WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

ebook gestao financeira


maio 2020
D S T Q Q S S
« abr    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  


:: ‘força tarefa’

Associação de PMs em Vitória da Conquista entra com pedido de afastamento de promotora

Valmar Hupsel Filho | A TARDE

Representantes do Centro de Assistência ao Policial Militar (Juspm) entram hoje comum pedido na 2ª Vara Crime de Vitóriada Conquista para que a promotora de Justiça, Genísia Oliveira, da promotoria regional, se afaste da coordenação das investigações que apuram a participação de policiais nos 14 homicídios e três desaparecimentos ocorridos no dia 29 de janeiro, no Alto da Conquista. “Se nos for negado, vamos fazer o mesmo pedido no Tribunal de Justiça”, garantiu o presidente da Ajuspm, David Salomão.

Ele disse ter elementos que contestam a versão de que a promotora teria sofrido atentado.

 “Primeiro, ela disse que estava no carro, depois disse que não estava”, pontua.

Salomão considera estranho o fato de Genísia Oliveira não ter mandado o veículo para a perícia e, em vez disso, levá-lo para uma oficina. “Ela quer justificar as prisões preventivas ou um eventual pedido de prisão preventiva”, acusa. Ele também questiona os critérios utilizados para a decretação das prisões.“O critério foi ter trabalhado naquele dia e ter efetuado prisões.

Um absurdo”,observa. A promotora não foi encontrada ontem. :: LEIA MAIS »

“Advogados de defesa dos policiais estão impedidos de ter acesso aos autos”, afirma diretor geral da JUSPM

Por Rodrigo Ferraz

O Diretor da JUSPM (Centro de Assistência ao Policial Militar), David Salomão (foto), foi um dos entrevistados da Resenha Geral desta quinta-feira (06). Ele revelou ao apresentador Herzem Gusmão que os advogados de defesa dos policiais levados para o batalhão da capital não estão tendo acesso aos autos para que solicitem os habeas corpus dos profissionais.

Salomão também disse que a categoria está revoltada com o que aconteceu na manhã de ontem (quarta-feira). “Não estão seguindo a lei. A cidade está intranqüila e é preciso que alguma atitude seja tomada. Ninguém pode ser julgado antes de ser realizado todo o processo tradicional”.

O presidente da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) – Subseção de Vitória da Conquista, Gutemberg Macêdo Júnior, concedeu entrevista por telefone e salientou que a entidade está acompanhando os casos de perto. “Estamos buscando as devidas providências, pois a cidade nunca passou por um período tão violento. A comunidade clama por tranqüilidade”. Do Blog da Resenha

Justiça pede investigação de mais 27 homens da PM de Vitória da Conquista

Por Marcelo Brandão e Juscelino Souza, A Tarde

A Justiça solicitou o aprofundamento das investigações contra outros 27 policiais militares de Vitória da Conquista, suspeitos de envolvimento nos 11 assassinatos ocorridos em janeiro. O Ministério Público pediu a prisão de 37 PMs, como antecipou A TARDE, na edição de 10 de março. O juiz Reno Soares Viana decretou a temporária de apenas dez policiais e pediu mais diligências para os demais.

Além dos dez PMs que tiveram as prisões decretas, os promotores solicitaram a prisão dos outros 27 porque o nome deles foram citados por testemunhas como partícipes nos crimes. Os membros do MP alegam ainda que os 27 policiais retiraram armas do 9º Batalhão da Polícia Militar sem a autorização do comando, exatamente na noite em que ocorreram os crimes.

O magistrado entendeu que não havia indícios suficientes para decretar a medida cautelar contra os 27. O juiz alega que os nomes deles são mencionados pelas testemunhas esporadicamente.

Em relação às armas utilizadas pelos PMs sem autorização do comando, Reno Viana avaliou que apenas o uso indevido do armamento não é prova do cometimento dos homicídios. Mas o titular da Vara do Juri de Vitória da Conquista avalia que outras provas precisam ser produzidas para garantir que houve a participação deles nos crimes. :: LEIA MAIS »

Conquista: Um dos adolescentes desaparecidos pode estar vivo

Um dos três adolescentes que estão desaparecidos em Vitória da Conquista pode estar vivo, segundo disse nesta quinta-feira (18) em entrevista à TV Sudoeste a promotora Genísia Silva Oliveira.

Vanessa Santos Moraes, 14, Mateus de Jesus Santos, 14, e Jocafre Marques Souza, 18 anos, teriam sido retirados à força de suas casas e estão desaparecidos desde 29 de janeiro. O sumiço deles faz parte da sucessão de crimes de que policiais militares de Conquista são acusados de praticarem, em represália à morte do soldado Marcelo Márcio Silva Lima, também em janeiro.

Segundo a promotora, ela recebeu uma denúncia que dizia ‘um dos adolescentes pode estar vivo e escondido’. Genísia Oliveira disse que ‘seria imprudente’ revelar qual dos três jovens estaria vivo e admitiu que trabalha com essa hipótese há mais de uma semana. :: LEIA MAIS »

Novo promotor assume coordenação da força-tarefa em Conquista

 O promotor de Justiça criminal Maurício Cerqueira Lima foi anunciado, nesta quarta-feira (17), como o novo coordenador do Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas e de Investigações Criminais (Gaeco) – divisão do Ministério Público (MP-BA) responsável pela apuração do assassinato de 14 pessoas e o desaparecimento de três adolescentes pela Polícia Militar em Vitória da Conquista.  Lima, a partir de agora, vai dirigir os trabalhos da força-tarefa criada pelo MP.

O nome do novo coordenador do Gaeco foi definido nesta quarta pelo procurador-geral de justiça, Wellington César Lima e Silva. Em Conquista, os promotores criminais Marcos Coelho, Genísia Oliveira e Beneval Mutim integram a força-tarefa. De acordo com Coelho, as investigações não estão paradas, como se chegou a divulgar no início da semana. “Os três promotores de justiça da comarca continuam trabalhando no caso”, disse ele, destacando que as investigações são sigilosas.

Conquista de Todos

Chefe de força-tarefa deixa caso de desaparecidos em Conquista

Desde a divulgação, na semana passada, da escolha do novo procurador-geral de justiça do Estado, Wellington Lima e Silva, o trabalho da força-tarefa do Ministério Público do Estado (MP-BA) que investiga 14 mortes e três desaparecimentos está paralisado em Vitória da Conquista (a 509 km de Salvador), no sudoeste baiano.

Os promotores de justiça do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) retornaram a Salvador, na última quinta-feira, e não falaram com a imprensa. Eles investigavam crimes que ocorreram em represália à morte do soldado da Polícia Militar Marcelo Márcio Silva Lima, 32 anos, no último dia 28 de janeiro. :: LEIA MAIS »

Chefe de força-tarefa deixa caso de desaparecidos em Conquista

Desde a divulgação, na semana passada, da escolha do novo procurador-geral de justiça do Estado, Wellington Lima e Silva, o trabalho da força-tarefa do Ministério Público do Estado (MP-BA) que investiga 14 mortes e três desaparecimentos está paralisado em Vitória da Conquista (a 509 km de Salvador), no sudoeste baiano.

Os promotores de justiça do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) retornaram a Salvador, na última quinta-feira, e não falaram com a imprensa. Eles investigavam crimes que ocorreram em represália à morte do soldado da Polícia Militar Marcelo Márcio Silva Lima, 32 anos, no último dia 28 de janeiro. :: LEIA MAIS »

Força Tarefa do Ministério Público ouve comando da PM em Conquista

Nesta 2ª feira (8), a Força Tarefa do Ministério Público do Estado da Bahia, dedicará atenção especial para ouvir o Cel Inácio Lira, comandante do 9º BPM, Major PM Medeiros, sub-comandante e o Capitão PM Luiz Selmo sobre os crimes ocorrido em Vitória da Conquista após a morte do soldado Marcelo. O MP busca provas que possam elucidar a onda de violência na cidade. Até o momento não foi apresentada nenhuma prova material que possa justificar o indiciamento e prisões de militares. :: LEIA MAIS »

Após depoimentos, PMs acusados de cometer crimes em Vitória da Conquista são liberados

Blog do Anderson

Os quatro policiais militares acusados, e reconhecidos pelas testemunhas ,de estarem envolvidos em uma série de crimes em Vitória da Conquista, foram liberados nesta quinta-feira (25) depois de prestarem depoimento na Corregedoria da Polícia Militar em Salvador.

Os policiais foram afastados preventivamente de suas funções durante o inquérito, que deve durar 30 dias. Durante esse período, eles devem trabalhar com expediente administrativo no Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças da Polícia Militar, na capital.



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia