WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

ebook gestao financeira


abril 2020
D S T Q Q S S
« mar    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  


:: ‘mulheres’

Mulheres da classe C movimentam cerca de R$ 158 bilhões por ano

Elas trabalham fora, cuidam da casa, dividem as despesas familiares e ainda têm tempo e dinheiro para gastar com o consumo próprio. Detentoras de um poder aquisitivo cada vez maior, as mulheres da classe C estão ganhando destaque não só no mercado de trabalho, como na economia da classe média.

Amabília, 23 anos, tem como maior sonho os estudos e a formação profissional

Até o final do ano, estima-se que elas irão movimentar R$ 158 bilhões em consumo, de acordo com uma pesquisa realizada pelo Instituto Data Popular, em 153 cidades brasileiras, incluindo Salvador. Uma prova disso é que, no shopping ou nos mercados, há 12 mulheres da classe C para cada 10 homens em compras. Elas também somam mais de 60% da população feminina com acesso a serviços financeiros.

O estudo tomou como base mulheres acima dos 18 anos, cuja renda familiar esteja entre três a 10 salários mínimos. “Porém, mais de 70% corresponde à faixa até cinco salários”, afirma o sócio-diretor do instituto, Renato Meirelles. Segundo os dados, elas são 48,6 milhões dos 94,4 mi que fazem parte da classe C – 49,7% da população. :: LEIA MAIS »

Missões: Mulheres…

Esse é o nome do novo ministério que visa mobilizar cristãs brasileiras a fortalecerem as cristãs perseguidas em todo o mundo, e também aprender com elas.

Desde a década de 1980, a Portas Abertas Internacional percebe a necessidade de um ministério voltado para mulheres. Em 2001, o lançamento do livro Lágrimas e Sorrisos*, de Anneke Companjen, com testemunhos de irmãs colhidos nas visitas feitas à Igreja Perseguida, aumentou ainda mais essa necessidade. Por todo o mundo, os corações das mulheres eram tocados. Então, em 2006, foi realizado na Holanda um evento que originou o ministério Mulheres do Caminho. Atualmente, milhares de irmãs estão envolvidas, ativamente, com as mulheres da Igreja Perseguida. :: LEIA MAIS »

Corpos encontrados em estrada no município de Castro Alves

Os corpos de Lucineide Santos, de 30 anos, e Érica Nascimento, 15, foram encontrados por populares em uma estrada, na localidade das Antas, no município de Castro Alves, por volta das 9h da manhã de domingo, 14. As vítimas tiveram seus corpos carbonizados, além de apresentar marcas de golpes de facão e indícios de violência sexual.

Durante a investigação, a polícia chegou a Antônio Cruz dos Santos, 49, que segundo a mãe de Lucineide, é casado e mantinha um relacionamento extra-conjugal com sua filha. Ao chegar na casa do acusado, por volta das 21h, a polícia o encontrou com ferimentos nos braços e joelhos, o que despertou a suspeita da delegada responsável pelo caso Edeilda Costa. :: LEIA MAIS »

Mais da metade das mulheres do campo sofre violência, diz pesquisa

Uma pesquisa da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag) mostrou que cerca de 55% das mulheres do campo já sofreram algum tipo de violência.

O estudo apontou ainda que a maior parte desses atos de violência (63,6%) foi cometida pelos maridos ou companheiros, de acordo com o trabalho “Violência contra as mulheres trabalhadoras rurais nos espaços doméstico, familiar e no movimento sindical”, que ouviu 529 mulheres de diversas regiões do País.

Elas também já sofreram ameaças de morte (27,6%), estupro marital (11,9%) e cárcere privado (4,3%).
:: LEIA MAIS »

Mulheres têm mais dificuldade para largar o fumo

Depois de 50 anos na companhia do cigarro, o presidente Lula afirmou nesta terça-feira que há 40 dias deixou o fumo de lado.

Ele declarou que não tem sido fácil ficar sem as tragadas mas, se fosse do sexo feminino, a autoridade máxima do Brasil poderia ter ainda mais dificuldade de largar o vício.

Influência dos hormônios, da rotina e até mesmo da pressão pelo corpo magro, as mulheres demoram mais para conseguir a independência do tabagismo, já atestaram pesquisas. Uma delas, feita pelo Centro de Referência e Tratamento do Álcool, Tabaco e Outras Drogas (Cratod) constatou que apesar de elas serem maioria entre os que buscam tratamento para abandonar o vício, as mulheres também têm mais dificuldade do que os homens em ficar abstêmias. :: LEIA MAIS »

Mulheres trabalham mais que os homens

Para marcar o Dia Internacional da Mulher deste ano, que é comemorado hoje, a Organização Internacional do Trabalho divulgou estudo segundo o qual as mulheres brasileiras trabalham cinco horas semanais a mais do que os homens.
Do total de 57,1 horas, o trabalho fora de casa ocupa 34,8 horas e o doméstico, 20,9 horas, em média. Os homens têm jornada de 52,3 horas semanais e, dessas, 42,7 são fora de casa e 9,2 horas, em atividades domésticas.

ONU: milhões de mulheres somem na Índia e China

As Nações Unidas estimaram hoje que há cerca de 85 milhões de mulheres “desaparecidas” na Índia e na China. As razões apontadas para isso são discriminação no tratamento de saúde e negligência, além de abortos.

Em um importante relatório sobre qualidade de gênero, divulgado no Dia Internacional da Mulher, o Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas (UNDP, na sigla em inglês) concluiu que a Ásia tem a maior discrepância no mundo, com 119 meninos nascidos para cada 100 meninas. O número excede bastante a média mundial, de 107 garotos nascidos para cada 100 garotas. :: LEIA MAIS »

Homens experimentam ser minoria em universidades

A universidade é hoje um ambiente feminino. Mulheres estudam mais tempo do que os homens e são maioria no ensino superior – elas ocupam cerca de 380 mil vagas a mais que eles nos cursos de graduação, segundo dados do IBGE. Entre os brasileiros com 12 anos ou mais de estudo, as mulheres são 56%. Apesar do excedente em favor delas, os casos de cursos em que a divisão de alunos por gênero é fortemente desequilibrada acontece para os dois lados – mesmo com uma desproporção feminina positiva, há hordas de determinados engenheiros que são pontilhadas de apenas uma ou outra aluna, como as três entre 47 na lista de admitidos para Mecatrônica na USP de São Carlos. Mas com todo o barulho que fazem as mulheres que há anos avançam em profissões e cursos considerados masculinos, pouco se ouve dos rapazes que vivem a situação contrária. :: LEIA MAIS »



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia