WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

ebook gestao financeira


setembro 2019
D S T Q Q S S
« ago    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930  


:: ‘maus tratos’

Cobra píton de 6 metros quase morre em zoo de Itapetinga após ser atacada a pedradas por alunos

Itapetinga Agora

Animal recebeu várias pedradas na cabeça e quase teve a coluna partida. Direção do Parque da Matinha suspendeu atividades estudantis e já revisa regras de visitação.

O Parque da Matinha em Itapetinga é uma unidade de conservação de grande importância histórica, mantida pelo Município de Itapetinga e possui uma área de Mata Ciliar conservada e uma coleção de animais silvestres brasileiros e exóticos, visitados por diversas instituições de toda a região. O parque disponibiliza sua área e seus recursos para realização de aulas práticas e teóricas à alunos de diversas unidades educacionais.

A realização de práticas educativas em unidades de conservação é necessária e enriquecedora por proporcionar ás pessoas, a contemplação de animais selvagens e raros, todavia para que isso seja feito de maneira proveitosa e segura é preciso que os alunos tenham consciência da importância de se respeitar e conservar os animais que estão contidos e em exposição nos Zoológicos.

:: LEIA MAIS »

Mãe de Joanna pede a testemunhas que liguem para Disque-Denúncia

do G1

Ela deu entrevista no programa Ana Maria Braga nesta manhã. Delegado responsável pelo caso classifica investigação como ‘dificílima’.

A mãe da menina Joanna Cardoso Marcenal Marins, de 5 anos, Cristiane Marcenal, fez um apelo, na manhã desta terça-feira (17), às testemunhas do caso, para que liguem para o Disque-Denúncia, a fim de ajudarem a esclarecer o caso da morte da menina. Cristiane, que é médica cardiologista, deu entrevista ao programa Mais Você da apresentadora Ana Maria Braga.

“Todas as pessoas que estiveram com ela no período em que eu não a vi, se viram qualquer coisa, alguma testemunha se ela se machucou, que por favor denunciem, tem o Disque-Denúncia”, pediu ela.

Joanna passou quase um mês em coma e morreu no início da noite de sexta-feira (13). Desde o nascimento da menina, os pais brigaram na Justiça para ficar com a filha. O pai, o funcionário público André Marins, estava com a guarda desde maio.O padrasto de Joanna, Ricardo Ferraz, acompanhou a mulher no programa. Cristiane voltou a afirmar que a menina nunca teve convulsões, como o pai afirma.

Segundo ela, nenhum dos três hospitais pelos quais a menina passou registrou os ferimentos no corpo de Joanna. Cristiane viu as lesões quando a filha já estava em coma. “Só quando eu fui vesti-la é que vi que ela estava machucada”, disse. A reportagem telefonou para o advogado Luis Guilherme Vieira, que representa André, mas não obteve retorno. :: LEIA MAIS »

Presos denunciam agressões de agente no presídio de Salvador

do A Tarde

Preso exibe marcas das agressões no IML

Presos custodiados na cadeia pública do Complexo Penitenciário de Salvador, em Mata Escura, foram submetidos a exame de corpo delito, na noite de quinta-feira, 1º, no Instituto Médico Legal (IML). Eles acusam agentes carcerários da unidade de agressão física e maus-tratos desferidos contra eles no dia 23 de junho, véspera de São João.

Algemados de dois em dois, eles mostraram marcas no corpo deixadas pelos instrumentos usados nas agressões. Evitando identificar-se, por receio de represálias, contaram que naquele dia foram  levados, despidos, para o pátio da unidade, e submetidos a choques, espancamento e tortura psicológica.

:: LEIA MAIS »

Professora amarra e amordaça aluno de 5 anos em Brasília, diz polícia

do G1

Caso foi denunciado por funcionária que presenciou a cena em escola pública. Na delegacia, ela teria dito que não aguentou o comportamento do menino e ‘perdeu a cabeça’.

Uma professora do Distrito Federal é suspeita de ter amarrado e amordaçado uma criança de cinco anos com fita adesiva em uma escola de Brasília nesta quarta-feira (16). O menino estuda na primeira série de uma escola pública da cidade. A professora foi afastada do trabalho.

Segundo a polícia, o garoto teve os pés e as mãos amarrados e o corpo preso a uma cadeira na classe de aula. A professora usou a fita adesiva para amordaçar a criança. Na delegacia, a professora teria dito que perdeu a cabeça e amarrou o garoto porque ele não se comportava. A professora assinou um termo circunstanciado e vai responder por maus tratos, constrangimento ilegal e vexame.

O caso foi denunciado por uma servente da escola, que viu a cena e avisou a diretoria. A direção da escola então chamou o Batalhão Escolar da PM. A mãe da criança foi avisada pela escola pela manhã.

“As outras crianças vão ficar rindo dele depois, né? Lógico. Vão ficar tirando sarro da cara, porque criança é criança”, disse a mãe, que não quis se identificar. “Eu acho que ela não tem nenhum preparo para cuidar de criança.” :: LEIA MAIS »

Procuradora é suspeita de maus-tratos contra filha adotiva de 2 anos no Rio

DIANA BRITO
A procuradora de Justiça aposentada Vera Lúcia de Santana Gomes, 57, foi acusada pela polícia de agredir, no último dia 15, a filha adotiva de 2 anos em seu apartamento em Ipanema, zona sul do Rio. A delegada titular da 13ª DP, Monique Vidal, informou nesta terça-feira que aguarda o laudo do exame de corpo de delito da menina para saber se o caso pode passar a ser investigado como crime de tortura.

O caso foi registrado na delegacia de Ipanema como crime de maus-tratos, após uma denúncia. A polícia abriu um inquérito para investigar as marcas de espancamento no corpo da criança e já começou a ouvir testemunhas. Procurada pela Folha, Vera Lúcia não foi localizada. :: LEIA MAIS »

Imagens flagram babá arremessando bebê de 7 meses; Família também a acusa de abuso sexual

do G1

Câmera instalada pela família registrou a ação da mulher. Para delegado que investiga o caso, imagens são de “tortura”.

A polícia investiga uma babá suspeita de agredir e abusar de um menino de 7 meses no município de Igarassu, em Pernambuco. A família da criança instalou uma câmera escondida e registrou a ação da mulher.

“A família gravou, temos um vídeo. Nas imagens, a mulher agride e abusa da criança. Tem tortura, porque uma criança que é maltratada nessa idade, para mim, sofreu tortura. E tem um abuso sexual”, afirmou à reportagem, neste domingo (25), o delegado Zanelli Alencar, da Gerência de Polícia da Criança e do Adolescente (GPCA).

Segundo Alencar, os pais do bebê procuraram a polícia no sábado (24) e compareceram à delegacia, na manhã deste domingo, para prestar depoimento. A babá trabalhava há poucas semanas na casa da família e não foi presa.



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia