WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

ebook gestao financeira


novembro 2020
D S T Q Q S S
« out    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930  


:: ‘glauco’

Daime – Pastor da Bola de Neve e ex frequentador conta sua experiência com o chá do Santo Daime

Consumido há pelo menos 300 anos por comunidades indígenas da Amazônia, antes de ser transportado para os rituais do Santo Daime, o chá alucinógeno originado da planta ayahuasca, foi por três anos a solução encontrada por Fábio Mota para os seus problemas de depressão e “elevar o lado espiritual”, como afirma o ex-praticante do daime que chegou a visitar a casa do cartunista Glauco Villas Boas, assassinado na semana passada junto com o seu filho por um frequentador da Igreja Céu de Maria, liderada pelo desenhista.

Mota passou a seguir a doutrina daime com poucos mais de 20 anos, convidado por um amigo. A busca por novas experiências espirituais o levou ao Amazonas, região onde o fundador do Santo Daime, conhecido como mestre Irineu, recebeu uma visão de Maria, mãe de Jesus, instigando-o a inaugurar a religião que prega o auto-conhecimento por meio de experiências ritualísticas. “Foi lá que eu me fardei – que é tipo um batismo. Eu voltei de lá já sabendo o que eu queria – o daime”, relembra. :: LEIA MAIS »

Artigo: Nós e as religiões

Taeco Carignato
De São Paulo

 Os assassinatos do cartunista Glauco Vilas-Boas e de seu filho Raoni chocaram a nação, despertando polêmicas diversas, às vezes banais, sobre religião, drogas e esquizofrenia. Condena-se o Santo Daime pelo uso de chás alucinógenos em seus rituais, por admitir psicóticos entre os seus seguidores, pelos surtos psicóticos e comportamentos violentos de Carlos Eduardo Sundfeld Nunes (assassino confesso de Glauco e Raoni). Sem dúvida, não se pode deixar de associar a Igreja Maria do Céu à tragédia que ceifou a vida de seu fundador, mas fazer uma relação direta de causa e efeito entre o uso de alucinógenos pelos daimistas e o comportamento violento do jovem Carlos Eduardo é fazer uma análise superficial e rasteira. Pois não se leva em conta as circunstâncias e o longo caminho percorrido por Carlos Eduardo para chegar ao ato.


(foto: Futura Press/ Christian Rizzi/Gazeta do Povo)

 Em primeiro lugar, não é necessário que se administre um chá alucinógeno para que se desencadeiem surtos psicóticos. Ocorreram e ocorrem casos de surtos psicóticos em portadores de esquizofrenia e outras formas de transtornos mentais que são ou foram seguidoras de outras seitas religiosas, altamente respeitadas. Um rito, palavra ou atitude de um líder religioso… :: LEIA MAIS »

Felipe Iasi é indiciado por participação no assassinato de Glauco

Polícia questiona fato de Iasi ter pulado muro da chácara de Glauco e ter aberto o portão para facilitar entrada de Carlos Eduardo

SÃO PAULO – O estudante Felipe Iasi, que dirigiu o carro com Carlos Eduardo Sundfeld Nunes, o Cadu, até a casa de Glauco na noite do assassinato do cartunista e de seu filho Raoni, foi indiciado por participação no crime na tarde desta segunda-feira, 22. Iasi havia sido chamado para depor novamente na Delegacia Seccional de Osasco, que investiga o caso. Ao chegar na delegacia, ele foi informado sobre o indiciamento.

Estadão

PM diz ter recebido 2 ligações de suspeito de matar Glauco

A Polícia Militar de São Paulo informou nesta sexta-feira, em nota, que recebeu duas ligações do celular do suspeito de matar o cartunista Glauco Villa Boas no dia do crime. A informação surgiu no depoimento de Carlos Eduardo Sundfeld Nunes, o Cadu, em Foz do Iguaçu. Ele teria dito que pretendia se entregar, mas que não recebeu a devida atenção da PM.

Carlos Eduardo Nunes, 24 anos, foi preso em Foz do Iguaçu (PR) Foto: Christian Rizzi/Gazeta do Povo/Futura Press

As ligações foram feitas por volta de 0h30 do último dia 12. Nas duas ligações, segundo a corporação, o suspeito narrava “coisas desconexas e sem sentido”. “Como não forneceu sua localização ou outras informações para que uma viatura policial fosse enviada até o local, uma vez que fazia uso de telefone móvel, o policial atendente do telefone 190 (serviço de emergência), orientou seu deslocamento para um Distrito Policial”, diz a nota da PM. :: LEIA MAIS »

PF vai apurar sumiço de provas que ajudariam a detalhar crime

A Polícia Federal (PF) vai apurar o desaparecimento de elementos que contribuiriam para revelar detalhes do assassinato do cartunista Glauco Villas Boas e de seu filho Raoni. Após a prisão de Carlos Eduardo Sundfeld Nunes, o Cadu, não teriam sido encontrados um celular, um dos pentes da pistola usada no crime e na fuga, e cerca de R$ 2 mil que estariam com o assassino confesso no momento da tentativa de fuga.

Na tarde desta sexta-feira (19), o delegado federal Marcos Paulo Pimentel disse, em Foz do Iguaçu, Oeste do estado, que a PF está investigando e acrescentou que não descarta a hipótese de o próprio Cadu ter se desfeito dos objetos. Outra possibilidade é de os elementos terem se perdido na tentativa de fuga ou no ato da prisão do acusado. Isso porque até ser transferido para a Delegacia da PF, onde permanece preso, Cadu passou por diversas corporações. :: LEIA MAIS »

Após morte de Glauco, viúva passou a ser alvo de Nunes

Carlos Eduardo Sundfeld Nunes, 25, acusado de matar o cartunista e líder religioso Glauco Vilas Boas, 53, e o filho Raoni, 25, disse à polícia que pretendia sequestrar Beatriz Galvão, viúva de Glauco, quando voltasse de seu refúgio no Paraguai.

Nunes foi preso no domingo à noite ao tentar cruzar a ponte da Amizade em Foz do Iguaçu (PR). Na quinta à noite, ele matou Glauco e Raoni a tiros na chácara do cartunista em Osasco, após tentar sequestrá-lo.

:: LEIA MAIS »

Acusado de matar Glauco diz que acabou com a própria vida

O estudante Carlos Eduardo Sundfeld Nunes, o Cadu, principal suspeito do assassinato do cartunista Glauco Villas Boas, de 53 anos, e seu filho Raoni, de 25 anos, afimou em seu depoimento na sede da Polícia Federal, em Foz do Igauçu, no Paraná, na tarde de terça-feira (16), que acabou ‘com a própria vida’ ao cometer os assassinatos.

Os detalhes do depoimento são revelados na tarde desta quarta-feira (17) pelo delegado Archimedes Cassão Veras Júnior, do Setor de Investigações Gerais (SIG) da Delegacia Seccional de Osasco, na Grande São Paulo. Ele viajou à cidade do Paraná para interrogar o suspeito na terça e voltou no mesmo dia a São Paulo. :: LEIA MAIS »

Assassino de Glauco premeditou morte

O estudante Carlos Eduardo Sundfeld Nunes, de 24 anos, confessou ter assassinado o cartunista Glauco Vilas Boas, de 53 anos, e seu filho Raoni, de 25, em depoimento prestado ontem na sede da Polícia Federal em Foz do Iguaçu, no Paraná. Nunes disse que matou o cartunista e o filho porque teve uma “inspiração divina” e afirmou que premeditou os crimes. O advogado de defesa, Gustavo Badaró, se recusou a falar com a imprensa.

Nunes foi ouvido durante três horas pelo delegado Archimedes Cassão Veras Júnior, do Setor de Investigações Gerais (SIG) da Polícia Civil de Osasco. O Jornal da Tarde conversou com a equipe de policiais deslocados de Osasco para o Paraná às 19h30 de ontem, momentos após o check-in para o voo 3168, da TAM, no Aeroporto de Foz do Iguaçu, que trouxe os policiais de volta a São Paulo e pousou às 21h50 no Aeroporto de Cumbica. Além de Veras Júnior, o investigador Júlio e a escrivã Gláucia ouviram o depoimento do estudante. :: LEIA MAIS »

Iasi diz que foi sequestrado por Cadu para dirigir até a casa de Glauco

O estudante Felipe Iasi, 23, que dirigiu o Gol cinza usado por Carlos Eduardo Sundfeld Nunes, o Cadu, 24, para chegar à casa do cartunista Glauco Vilas Boas, 53, disse nesta terça-feira que foi sequestrado por Cadu na noite de quinta-feira (11), antes do crime que deixou pai e filhos mortos na madrugada de sexta.

Em entrevista ao “Jornal Nacional”, da TV Globo, Iasi disse ter sido convidado pelo amigo para fumar um cigarro de maconha, resolver aceitar, e acabou sob a mira de uma arma. “No que eu virei à esquerda, ele já me apontou a arma para barriga falando para eu ficar quieto que isso era um sequestro”, disse. :: LEIA MAIS »

Morte de Glauco foi premeditada, diz delegado

A ida até a chácara onde morava o cartunista Glauco Villas Boas, de 57 anos, foi planejada com antecedência pelo estudante Carlos Eduardo Sundfeld Nunes, o Cadu, de 24 anos, segundo informou o delegado responsável pelo caso, Archimedes Cassão Veras Júnior, do Setor de Investigações Gerais (SIG) da Delegacia Seccional de Osasco, na Grande São Paulo. Principal suspeito do assassinato de Glauco e seu filho, Raoni, de 25 anos, na sexta-feira (12), Cadu foi interrogado durante três horas em Foz do Iguaçu, no Paraná, nesta terça (16). :: LEIA MAIS »

Glauco – Carlos Eduardo confessa o crime

Veja a declaração do assassino:

Viúva de Glauco conta que houve tortura antes da morte do cartunista

A viúva do cartunista Glauco, assassinado em São Paulo esta semana, fala pela primeira vez sobre o crime, que ela viu de perto.
Um dos filhos de Glauco, Raoni, também foi morto. O criminoso era conhecido da família.
Uma madrugada de pesadelo, tortura e assassinatos. :: LEIA MAIS »

Suspeito de assassinar Glauco é detido em Foz

Carlos Eduardo Sundfeld Nunes, suspeito pela morte do cartunista Glauco Villas Boas e de seu filho Raoni, foi preso às 23 horas de domingo, 14, enquanto tentava fugir do Brasil pela Ponte da Amizade, em Foz do Iguaçu, na fronteira com o Paraguai. Ele estava foragido desde sexta-feira, 12. Segundo a Polícia Federal (PF) de Foz do Iguaçu, Nunes dirigia um Fiesta Preto roubado, com placa de São Paulo. :: LEIA MAIS »

Motorista de suspeito de matar Glauco se entraga à polícia

O motorista do suspeito de assassinar o cartunista Glauco Villas Boas e o filho dele, Raoni, entregou-se à polícia na tarde deste domingo (14). A prisão foi confirmada pela Secretaria da Segurança Pública no final desta tarde, que não soube passar mais detalhes e informou apenas que ele prestava depoimento no fim da tarde, junto com seu advogado.

Desde o começo da tarde do sábado (13), policiais do SIG fazem buscas para encontrar Carlos Eduardo Sundfeld Nunes. Cinco equipes estão atrás dele verificando os possíveis locais que o jovem de 24 anos frequentava. Ele morava com os avós paternos no Alto de Pinheiros, bairro nobre da zona oeste de São Paulo. A Polícia Civil de São Paulo já acionou a Polícia Federal para evitar que o suspeito saia do país. :: LEIA MAIS »

Identificado carro usado por suspeito de matar Glauco

A Policia Civil de São Paulo já identificou o dono do automóvel Gol que teria sido usado na fuga do principal suspeito de matar o cartunista Glauco Villas Boas, Carlos Eduardo Sunfeld Nunes, de 24 anos, na madrugada da sexta-feira, 12.

Segundo informações preliminares da Secretaria de Segurança Pública de São Paulo, o suspeito deve se apresentar à policia, em data ainda não definida, para prestar depoimento.

A Tarde

Suspeito de matar Glauco e seu filho dizia ser ‘Jesus Cristo’

Carlos Eduardo Sundfeld, suspeito do crime

SÃO PAULO – O universitário Carlos Eduardo Sundfeld Nunes, de 24 anos, queria sequestrar o cartunista Glauco, segundo parentes da vítima contaram ao chegar à Delegacia Seccional de Osasco. Glauco e seu filho, Raoni, foram assassinados na madrugada desta sexta-feira, 12. Frequentador da Igreja Céu de Maria, fundada pelo cartunista, Sundfeld queria que Glauco o acompanhasse até a casa de sua mãe, no Pacaembu, zona oeste, para dizer a ela que o rapaz era “Jesus Cristo.”

 Segundo o relato desses parentes, Sundfeld estava transtornado, armado com uma pistola 7,65 mm, e primeiro rendeu a filha do cartunista, Juliana. Ela chamou pela mãe e Glauco também foi ao local. Sundfeld chegou a agredir as duas mulheres e deu uma coronhada no cartunista, a quem costumava pedir conselhos. O rapaz ameaçou se matar e Glauco lhe disse para “não fazer isso.” :: LEIA MAIS »

Segundo a polícia, assassino de Glauco é conhecido da família

SÃO PAULO – Nem tentativa de assalto, nem vingança. O cartunista Glauco Villas Boas, de 53 anos, e seu filho Raoni, de 25, foram vítimas de uma tragédia. O principal suspeito do assassinato seria conhecido da família e frequentaria a Igreja Céu de Maria, fundada por Glauco, inspirada nos cultos do Santo Daime. Segundo a polícia, trata-se do estudante universitário Carlos Eduardo Sundfeld Nunes, de 24 anos, que já teria um registro por porte de drogas.   

Estadão



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia