WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

ebook gestao financeira

O Brasil que está aprendendo a orar


abril 2020
D S T Q Q S S
« mar    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  


Justiça social para cristãos perseguidos


No Iraque, a Portas Abertas trabalha na reconstrução de casas, igrejas e bibliotecas

No Iraque, a Portas Abertas trabalha na reconstrução de casas, igrejas e bibliotecas

Hoje é comemorado o Dia Internacional da Justiça Social. A iniciativa de criar a data foi da Organização das Nações Unidas (ONU) com o objetivo de promover a paz, o desenvolvimento dos países e a manutenção da dignidade humana. Isso deve acontecer quando há a promoção de práticas que eliminem as diferenças entre as pessoas relacionadas a gênero, idade, raça, etnia, religião, cultura ou deficiência. A Portas Abertas acredita no princípio de justiça social, por isso promove projetos que empoderam cristãos perseguidos com assistência jurídica, ajuda socioeconômica e microcrédito e ainda trabalham para a alfabetização deles. Conheça algumas das campanhas e seja um promotor da justiça social.

Sustento para famílias na Ásia

Ser cristão em países comunistas e pós-comunistas é como ser um espião de países ocidentais, já que o cristianismo é considerado uma fé estrangeira. Por isso, ao se converter, muitos começam a ser perseguidos pelos familiares e vizinhos e chegam a perder a renda que têm. A Portas Abertas promove uma campanha de doação de vacas para que os cristãos tenham uma renda e possam custear necessidades como alimentação, moradia e educação. Contribua para a subsistência de uma família cristã. :: LEIA MAIS »

Leah é uma das centenas de mulheres sequestradas na Nigéria


Leah Sharibu é uma das centenas de mulheres sequestradas por radicais islâmicos

Leah Sharibu é uma das centenas de mulheres sequestradas por radicais islâmicos

Desde a notícia do sequestro da adolescente cristã Leah Sharibu, em 19 de fevereiro de 2018, cristãos ao redor do mundo colocaram o nome dela nos pedidos de oração. O acontecimento teve impacto dentro e fora da Nigéria, já que o governo do presidente Muhammadu Buhari se comprometeu a resgatar a garota. Mas há uma negligência das autoridades em relação a outros casos sem tanta força internacional. A situação de Leah é uma dentre centenas de homens, mulheres e crianças que são sequestrados e mortos por grupos extremistas como o Boko Haram.

Os dados colocaram a nação em 12º lugar na Lista Mundial da Perseguição 2020; eles são consequência da opressão islâmica, paranoia ditatorial, corrupção, antagonismo étnico e crime organizado. Em entrevista à Portas Abertas, o pastor e amigo da família Sharibu, Gideon Para-Mallam, falou sobre a situação atual dos pais da adolescente. Ele também comentou sobre as negociações e mostrou como os irmãos e irmãs pelo mundo podem abençoar os envolvidos. Leia abaixo. :: LEIA MAIS »

“Se vai ter Jesus, vai ter Satanás nas escolas públicas”, diz líder de marcha


No dia 29 de março um grupo pretende realizar em Belo Horizonte, Minas Gerais, a “Marcha para Satanás”, movimento inspirado no Templo Satânico e na Global Order of Satan.

Ao BHAZ, o líder do movimento, que prefere o anonimato, afirmou que o objetivo é lutar contra o “conservadorismo medieval” e diz que “se vai ter Jesus nas escolas públicas, vai ter Satanás nas escolas públicas”.

“Se os imóveis de igrejas não pagam impostos, as casas daqueles que se declaram satanistas também tem que estar isentas”, defende.

A proposta visa combater o cristianismo, defendendo ideias contrárias e ridicularizando os evangélicos e católicos.

A ideia é fazer algo como a “Marcha para Jesus”. Os líderes do movimento fazem críticas aos cristãos e tentam se equiparar. :: LEIA MAIS »

Pastor é morto junto com filho e dois sobrinhos em Burkina Faso


Líderes cristãos têm sido mortos em ataques frequentes em Burkina Faso (foto representativa)

Líderes cristãos têm sido mortos em ataques frequentes em Burkina Faso (foto representativa)

Em Burkina Faso, país do Oeste Africano, na madrugada do dia 11 de fevereiro, homens armados não identificados mataram a tiros o diácono Lankoandé Babilibilé, da Evangelical SIM Church em Sebba. O veículo do líder cristão foi depois usado para sequestrar o pastor da mesma igreja, Omar Tindano, juntamente com as duas filhas, filho e dois sobrinhos.

As duas filhas foram libertadas ilesas e retornaram para a família na quinta-feira (13) de manhã, por volta das 6h. No mesmo dia à noite, chegaram as notícias de que o pastor Omar, o filho e os dois sobrinhos tinham sido mortos.

O diácono Lankoandé ajudou a estabelecer as primeiras igrejas na região de Sebba, no nordeste de Burkina Faso. Vindo de Piedla, ele se estabeleceu permanentemente em Sebba, onde foi executado, como relatou uma fonte ao veículo local de notícias L’Observateur. Não se sabe nada mais sobre sua família.

Omar Tindano era ex-presidente da Evangelical SIM Church na região de Sebba. Quando morreu, exercia o cargo de presidente da Igreja Evangélica na região de Sebba. Ele se converteu ao cristianismo em 1986.

Esses ataques aconteceram apenas alguns dias depois que indivíduos armados não identificados atacaram uma igreja evangélica em Nagnounbougou, no leste do país. O ataque ocorreu durante o culto de domingo, no dia 9 de fevereiro. De acordo com nossas fontes, ao menos dois cristãos foram mortos enquanto tentavam fugir de motocicleta. :: LEIA MAIS »

Síria: Esperança em meio à guerra


No Centro de Esperança de Latakia atividades são oferecidas para crianças, adolescentes, jovens e adultos

No Centro de Esperança de Latakia atividades são oferecidas para crianças, adolescentes, jovens e adultos

Crianças, adolescentes, estudantes e adultos. Todos participam das atividades organizadas pela Igreja do Nazareno em Latakia. Eles vêm de diferentes contextos cristãos, alguns até mesmo eram ex-muçulmanos. Por meio das atividades, a igreja tem trazido esperança. A igreja é um dos quase 20 Centros de Esperança na Síria. Recentemente, colaboradores da Portas Abertas visitaram o local.

Mesmo depois de 9 anos de guerra, a crise na Síria não acabou. As consequêcias de muitos anos de guerra, morte e destruição são assustadoras. Mais de meio milhão de pessoas já foram mortas. Cerca de metade da população anterior à guerra está desabrigada na Síria ou fora do país. Vilas e vizinhanças completas estão destruídas e estradas danificadas.

Porém, graças a Deus, a igreja na Síria continua espalhando esperança por meio dos quase 20 Centros de Esperança. Ela faz isso ao espalhar a palavra de Deus durante os cultos e estudos bíblicos, mas também por meio de outras atividades oferecidas para grupos de idades diferentes da igreja. “A noiva, como a Bíblia diz, está esperando pela volta de Jesus e nossa missão é espalhar esperança para as pessoas. Essa é a mensagem mais importante de nosso Centro de Esperança”, diz Habib Khalouf, pastor da Igreja do Nazareno em Latakia. :: LEIA MAIS »

Vamos orar: A perseguição aos cristãos no Paquistão


Oprimidos pelo fundamentalismo islâmico, nossos irmãos paquistaneses contam com nossas orações

Oprimidos pelo fundamentalismo islâmico, nossos irmãos paquistaneses contam com nossas orações

Paquistão é um dos maiores países islâmicos do mundo. Com 96% de muçulmanos, apenas 2% da população é cristã. Não é difícil concluir que os cristãos vivem sob a opressão islâmica. A grande maioria dos cristãos vive na província de Punjab, onde ocorre a maioria dos incidentes de perseguição. A pronvíncia de Sindh, perto de Punjab, também tem se tornado notória por trabalho forçado, o que afeta muitos cristãos.

O país abriga uma infinidade de grupos radicais islâmicos e testemunha uma cultura crescentemente islamizada. Grupos radicais islâmicos continuam a administrar milhares de madrassas (escolas islâmicas, nas quais ninguém sabe o que é ensinado nem como são financiadas). Eles também continuarão a agitar os cidadãos, principalmente os jovens, em todo o país, encorajando-os a agir contra as minorias religiosas, como os cristãos.

Grupos radicais islâmicos que são banidos não simplesmente se dissolvem; na maioria dos casos eles assumem um novo nome e fazem frentes de caridade ou ficam on-line. Ou também se unem a partidos políticos radicais já existentes, principalmente em época de eleições. Políticos com boas intenções, juízes e líderes religiosos que considerem emendas às leis de blasfêmia do país são abertamente ameaçados por aqueles que têm uma perspectiva radical.  :: LEIA MAIS »

Cristã ativista em redes sociais está presa no Irã


Fatemeh Mohamadi denunciou perseguição do governo do Irã aos cristãos locais

Fatemeh Mohamadi denunciou perseguição do governo do Irã aos cristãos locais

Desde o dia 19 de janeiro, a cristã ex-muçulmana, Fatemeh Mohamadi, estava desaparecida no Irã. De acordo com o site inglês Article 18, ela está presa no centro de detenção em Qarchak, que fica ao sul da capital Teerã. A fiança da jovem de 21 anos foi de aproximadamente 2.250 dólares, mais de um ano salarial para um iraniano comum. Durante os esforços dos parentes de conseguir o montante, o caso foi transferido para uma corte superior, que ainda vai decidir sobre a concessão da libertação temporária.

Ainda não há informações precisas sobre por quais acusações a cristã está presa. Outro fato é que ela não teve direito de escolher o próprio advogado. Apesar disso, Mary, como prefere ser chamada desde a conversão, pôde ligar várias vezes para casa e, de acordo com os pais, ela está bem. A jovem foi presa durante um protesto contra a ação do governo em derrubar um avião de passageiros com 176 pessoas, como retaliação ao ataque americano no Iraque, que resultou na morte do general Qassem Soleimani.

A Portas Abertas contou um pouco da história da ativista que denunciava as decisões controversas do governo do Irã contra os cidadãos de minorias religiosas, como o cristianismo. Nas redes sociais, ela denunciou a perseguição acadêmica que enfrentou ao ser impedida de fazer as provas e frequentar as aulas na Universidade de Teerã. No dia da detenção, Mary postou sobre a censura enfrentada pela mídia iraniana e acusou as autoridades de usarem os meios de comunicação para iludir a população. Devido às celebrações do 41º aniversário da Revolução Iraniana no dia 11 de fevereiro, e à comemoração do Ano Novo persa em 20 de março, o sistema legal no país está mais lento, por isso não há certeza se Mary será libertada antes ou depois do feriado. :: LEIA MAIS »

Belo Horizonte terá “Marcha para satanás”


Marcha para Satanás. (Foto: Reprodução / Youtube)

A cidade de Belo Horizonte (MG) terá “Marcha para Satanás”, evento organizado com o objetivo de defender o Estado laico ao promover uma crença que “gera medo em muitas pessoas”.

Ao site BHAZ, um dos organizadores do evento, que não foi identificado, criticou o cristianismo e sua influência na sociedade brasileira falando de “excessos cometidos em nome de algumas religiões” ao dizer que sua marcha não é adoração ao diabo, mas sim o enfrentamento da crença dominante no país.

“Muita gente é perseguida por não se adequar aos padrões colocados pelas religiões. Homossexuais, travestis, pessoas de religiões de origem africana, são colocadas à margem da sociedade por causa desse conservadorismo medieval”, declarou o organizador.

Pretendendo levantar diversas questões sociais no evento, a relação entre a política e a religião também será discutida.

“Se as portas da política pública estão abertas pra uma religião, têm que estar abertas para todas. Se vai ter Jesus nas escolas públicas, vai ter Satanás nas escolas públicas. Se os imóveis de igrejas não pagam impostos, as casas daqueles que se declaram satanistas também tem que estar isentas”, defende o homem (no Brasil as igrejas e templos de qualquer religião são isentas de impostos conforme a Constituição Federal).

A Marcha para Satanás imita o movimente Templo Satânico dos EUA, um grupo de pessoas que protestam contra o cristianismo abrindo processos contra monumentos com símbolos cristãos em áreas públicas, nomes de ruas ligados à religião, oração em escolas, entre outras manifestações cristãs. :: LEIA MAIS »

Boko Haram intensifica campanhas no extremo norte de Camarões


Militantes islâmicos do Boko Haram deixam vilas destruídas no extremo norte de Camarões

Militantes islâmicos do Boko Haram deixam vilas destruídas no extremo norte de Camarões

Se você está procurando um motivo pelo qual Camarões entrou na Lista Mundial da Perseguição 2020 dos 50 países onde é mais difícil viver como cristão, olhe para o extremo Norte do país. É nessa região onde o grupo islâmico Boko Haram tem intensificado suas campanhas violentas. Segundo uma fonte local disse à Portas Abertas, no dia 6 de janeiro, militantes do grupo atacaram três vilas próximas a Tourou, perto da fronteira com a Nigéria.

Na invasão à Hitawa, Hitere e Moudouko, que durou das 22h às 5h, os responsáveis pelo ataque mataram três cristãos, sequestraram ao menos três crianças cristãs e saquearam mais de 200 casas, levando comidas e roupas. Ao saírem, os militantes também mataram um homem em Guitsenad, que foi identificado como seguidor de religiões tradicionais africanas.

Os cristãos mortos no ataque à Moudouko foram identificados como Kidkaye Antoine, de 21 anos, Medge Guidkaye, de 62 anos, pai de 14 filhos, e Shele Ndouvagui, de 50 anos, que deixou sete filhos. Em Hitere, Wabayé Viché, de 40 anos, e Teweshé Ezechiel, pai de doze filhos, foram mortos. Um de seus filhos, Hawadak Teweshé, foi sequestrado junto com outros dois garotos, Warda Josue, de Moudouko, e Feuleongwi Yadak, de Hitere.

Os militantes voltaram à região nos dias 7 e 8 de janeiro e, dessa vez, atacaram as vilas de Nguedjele e Gochime, saqueando mais comida e roupas. O ataque forçou pessoas de Hitawa, que tinham buscado refúgio em Gochime, a fugirem novamente. Ao menos uma pessoa foi morta em Ngudjele, mas ainda não foi identificada. :: LEIA MAIS »

A perseguição aos cristãos se intensifica na Ásia Central


Interceda pela segurança dos cristãos na Ásia Central e que eles sejam fortalecidos pelo Senhor

Interceda pela segurança dos cristãos na Ásia Central e que eles sejam fortalecidos pelo Senhor

Durante os últimos meses, na Ásia Central, alguém informou aos serviços de segurança e à polícia do país sobre cristãos secretos ex-muçulmanos e seus encontros. Parece que alguém da igreja doméstica está dando as informações. Um dia, a polícia chamou diversos cristão para a delegacia e os deteve. Disseram: “Nós sabemos que vocês são parte de uma seita e sabemos que alguém visita vocês, traz livros e os ensina a deixarem o islamismo. Vocês devem dar todas as informações sobre as pessoas que visitam seu grupo, todos os professores e como vocês os conheceram”.

Os policiais foram muito cruéis ao tentar conseguir informações. Eles os intimidaram agredindo, insultando e humilhando homens e mulheres, chegando até mesmo a usar armas de choque. As mulheres desmaiaram várias vezes. Ninguém deu qualquer informação, mas eles ficaram muito assustados e estressados, principalmente as mulheres. :: LEIA MAIS »

Cristã ex-muçulmana do Mali tem resistido firme na fé


No Mali, a cristã ex-muçulmana Naomi acolheu as irmãs, suas principais perseguidoras, na própria casa

No Mali, a cristã ex-muçulmana Naomi acolheu as irmãs, suas principais perseguidoras, na própria casa

Já começamos a contar a história de Naomi*, cristã ex-muçulmana do Mali. Quando ficou viúva, se mudou com os filhos para o norte do país, mas logo em seguida extremistas islâmicos tomaram a região. Um dia, rebeldes do grupo radical islâmico Ansar al-Dine invadiram a casa de Naomi e sequestraram o filho mais velho, Youssouf*, que era adolescente na época.

O menino agiu como surdo e mudo diante dos sequestradores, que bateram nele, mas o liberaram dois dias depois. No entanto, a experiência deixou Youssouf traumatizado e o filho mais novo aterrorizado. Então a família se mudou para a capital, Bamako, no sul do país. Na capital, eles ficaram por um ano no acampamento de deslocados internos de uma igreja.

Quando o acampamento fechou, Naomi e os filhos não tinham para onde ir e nenhum dinheiro. Foi aí que a Portas Abertas ficou sabendo da história dela, através da igreja local, e providenciou dinheiro para que ela pudesse alugar um pequeno apartamento. O apartamento fica em um complexo de maioria muçulmana. Naomi é grata por ter um teto para abrigar os filhos, mas ainda enfrenta contínua pressão dos vizinhos. Ela conta: “Eles riem de mim quando eu canto e oro”.

Quando a situação no norte do país se tornou ainda mais instável, as irmãs de Naomi se mudaram para Bamako e a procuraram. Quando ela abriu a porta, e viu as irmãs, ficou congelada. No entanto, seu pensamento foi: “Eu sou cristã e tenho que mostrar amor até mesmo para o pior dos meus inimigos. Quem sabe, os atrairei a Cristo apesar da atitude deles comigo. Cristãos são pessoas que amam seus inimigos como irmãos. É assim que nós os ganhamos para o reino”. :: LEIA MAIS »

Cristãos desaparecem no Iraque


Colaboradores de ONG francesa desapareceram enquanto se locomoviam para resolver assuntos administrativos em Bagdá

Colaboradores de ONG francesa desapareceram enquanto se locomoviam para resolver assuntos administrativos em Bagdá

Na segunda-feira, 20 de janeiro, quatro colaboradores da ONG francesa SOS Chrétiens dOrient desapareceram em Bagdá, Iraque. No dia seguinte, alguns colegas tentaram contato com a equipe, mas não tiveram sucesso. Na quarta, as autoridades francesas foram comunicadas dos desaparecimento. E no dia seguinte, 23 de janeiro, os governos francês e iraquiano iniciaram uma investigação para encontrar os cristãos. Os trabalhadores tinham ido à capital do Iraque de carro para resolver questões administrativas como as renovações dos passaportes e do registro da ONG, e a abertura uma nova escola. Desde 2014, a associação atua no Oriente Médio provendo assistência a cristãos perseguidos.

As identidades dos desaparecidos não foram divulgadas por razões de segurança, mas a instituição confirmou que eles eram experientes, estavam saudáveis e tinham bastante conhecimento para atuar em situações de crise. Ainda não foi recebido pedido de resgate e nem informações dos desaparecidos. Em um comunicado oficial, a organização enfatizou que a missão foi organizada com a coordenação das autoridades do consulado francês no Iraque. :: LEIA MAIS »

Igreja e casas de cristãos são atacadas em Bangladesh


Os cristãos do povo rohingya enfrentam a perseguição de outros refugiados e o descaso das autoridades em Bangladesh

Os cristãos do povo rohingya enfrentam a perseguição de outros refugiados e o descaso das autoridades em Bangladesh

Alguns cristãos de Bangladesh foram atacados por extremistas islâmicos da minoria rohingya. Uma igreja doméstica e 18 casas foram destruídas, algumas pessoas estão hospitalizados e outras foram sequestradas. O incidente aconteceu em 27 de janeiro, quando uma multidão saqueou as residências e agrediu os seguidores de Jesus. Os ofensores estão ligados ao Arakan Rohingya Salvation Army (ARSA), um grupo muçulmano secular, sem ligação com outros como Al-Qaeda ou Estado Islâmico.

Pelo menos seis pessoas foram internadas por consequência das investidas dos radicais, mas há suspeita de mais feridos. Outros três cristãos são mantidos em cativeiro pelo ARSA. Ainda não há informação oficial se eles estão vivos ou enfrentaram algum tipo de tortura. Apesar da polícia sofrer pressão para trabalhar na resolução do sequestro dos cristãos, as autoridades recusaram tomar qualquer atitude séria sobre o ocorrido, porque os cristãos de origem rohingya precisam registrar o caso primeiro. Como eles são refugiados no país, não têm cidadania e podem ser facilmente expulsos do território. :: LEIA MAIS »

Coreia do Norte é o país mais perigoso para os cristãos desde 2002


Os cristãos da Coreia do Norte precisam manter a fé em segredo dos familiares, vizinhos e governo

Os cristãos da Coreia do Norte precisam manter a fé em segredo dos familiares, vizinhos e governo

A Coreia do Norte ocupa a primeira colocação na Lista Mundial da Perseguição (LMP) desde 2002. Ser cristão no país é sinônimo de enfrentar perseguição extrema. Professar uma fé que seja diferente da adoração aos líderes comunistas acaba em prisão e morte. Algumas vezes, as pessoas que entregam os seguidores de Jesus ao Estado são as mais próximas, como amigos, vizinhos e parentes. Desde 2018, o país mantém 94 pontos na pesquisa anual da LMP, com notas máximas em pressão na vida privada, família, comunidade, nação e igreja.

Há três gerações, os norte-coreanos precisam reverenciar a família Kim. O atual presidente Kim Jong-un consolidou o poder e atraiu a atenção das potências mundiais a partir do investimento em armas nucleares. As constantes aparições e notícias sobre as negociações com os Estados Unidos pareciam promissoras, mas não tiveram consequências efetivas para os cristãos do país. Os seguidores de Jesus ainda são vistos como traidores, já que possuem uma religião entendida como ocidental e americana.

Oficialmente, há três igrejas na Coreia do Norte: católica, protestante e ortodoxa russa. Porém, isso não indica que exista a liberdade religiosa, pois as instituições fazem parte da nova imagem que os líderes do país desejam passar ao mundo. Logo, a reunião entre cristãos verdadeiros torna-se um evento secreto, em locais subterrâneos e por isso não devem ser divulgadas. E se uma pessoa engajada em atividade cristã for descoberta, ela pode enfrentar discriminação, prisão, detenção em campos de trabalho forçado, desaparecimento, tortura e execução pública. As consequências da fé atingem também os familiares mais próximos dos acusados.

Tudo o que se refere ao cristianismo deve ser mantido em sigilo, até mesmo a literatura. Por isso, é comum que os norte-coreanos só descubram a fé dos pais quando já são adultos e conseguem entender melhor o que esse segredo significa e como será punido pelo governo comunista. Para instruir as crianças com valores bíblicos, sem falar diretamente sobre a fé, os cristãos recebem uma literatura especial. Por isso, um dos trabalhos da Portas Abertas com os cristãos norte-coreanos é capacitar os pais cristãos a educarem os filhos nos caminhos do Senhor, com livros apropriados que transmitam valores bíblicos. Doe e apoie esse trabalho!

Fonte: Portas Abertas

 

Khan leva Cristo a muçulmanos de vilarejos na Ásia Central


Após conversão, cristão ex-muçulmano viaja com esposa pelos vilarejos para levar o evangelho

Após conversão, cristão ex-muçulmano viaja com esposa pelos vilarejos para levar o evangelho

A Portas Abertas contou a história da conversão de Khan*, na Ásia Central. Em setembro de 2019, o cristão ex-muçulmano foi batizado e como consequência teve a casa invadida durante a noite, e ainda apanhou dos familiares. A esposa dele foi expulsa da residência por ser cristã e apresentar Jesus ao marido. Khan precisou ficar internado no hospital local por causa dos ferimentos e  lesões.

Além disso, um dos filhos renegou o pai, por ter “traído o islã”. As agressões não foram as únicas consequências da nova fé do cristão ex-muçulmano, os parentes dele destruíram os meios de sobrevivência da família. Eles mataram todo gado, animais como cachorros, ovelhas, galinhas, patos e coelhos, e ainda expulsaram os novos seguidores de Jesus da cidade. :: LEIA MAIS »

Mssões: Confira o ranking da Lista Mundial da Perseguição 2020


Conheça o ranking dos 50 países mais difíceis para um cristão viver

Conheça o ranking dos 50 países mais difíceis para um cristão viver

Já está disponível a atualização 2020 da Lista Mundial da Perseguição (LMP), ranking dos 50 países onde os cristãos são mais perseguidos por causa da fé em Jesus. O trabalho é resultado de uma pesquisa realizada com cristãos de mais de 60 países entre 1/11/2018 e 31/10/2019. A Portas Abertas divulga anualmente a pesquisa, que possui metodologia própria, desde 1993. Porém, o monitoramento da perseguição acontece desde os anos 1970. Clique no banner abaixo e confira a Lista Mundial da Perseguição 2020.

Na edição 2020 da LMP, 46% dos países tiveram um crescimento na perseguição, entre eles está Arábia Saudita, China, Marrocos e Bangladesh. Em 22% das nações, como Sudão, Jordânia e Indonésia, o nível de intolerância caiu. Outros 24% equivaleram aos que não tiveram alteração significativa na pontuação em relação à LMP 2019, como Coreia do Norte, Síria, Egito e Quênia. Os 8% restantes abrangeram os novos integrantes do relatório, como Burkina Faso, Camarões e Níger. A Ásia saiu na frente como o continente que tem mais países na Lista Mundial da Perseguição, são 30 ao todo. A África ficou em segundo lugar, com 19, e a América Latina em terceiro, com apenas a Colômbia. Assista ao vídeo e conheça melhor a realidade atual dos cristãos da Igreja Perseguida no mundo.

Além da classificação das nações onde a igreja de Cristo é mais perseguida, o relatório oferece informações sobre os tipos de perseguição que os irmãos e irmãs enfrentam todos os dias, além de expor também quais são as fontes de perseguição. Cada país ganhou uma pontuação entre 0 e 100 pontos, resultantes da análise de diferentes esferas da vida (vida privada, família, comunidade, nação e igreja) e também da violência experimentada. :: LEIA MAIS »

Perseguição extrema: 11 países mais perigosos para ser cristão


Entenda os motivos que colocaram 11 países na classificação de perseguição extrema

Entenda os motivos que colocaram 11 países na classificação de perseguição extrema

Lista Mundial da Perseguição (LMP) 2020 traz 11 países que pontuaram entre 81 e 100 na pesquisa realizada no período de 1/11/2018 a 31/10/2019. Segundo a metodologia, as nações com essa pontuação são classificadas na categoria “Perseguição Extrema” como resultado da intolerância enfrentada em cinco esferas de pressão – vida privada, família, comunidade, nação e igreja – e de violência.

Coreia do Norte, primeira na LMP desde 2002, manteve a mesma pontuação do ano passado, 94 pontos, sendo 16,7 (máximo por esfera) nas cinco esferas de pressão e 10,9 em violência. Apesar de aparente abertura e negociação com potências como Estados Unidos, não houve melhoria para os cristãos do país. O nível de violência contra os seguidores de Jesus ainda é extremo. Eles são punidos com prisão, obrigados a trabalhar em campos de trabalho forçado e até assassinados.

Já o Afeganistão manteve a segunda colocação com 93 pontos, a diferença entre o segundo e o primeiro lugar foi de 1,1 pontos na esfera de violência. O alto nível da pontuação é consequência do Estado Islâmico se juntar ao Talibã e ampliar o controle no país. Vários ataques também aconteceram durante as preparações para as eleições em setembro de 2019. A diminuição da violência está mais ligada à dificuldade de conseguir informações nos locais governados pelas insurgências, do que a redução efetiva da perseguição aos cristãos.

Somália cresceu um ponto e continuou classificada na terceira posição, totalizando 92. Os cristãos do país enfrentam alto grau de pressão e violência por meio de militantes islâmicos e líderes de clãs. Qualquer pessoa suspeita de conversão ao cristianismo será alvo de monitoramento severo e impedida de congregar com pessoas de mesma fé. A guerra civil, a fragmentação social e o tribalismo também são responsáveis por dificultar a existência de cristãos no território. Outro ponto é a caça de cristãos em posição de liderança, eles são alvos de grupos extremistas como o Al-Shabaab.

O quarto lugar foi ocupado pela Líbia, novamente com 90 pontos, três a mais do que na edição anterior. O aumento da violência foi resultado dos maus-tratos que os cristãos migrantes em trânsito receberam, alguns deles acabam em centros de detenção lotados ou sob domínio de traficantes de pessoas, gerando mão de obra para o setor agrícola e prostituição. A ausência de um governo central permite que grupos extremistas e criminosos organizados sequestrem os nossos irmãos e irmãs, muitos deles são mortos de maneira brutal.

Na quinta posição, o Paquistão terminou com 88 pontos. A pontuação de violência continua no nível máximo por consequência de assassinatos de cristãos e ataques a igrejas. A lei da blasfêmia continua a fazer vítimas e permanece como um dos mecanismos para calar a voz dos cristãos. A discriminação dos seguidores de Jesus é institucionalizada, a maioria deles é pobre e está destinada a fazer serviços considerados depreciativos, outros são vítimas de trabalhos forçados. As igrejas que evangelizam e o ministério de jovens enfrentam maior perseguição na sociedade paquistanesa.

Com 87 pontos e uma posição acima do ranking anterior, a Eritreia ficou em sexto lugar com níveis extremos de pressão na vida dos cristãos locais. Além de enfrentarem a oposição da sociedade, eles também têm o governo como um dos maiores inimigos, resultando na dificuldade em ter o mesmo acesso aos recursos comunitários e serviços sociais prestados aos cidadãos comuns. As expectativas de melhorias resultantes do acordo de paz com a Etiópia e a reabertura das fronteiras não mudaram a realidade de ataques às igrejas e detenção de cristãos. Os jovens protestantes são obrigados a servir nas forças armadas e as igrejas não tradicionais são mais perseguidas.

Sudão perdeu três pontos e ocupou o sétimo lugar com 85. A queda aconteceu principalmente pela mudança de foco da população na segunda metade do período de análise, houve uma concentração de forças nos protestos contra o governo de al-Bashir. Porém, as sérias restrições individuais e coletivas aos cristãosnão mudaram, como a demolição de igrejas e prisão dos que professam a fé em Jesus. Essas ações são consequências da aplicação do conjunto de leis islâmicas chamado sharia. Para reconstruir os locais de culto, os líderes cristãos enfrentam obstáculos nos escritórios do governo para obter a permissão necessária.

Já o Iêmen permaneceu em oitavo na classificação mundial, também com 85 pontos, a diferença maior com o país anterior aconteceu na esfera da violência com 7,8. Isso ocorreu pela diminuição de relatos de incidentes violentos contra cristãos. Por causa da guerra, a maioria dos seguidores de Cristo no território são ex-muçulmanos nativos. Eles precisam manter a fé em segredo porque se descobertos são alvos de sanções das autoridades, dos familiares e de grupos radicais islâmicos.

Irã acabou em nono lugar, com os mesmos 85 pontos da Lista anterior, foram poucas as diferenças nas esferas da vida em relação às demais nações que tiveram a mesma pontuação total. A perseguição do governo aos cristãos ex-muçulmanos é uma tentativa de combater a influência de países ocidentais sobre o regime islâmico. Há vários relatos de líderes cristãos que são detidos e recebem longas penas, no total foram 169 prisões, 114 delas feitas em uma única semana no final de 2018. Apesar da proteção estatal sobre as comunidades histórias cristãs assíria e armênia, esses cidadãos são tratados como de segunda classe e não podem ter contato com irmãos recém-convertidos ao evangelho de fala persa.

Os ataques dos radicais hindus deixaram a Índia novamente em décima posição, com 83 pontos, os mesmos da LMP 2019. O cerco vem se fechando sobre os cristãos e falar sobre a fé para os familiares passou a ser considerado um tipo de evangelismo. As redes sociais são utilizadas para a propagação de intolerância religiosa, o que muitas vezes culmina em homicídios de honra, ataque com ácido, linchamentos por multidões e execuções.

O décimo primeiro lugar foi da Síria, novamente, com os mesmos 82 pontos. Não houve tantas mudanças nos níveis de pressão e da violência. Os destaques são para os sequestros de líderes de igrejas históricas, já nas áreas controladas por islâmicos radicais, os prédios que reuniam os cristãos foram destruídos ou utilizados como centros islâmicos. O que há de comum no país é a forte pressão sobre os que deixam o islamismo. Alguns enfrentam punições da sharia como divórcio forçado e remoção da guarda dos filhos.

A Portas Abertas convida você a interceder pelos cristãos que residem nos 11 países onde a perseguição é extrema. Acesse os pedidos de oração e tenha mais informações sobre a pontuações no e-book disponibilizado no banner abaixo.

Fonte: Portas Abertas



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia