WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

ebook gestao financeira


janeiro 2020
D S T Q Q S S
« dez    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  


:: ‘Missões Transculturais’

Vamos orar: Cristão ex-muçulmano é agredido, expulso de casa e ameaçado de morte

Oração e comunhão sustentam os cristãos ex-muçulmanos perseguidos em Bangladesh

Oração e comunhão sustentam os cristãos ex-muçulmanos perseguidos em Bangladesh

Bangladesh é um país no Sul da Ásia, região onde estão os maiores países muçulmanos do mundo. Também é um dos países em que a Portas Abertas desenvolve seminários de preparação para a perseguição. Em cada sessão, os cristãos são encorajados a relatar quaisquer incidentes de perseguição que enfrentem.

Atos frequentes de violência confirmam que o islamismo radical se desenvolveu de uma mera ideologia religiosa ao estabelecimento de redes terroristas. Bangladesh testemunhou uma transformação perigosa, liderada por grupos religiosos que são semelhantes aos que estabeleceram grupos terroristas no Afeganistão, Paquistão e Oriente Médio. O governo sempre lutou contra esses grupos, mas se recusou a admitir a presença de radicais do Estado Islâmico no país.

Mahabu Rahman, de 43 anos, vivia com a esposa e filhos no Norte de Bangladesh. Ele tem siso mal tratado pelos familiares, inclusive irmãos, esposa e filhos, por ser o único seguidor de “Isa” (Jesus em árabe) na família. Como cristão ex-muçulmano, ele tem enfrentado essa situação há um longo tempo, mas nunca pensou em desistir de alcançar a família com o evangelho. “Eu tenho orado e continuarei orando por eles, para que um dia conheçam a verdade e aceitem Jesus”, disse Mahabu.

No entanto, a perseguição piorou, pois os familiares começaram a agredi-lo fisicamente. Recentemente, ele foi expulso de casa e os parentes disseram: “Se você não escolher abandonar a fé em Jesus e voltar ao islamismo, não volte mais para casa. Nós não conhecemos você. Se você voltar, vamos atear fogo em você”. :: LEIA MAIS »

A realidade dos cristãos ex-muçulmanos na África Subsaariana

Mesmo sob perseguição extrema, o evangelho cresce na África Subsaariana, onde cristãos precisam ser fortalecidos

Mesmo sob perseguição extrema, o evangelho cresce na África Subsaariana, onde cristãos precisam ser fortalecidos

No Domingo da Igreja Perseguida de 2020 vamos abordar os cristãos ex-muçulmanos. Muitos dos que deixaram o islã para seguir a Cristo se encontram na África Subsaariana. Os países dessa região que estão na Lista Mundial da Perseguição 2019, ranking que classifica os 50 países onde há mais perseguição aos cristãos, são: Somália, Sudão, Eritreia, Nigéria, Mali, República Centro-Africana, Etiópia e Quênia. Mas isso não significa que em outros países da África Subsaariana os cristãos ex-muçulmanos não sejam perseguidos.

A Portas Abertas monitora países além dos que estão na Lista e há alguns classificados como países em observação quanto à perseguição. A maioria deles está na África Subsaariana. São eles: Djibuti, República Democrática do Congo, Camarões, Tanzânia, Níger, Chade, Burkina Faso, Uganda, Guiné, Sudão do Sul, Moçambique, Gâmbia, Costa do Marfim, Burundi, Angola, Togo e Ruanda. No DIP 2020 queremos impactar esses irmãos que, além de precisarem lidar diariamente com fome, miséria, morte e violência, também são perseguidos por amor a Cristo.

O cristianismo chegou à África Subsaariana muito antes do islamismo. Mas, no século 7, exércitos muçulmanos cruzaram o Mar Vermelho e tomaram o Cairo das tropas bizantinas. Daí se moveram para o Mediterrâneo e se espalharam pela África através do comércio e pregação. :: LEIA MAIS »

Garoto rebelde tem encontro com Cristo na Malásia

A pressão de ser filho de um pastor fez com que Lukas fugisse de Cristo, na Malásia

A pressão de ser filho de um pastor fez com que Lukas fugisse de Cristo, na Malásia

Trabalhar com o improvável é uma das especialidades de Deus, e o pastor Lukas* é testemunho vivo disso. Desde a infância, sentia-se pressionado por ser filho de um pastor cristão em Sarawak, leste da Malásia. No início da infância, ele conta que era inteligente, mas fez amigos que não se importavam com a educação. “Eu não queria estudar. Então, meus amigos e eu íamos jogar sinuca, andar de moto, faltar à escola, etc. Também costumava causar muitos problemas em todos os lugares que eu ia, sempre estava brigando e bebendo”, explica.

O desgosto dos pais era grande, até que um dia o pai de Lukas citou o garoto durante um sermão, como uma pessoa rebelde e sem esperança. Mesmo cansados do adolescente, eles mandavam o filho para o acampamento da igreja, sempre com a esperança de que ele tivesse um encontro com Cristo. Ao invés disso, o jovem aproveitava as ocasiões para conhecer as garotas. Porém, um dia, os amigos de Lukas começaram a ter experiências profundas com o Espírito Santo e os líderes começaram a chamar um a um para orar. Quando chegou a vez dele, nada aconteceu. Então pensou: “Talvez eu seja tão ruim que Deus não queira falar comigo, ou não seja aceito”. :: LEIA MAIS »

Igrejas domésticas são monitoradas e proibidas na Índia

Cenário religioso na Índia não favorece cristãos, mas a igreja continua crescendo

Cenário religioso na Índia não favorece cristãos, mas a igreja continua crescendo

Ser cristão na Índia tem sido um desafio desde que os extremistas hindus chegaram ao poder. Para eles, ser indiano é seguir ao hinduísmo e tudo o que for diferente dessa fé deve ser rejeitado. Além de enfrentar os ataques nas igrejas, o sul do país agora bate de frente com outro gigante: o governo. As autoridades passaram a restringir a construção de prédios para o culto cristão.

A saída encontrada pelos membros das igrejas foi a reunião doméstica. Porém, até mesmo essa decisão tem encontrado barreiras. “Quando o governo coloca restrição nos salões para adoração, os cristãos recorrem à comunhão nas casas, mas agora nós vemos que elas estão sendo cada vez mais monitoradas. Em vários distritos existem instruções oficiais da polícia para barrar a adoração nas casas”, conta um dos líderes de uma igreja parceira da Portas Abertas.

As pessoas que escolhem ir por essa via estão sujeitas a retaliação por meio de vigilância e ataques. Não há um local na Índia em que os cristãos estejam seguros. As investidas contra eles são frequentes e as autoridades não agem para protegê-los. Até mesmo um líder de alto escalão, como o ministro Mukhtar Abbas Naqvi, ignorou os dados e considerou o assunto como um problema comum de violência.

Alguém que compartilha Cristo no país é considerado agente de governo estrangeiro. Então, se uma igreja cristã auxilia pobres, ela é acusada de atrair as pessoas com dinheiro e benefícios materiais. Mesmo com tantas dificuldades, as conversões em massa acontecem e alarmam ainda mais os governantes. :: LEIA MAIS »

Cristãos sírios são preparados para fazer discípulos e resistir à perseguição

Igreja Síria se prepara para discipular e resistir à perseguição.

Igreja Síria se prepara para discipular e resistir à perseguição.

Nem só de doação de alimentos vive um cristão na Síria. Uma das maiores necessidades é capacitar uma pessoa a tornar-se um discípulo de Jesus.  Segundo Nigel*, um dos treinadores, dois tipos de cursos são oferecidos no país:

Talmatha(discipulado em árabe) ensina os princípios básicos para ser um seguidor de Jesus.  Mostra como o cristão faz um devocional, de que maneira deve responder à Bíblia, fala do propósito da vida e ensina o discipulado.

Big Picture: são três dias de curso que capacita os cristãos a enfrentarem situações difíceis, principalmente a perseguição. O objetivo é mostrar como Deus transforma dificuldades em algo belo, para a glória dele.

“Muitas igrejas têm boas atividades, mas os cristãos são imaturos. Então, nós treinamos as pessoas para serem bons mentores. Elas devem servir aos outros, por isso ensinamos o método do curso”, explica Nigel. Em 2019, 20 pessoas na faixa etária de 30 a 40 anos foram treinadas e estão prontas para voltar às igrejas para discipular outros cristãos.

Após o treinamento de discipulado, outro grupo de 35 cristãos ex-muçulmanos, todos curdos, participaram do Big Picture. Houve uma mistura entre os novos crentes e outros mais experientes. “Eles responderam positivamente, ficaram muito engajados durante as lições. O material era novo para eles e ficaram interessados em ouvir e participar”, conta o colaborador. :: LEIA MAIS »

Escola de Missões Estratégicas na Jocum

Escola de Missões Estratégicas

Essa é uma oportunidade única para que você que tem mais de 18 anos, já concluíu a sua ETED – Escola de Treinamento e Discipulado, e tem um chamado transcultural. A EDME – Escola de Missões Estratégicas é uma ferramenta ideal para você ter um ministério transcultural frutífero. O objetivo da escola é dar a você as habilidades que precisa para atuar em uma equipe focada na extensão do reino de Deus entre os povos não alcançados e os menos evangelizados do mundo – incluindo capacitação para o aprendizado da cultura e a aquisição da língua, Movimentos de  Plantação de Igrejas, estratégias de missões, relacionamento em equipe, e formação de equipe de manutenção e suporte na retaguarda. A EDME enfoca grupos de pessoas não alcançadas entre os muçulmanos, hindus, chineses, budistas e tribais.

CURRÍCULO: :: LEIA MAIS »



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia