediados pelo vizinho para voltar à fé animista no Vietnã (foto representativa)

Foom e os quatro filhos são assediados pelo vizinho para voltar à fé animista no Vietnã (foto representativa)

Foom* é uma viúva cristã que enfrenta a perseguição no Vietnã. Ela foi atropelada por uma motocicleta quando estava a caminho da igreja, em maio de 2021. Como resultado, a coluna da vietnamita foi lesionada e precisou passar por uma cirurgia. O homem que pilotava a moto era o mesmo que agrediu a cristã quando ela decidiu seguir a Jesus em 2019. Ele é um vizinho que pressiona Foom e os quatro filhos, exigindo que eles retornem à religião animista do povo hmong.

O pastor de Foom relatou os incidentes às autoridades locais e pediu que eles tomassem medidas para punir o perseguidor da cristã. A resposta foi: “Já a avisamos para voltar à crença hmong, mas ela não deu ouvidos ao nosso aviso e até mesmo deixou a igreja ajudá-la”. Por isso, o homem que persegue a cristã continua impune e se sente encorajado a ameaçar e agredir a família. Segundo o líder cristão, os governantes locais intimidaram outros moradores da aldeia a não se converteram ao cristianismo, ou irá acontecer o mesmo que ocorreu com Foom. Agora, a população local está amedrontada, e tornou-se mais difícil compartilhar sobre o amor de Deus.

Graças ao apoio dos parceiros locais da Portas Abertas, Foom passou por uma cirurgia de coluna e está em fase de recuperação em um hospital no Norte do Vietnã. Além disso, são os membros da igreja local que estão cuidando dos filhos da cristã. “A família de Foom é especial para nossa igreja porque ela é uma viúva com quatro filhos. Por causa da pobreza, a vida diária dela é cheia de fardo, mas ela é fiel ao Senhor, mesmo enfrentando a perseguição nos últimos anos. Nós sempre a visitamos para orar e encorajá-la a se manter confiante no Senhor, que é aquele que lhe dá força e paz”, conta o pastor. :: LEIA MAIS »

Ditador da Coreia do Norte admite crise alimentar no país

O reconhecimento do ditador Kim Jong-un que há fome no país demonstra a gravidade da situação na Coreia do Norte (foto: Reuters)

O reconhecimento do ditador Kim Jong-un que há fome no país demonstra a gravidade da situação na Coreia do Norte (foto: Reuters)

O líder supremo da Coreia do Norte, Kim Jong-un, admitiu durante a reunião do partido, em 14 de junho, que há escassez de alimento no país. “A situação alimentar das pessoas está ficando tensa”, reconheceu aos principais líderes. O ditador culpou os tufões, que passaram pelo território em 2020, pela insuficiente colheita de grãos.

Mas a realidade é que o bloqueio completo nas fronteiras para impedir a entrada da COVID-19 impediu o acesso a suprimentos agrícolas como fertilizantes, pesticidas e outros produtos importados, principalmente da China. Além disso, Kim argumentou que o mundo todo está em crise e por isso a Coreia do Norte também foi atingida. :: LEIA MAIS »

Cristãos chineses arriscaram a vida para receber um milhão de Bíblias

Por serem proibidas, os cristãos chineses não tinham acesso às Bíblias. Mas em uma noite, receberam um milhão de exemplares do Projeto Pérola

Por serem proibidas, os cristãos chineses não tinham acesso às Bíblias. Mas em uma noite, receberam um milhão de exemplares do Projeto Pérola

Ontem, a Portas Abertas começou a contar sobre o Projeto Pérola, quando um milhão de Bíblias foram entregues aos cristãos na China, em junho de 1981. O projeto secreto envolveu tanto cristãos de países livres como cristãos perseguidos no país comunista.

Como foi a entrega de um milhão de Bíblias no Projeto Pérola?

A confecção, o transporte e a distribuição de um milhão de Bíblias não aconteceram instantaneamente. Exigiu planejamento e muitas visitas ao país, tanto do Irmão André como de outros membros da equipe da Portas Abertas. Em uma das ocasiões, os responsáveis pelo projeto resolveram entrevistar alguns líderes cristãos chineses para saberem se tinham noção do risco que estavam correndo em receber as Bíblias proibidas.

O Irmão André e outros membros da equipe da Portas Abertas visitaram a China várias vezes antes de colocar o Projeto Pérola em ação

A resposta de um deles foi: “Nós já estivemos na prisão por causa do Senhor muitas e muitas vezes. Somando todo o tempo, já passamos um total de 72 anos na cadeia por Jesus. Estamos dispostos a morrer para que um milhão de irmãos e irmãs tenham um exemplar da palavra de Deus”.

Neste momento, não tiveram mais perguntas, apenas a certeza de que estavam lidando com pessoas que amavam a Cristo mais do que a própria vida. Então, o rebocador Miguel levantou âncora e no dia 18 de junho chegou até a costa chinesa. A escuridão era completa e o mar estava calmo, ideal para o desembarque dos 232 fardos de Bíblias. Eles rolaram os pacotes de Bíblias para o mar e três barcos menores puxaram rumo à praia.

“Nesse momento, a praia antes deserta sofrera radical transformação. Cerca de dois mil cristãos chineses haviam emergido das sombras e descido à praia, alguns entrando no mar com água pelo pescoço, enquanto outros formavam uma fileira quase militar até as árvores”, conta o Irmão André no livro “O Contrabandista de Deus desafiando os limites da fé”.

Como os cristãos chineses conseguiram receber as Bíblias?

Um dos presentes entre os chineses que receberam as Bíblias era Xiao Chen, um adolescente que não tinha dimensão do que estava fazendo, mas foi para acompanhar o irmão mais velho, Da Chen. “Lembro-me de um navio gigante sem bandeiras se aproximando lentamente do porto. Todos na praia pareciam muito ansiosos. Então, um pequeno barco de borracha desceu do navio. Eu vi meu irmão mais velho remando um barco até o navio e falando com um estrangeiro que poderia ser o capitão”, conta. :: LEIA MAIS »

Casal cristão é absolvido após sete anos no corredor da morte

A cristã Shaguftah Kausar e o marido Shafqat Emmanuel foram absolvidos da pena de morte no Paquistão (foto: World Watch Monitor)

A cristã Shaguftah Kausar e o marido Shafqat Emmanuel foram absolvidos da pena de morte no Paquistão (foto: World Watch Monitor)

A cristã Shagufta Kausar foi absolvida da pena de morte pelo tribunal de Lahore High. Ela e o marido deficiente, Shafqat Emmanuel, foram presos por blasfêmia em 2013 e condenados à morte em 2014, no Paquistão. Apesar de ambos serem analfabetos, o casal foi condenado por enviar textos blasfemos aos clérigos islâmicos.

O casal apelou contra sua pena de morte em 2016, mas o recurso foi continuamente adiado – deixando-os definhando na cadeia por anos – pelo fato de os casos de blasfêmia serem muito controversos e sensíveis no Paquistão. Esse aparente “plantio” de textos ou imagens falsas nos celulares de cristãos paquistaneses às vezes analfabetos tem sido relatado pelo portal World Watch Monitor nos últimos anos.

O que o casal fez para merecer a pena de morte?

O acusador, Muhammad Hussein, disse que estava orando depois de quebrar o jejum do Ramadã em 18 de julho de 2013, na mesquita de Talabwali, em Gojra, por volta das 22h, quando seu celular vibrou. Ele afirmou que após terminar a oração, ele checou o celular e encontrou mensagens de texto blasfemas insultando tanto o profeta Maomé quanto o Alcorão. :: LEIA MAIS »

Cristão ex-muçulmano é perseguido pela comunidade em Bangladesh

O cristão ex-muçulmano Shajahan e a família são hostilizados pela comunidade, que chegou a bani-los do convívio social (foto representativa)

O cristão ex-muçulmano Shajahan e a família são hostilizados pela comunidade, que chegou a bani-los do convívio social (foto representativa)

Em Bangladesh, o cristão ex-muçulmano Shajahan e a família têm sido perseguidos e pressionados a renunciar à fé desde que aceitaram a Cristo, cerca de dez anos atrás. Eles vivem na parte ocidental de Bangladesh, no distrito de Kusthia, e seus vizinhos e parentes muçulmanos os têm como alvo desde que descobriram sobre a fé da família.

Shajahan já enfrentou desde pressões a ameaças de morte; na maioria das vezes, da própria família. Seus parentes têm opiniões muito fortes sobre sua fé e não gostam que ele influencie a família, filhos e netos a seguirem a Cristo. O filho de Shajahan estudou teologia na faculdade, agora se formou e está servindo a Deus. Seu neto também é muito ativo na escola dominical. Sua família muçulmana ameaçou renegá-lo inúmeras vezes, mas Shajahan nunca a levou a sério.

Muito recentemente, os perseguidores tentaram fazer Shajahan renunciar à fé em público. Foi depois do Eid-ul-Fitr, o festival do último dia do Ramadã. O comitê local da mesquita pediu a Shajahan que contribuísse financeiramente para a mesquita, para fins religiosos, mas ele respondeu: “Não posso participar e contribuir com dinheiro para atividades religiosas muçulmanas. Eu não acredito mais nisso”. :: LEIA MAIS »

Vamos orar: Igreja é destruída novamente no Sudão

As autoridades do Sudão demoliram novamente o prédio da igreja próximo à capital do país (foto representativa)

As autoridades do Sudão demoliram novamente o prédio da igreja próximo à capital do país (foto representativa)

Um prédio da igreja no Sudão, que foi reconstruído depois de ter sido destruído por incêndios criminosos no ano passado, foi demolido novamente no mês passado após ameaças de moradores e autoridades locais.

O edifício pertence à Igreja Sudanesa de Cristo em Jaborana, nos arredores de Cartum, capital do país. Depois que um ataque incendiário destruiu o prédio da igreja em agosto de 2020, a congregação começou o processo de reconstrução dele em maio.

Um promotor local, no entanto, chamou três líderes da igreja e lhes disse para interromper o trabalho. Os líderes se recusaram alegando que o caso deles não estava sob a alçada do promotor. Em vez disso, os funcionários da igreja afirmaram que a jurisdição pertence ao departamento que lida com violações de terras públicas e que não haviam recebido uma denúncia, informou o portal de notícias CSW.

Mudanças legais, mas não na prática

Apesar das ameaças de alguns moradores locais, a igreja continuou o processo de construção até que o prédio foi demolido em 27 de maio. Os relatórios não dizem quem ordenou ou executou a destruição do templo. Porém, em novembro do ano passado, nove pessoas foram julgadas por suposto envolvimento no incêndio do prédio em agosto, bem como por mais quatro ataques incendiários em dezembro de 2019 e janeiro de 2020.

O julgamento, que ainda está em andamento, é o primeiro do gênero em um país onde, nos últimos 30 anos, as comunidades cristãs têm enfrentado níveis muito altos de perseguição. Os cristãos tiveram suas propriedades confiscadas, prédios da igreja destruídos, e líderes religiosos foram presos e levados ao tribunal. :: LEIA MAIS »

ONU exige que Eritreia liberte cristãos presos imediatamente

Cristãos eritreus são presos sem julgamento por fazerem parte de denominações não autorizadas pelo Estado (imagem representativa)

Cristãos eritreus são presos sem julgamento por fazerem parte de denominações não autorizadas pelo Estado (imagem representativa)

Em 10 de maio, mais dois cristãos foram presos em Asmara, capital da Eritreia. A ação foi a gota d’água para que o relator especial da Organização das Nações Unidas para os Direitos Humanos na Eritreia apelasse ao governo do país pela libertação “imediata e incondicionalmente” dos presos por causa da fé.

Apesar dos motivos das detenções não serem claros, fontes locais acreditam que isso aconteceu pelos cristãos frequentarem cultos de igrejas que não são registradas. No país, só é permitido ser das igrejas ortodoxa, católica ou luterana. Qualquer outra denominação não tem permissão de existir e ter atividades religiosas.

Como acontecem as prisões de cristãos na Eritreia?

Para quem decide desobedecer o Estado, as consequências são duras como discriminação, monitoramento constante, invasões domiciliares e prisões. A Portas Abertas noticia com frequência a prisão de irmãos e irmãs na Eritreia. Apenas em março, 40 cristãos foram presos durante invasões nas cidades de Asmara e Assab, no sudeste do país.

“Esta última onda de prisões é prova de que não houve mudança na política repressiva do governo em relação à liberdade religiosa no país”, disse Mohamed Abdelsalam Babiker no relatório anual para a Comissão de Direitos Humanos da ONU. :: LEIA MAIS »

Ataque extremista causa mais de 130 mortes em Burkina Faso

O governo do país tem encontrado muitas dificuldades para combater a onda de violência instaurada (foto: AFP)

O governo do país tem encontrado muitas dificuldades para combater a onda de violência instaurada (foto: AFP)

O fim de semana começou com tristes notícias do país que ocupa a posição 32 na Lista Mundial da Perseguição 2021. Na madrugada do sábado (5), ataques de grupos extremistas islâmicos ceifaram a vida de 132 pessoas em Solhan, cidade da região norte de Burkina Faso. Homens armados invadiram vilarejos na cidade, produzindo o que o governo já considera o mais violento ataque dos muitos que já ocorrem com maior intensidade desde 2015.

Na noite da sexta-feira (4), outro ataque parecido aconteceu em Tadaryat, outro vilarejo na mesma região, 14 civis foram mortos.

O governo de Burkina Faso e os grupos extremistas islâmicos têm enfrentado uma série de conflitos com consequências trágicas. Nos dois casos recém-ocorridos, os militantes entraram nos vilarejos com o objetivo de enfraquecer as forças de defesa governamentais instaladas ali. Na sequência, começaram a invadir casas e matar também os moradores das comunidades. O presidente do país, Roch Kabore, declarou um luto oficial de três dias pelas vítimas e falou à população através de uma rede social: “Devemos permanecer unidos contra as forças do mal”. :: LEIA MAIS »

Cristãos são obrigados a parar construção de igreja em Bangladesh

A igreja na tribo Mru, o único edifício da área, começou a ser levantada, mas a construção foi interrompida em Bangladesh

A igreja na tribo Mru, o único edifício da área, começou a ser levantada, mas a construção foi interrompida em Bangladesh

Os cristãos da tribo Mru em Longkom Pará, no Sudeste de Bangladesh, têm contribuído coletivamente com fundos para construir a única igreja na área, para que tenham um lugar para se reunir para adorar a Deus. Mas, no meio das obras, budistas locais liderados por um monge os forçaram a parar o projeto.

“Um monge veio e me pediu para parar de construir a igreja. Eles me disseram que eu não posso construir uma igreja aqui porque eles não querem ter uma igreja. Mas antes de construir o templo, conversei com o povo budista que nos deu permissão a construção. Agora que a igreja está meio concluída, eles protestam e nos pedem para parar de construir”, disse Ringrang Mro, um líder da igreja.

Os budistas disseram aos cristãos que não podiam construir a igreja porque queriam criar um caminho a pé através da terra onde a igreja está sendo construída. “Foi só uma desculpa, fazer uma trilha lá, porque não precisamos dela. Já existem vários caminhos”, disse o líder.

“Várias comunidades tribais, principalmente budistas, vivem na área de Bandarban há gerações. Embora haja um templo para eles, os cristãos não têm um lugar para adorar”, disse Ringrang. “Eles realmente não querem que os cristãos tenham o tempo de culto. Eles só querem que os budistas adorem aqui”, conclui. :: LEIA MAIS »

Ore pelos cristãos de Mianmar infectados pela COVID-19

A segunda onde de COVID-19 em Mianmar atingiu vilarejos no interior do país e já fez vítimas entre os cristãos

A segunda onde de COVID-19 em Mianmar atingiu vilarejos no interior do país e já fez vítimas entre os cristãos

Os cristãos de Mianmar pedem oração pelo país que está enfrentando a segunda onda de COVID-19. Os locais mais afetados são as áreas rurais, que não têm sistema de saúde capaz de atender a todos os infectados. “Estou alarmado e preocupado porque não há médicos e enfermeiros para nos consultarmos e cuidar de nós. Instalações de teste também não estão disponíveis em nossa área e os remédios são difíceis de conseguir. Por favor, ore por nós”, pede o pastor Min*.

No início da pandemia, a aldeia do líder cristão acreditava que o coronavírus não chegaria até eles, já que o vilarejo fica distante de áreas urbanas. Mas, alguns pastores começaram a ter os sintomas da COVID-19 e foram internados nos hospitais, e agora estão sendo tratados com quantidade limitada de medicamentos.

Outro ponto é que muitos profissionais de saúde aderiram ao movimento de desobediência civil e estão escondidos protestando contra o golpe militar, que aconteceu no país em fevereiro de 2021. Dessa forma, não estão atendendo os doentes que chegam aos hospitais.

Muitos pastores que foram infectados pelo vírus participaram de treinamentos de preparação para perseguição, de líderes e outros organizados por parceiros da Portas Abertas. Eles também ajudaram em acampamentos de crianças e jovens e nas organizações de reuniões de líderes cristãos da região.

Uma baixa para a igreja em Mianmar

Porém, a igreja em Mianmar perdeu a irmã Nini*, uma líder influente no discipulado e treinamento de empreendedorismo para mulheres. Ela foi uma das infectadas pela COVID-19 e estava no oitavo mês de gestação. Junto com o marido, a cristã distribuía alimentos aos irmãos e irmãs necessitados. Agora, o esposo da irmã Nini tem a responsabilidade de criar os três filhos sozinho.

“Nini estava sempre ansiosa para aprender e se voluntariava durante os treinamentos. Sei que ela era a mais bem-sucedida entre nós – era capaz de implementar o que aprendeu na formação em empreendedorismo. Ela ajudava os necessitados, era hospitaleira e trabalhadora”, testemunha Naomi*, cristã que participou do treinamento junto com a irmã Nini. :: LEIA MAIS »

Radicais sequestram mais 200 alunos na Nigéria

Crianças e adolescentes estão em risco ao frequentarem as escolas na Nigéria (imagem representativa)

Crianças e adolescentes estão em risco ao frequentarem as escolas na Nigéria (imagem representativa)

Em 30 de maio, 200 alunos de uma escola islâmica de Tegina, na Nigéria, foram sequestrados por grupo armado. De acordo com um porta-voz da polícia do estado de Niger, os rebeldes chegaram atirando indiscriminadamente e capturando os estudantes da escola Salihu Tanko. Uma pessoa foi morta e outra ficou feriada durante o ataque.

Em entrevista à Reuters, o proprietário da escola, Abubakar Tegina, que mora próximo à escola disse que foi testemunha do incidente: “Eu vi pessoalmente entre 20 e 25 motocicletas com pessoas fortemente armadas. Elas entraram na escola e foram embora com cerca de 150 ou mais alunos”.

De acordo com Tegina, os alunos têm entre sete e 15 anos e frequentam a escola, mas moram em outros locais com as respectivas famílias. Outro funcionário disse à AFP que os radicais levaram de volta algumas crianças até 12 anos de idade, porque as consideraram muito pequenas e não poderiam andar muito. :: LEIA MAIS »



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia