WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

ebook gestao financeira


abril 2020
D S T Q Q S S
« mar    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  


:: ‘Notícias’

Maioria dos brasileiros prefere candidato à presidente que acredite em Deus

Em um país onde cerca de 90% da população se declara cristã, parece natural que a preferência na hora do voto seja por um candidato a presidente que acredite em Deus. Isso foi confirmado na pesquisa Ibope contratada pela CNI (Confederação Nacional da Indústria) e divulgada nesta terça-feira (13).

Segundo o levantamento (79%) disseram ser importante que o candidato creia em Deus. A pergunta proposta foi: “É importante que o candidato acredite em Deus?”.

A resposta obtida foi:
67% – Concorda totalmente
12% – Concorda em parte
3% – É indiferente
7% – Discorda em parte
11% – Discorda totalmente
1% – Não sabe/não respondeu

Ao mesmo tempo, apenas 29% dos entrevistados consideram “muito importante” que o candidato seja da mesma religião que eles. Outros fatores importantes na escolha dos candidatos a presidentes estão aspectos como “ser de família pobre, preferências de 52% dos entrevistados, enquanto apenas 8% disseram que a origem do presidenciável é “indiferente”.

A experiência prévia como prefeito ou governador foi apontada por 72% das pessoas como importante.

Embora a maioria dos candidatos falem pouco sobre suas convicções pessoais, esse cenário proposto pelos pesquisadores revelaria uma predileção pelos que se identificam como “conservadores”, já que os de esquerda, via de regra, negam crer em Deus.

Mesmo assim, o brasileiro já elegeu (por duas vezes), Fernando Henrique Cardoso, que é um ateu assumido. Dilma Rousseff, durante entrevistas em 2010, afirmava “não saber” se Deus exisita. :: LEIA MAIS »

Segunda Turma do STF tira do plenário habeas corpus sobre prisão em 2ª instância

Segunda Turma do STF tira do plenário habeas corpus sobre prisão em 2ª instância

Decisão foi tomada após proposta de Lewandowski | Foto: Nelson Jr./ SCO/ STF

Os ministros da Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiram nesta terça-feira (13) que não será papel do plenário analisar dois habeas corpus que tratam da possibilidade de prisão após condenação em segunda instância. A deliberação ocorreu após proposta do ministro relator dos casos, Ricardo Lewandowski. Os dois habeas corpus haviam sido encaminhados ao plenário pela própria Segunda Turma, no dia 20 de fevereiro, em decisão unânime. De acordo com o Broadcast Político, a decisão tomada anteriormente, de remeter os recursos ao plenário, foi interpretada nos bastidores do STF como uma forma de pressionar a presidente Cármen Lúcia a marcar o julgamento definitivo das duas ações que, em 2016, levaram a Corte a fixar a possibilidade de prisão antes do trânsito em julgado do processo. Ainda segundo a publicação, com o movimento, o único caso que trata prisão após condenação em segunda instância nas mãos do plenário é o do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, encaminhado pelo relator Edson Fachin. Lewandowski justificou a retirada dos casos do plenário com o fato de que o primeiro habeas corpus já havia sido atendido no Superior Tribunal de Justiça (STJ) e que o segundo tinha um tema diferente daquele que trata da prisão segunda instância. Apesar da decisão dos ministros, o habeas corpus em questão não chegou a ser votado. Houve apenas o entendimento de que o recurso poderia ser analisado posteriormente na Segunda Turma.

SUS incorpora 10 novas práticas integrativas e complementares

Rio de Janeiro - O ministro da Saúde, Ricardo Barros, e a diretora da OPAS, Carissa Etienne, durante abertura do 1 Congresso Internacional de Práticas Integrativas e Saúde Pública, no Riocentro (Tânia Rêgo/Agên
O  ministro da  Saúde,  Ricardo  Barros, e  a diretora da  Organização  Pan-Americana da Saúde,  Carissa  Étienne,

abrem, no Rio, o 1º Congresso Internacional de Práticas Integrativas e Saúde Pública Tânia Rêgo/Agência Brasil

O Sistema Único de Saúde (SUS) incorporou hoje (12) 10 novas práticas de medicina integrativa e complementar. Agora, são 29 os procedimentos terapêuticos baseados em conhecimentos tradicionais oferecidos pelo sistema público de saúde.

O ato de incorporação foi assinado pelo ministro da Saúde, Ricardo Barros, na abertura do Primeiro Congresso Internacional de Práticas Integrativas e Complementares e Saúde Pública. O encontro é promovido pelo Ministério da Saúde, em conjunto com o terceiro Congresso Internacional de Ayurveda, e vai até quinta-feira (15) no RioCentro, na Barra da Tijuca, na zona oeste do Rio de Janeiro.

Segundo o ministro, agora o Brasil lidera a oferta de modalidades integrativas na saúde pública, com 5 milhões de usuários em 9.350 estabelecimentos de 3.173 municípios. De acordo com Barros, tais práticas são investimentos em prevenção de saúde, para que as pessoas não fiquem doentes, e evitar que os problemas delas se agravem, que sejam internadas e que se operem, o que gera custos para o sistema e tira qualidade de vida do cidadão.

“Somos, agora, o país que oferece o maior número de práticas integrativas disponíveis na atenção básica. O SUS financia esse trabalho com a transferência para os municípios, e nós passamos então a caminhar um pouco na direção do fazer e não cuidar da doença”, disse o ministro.

Ridardo Barros explicou que a incorporação das terapias chamadas de alternativas ao SUS baseou-se em evidências científicas e na tradição. “Estamos falando de medicina tradicional: ao longo de milênios, essas coisas deram certo. A maioria dos medicamentos é baseada no princípio ativo dessas plantas. Antes, tomava-se um chá de determinada planta e hoje toma-se um comprimindo de uma substância extraída daquela planta, o que faz exatamente o mesmo efeito.”

Desde 2006, já eram oferecidos pelo SUS os tratamentos de acupuntura, homeopatia, fitoterapia, antroposofia e termalismo. No ano passado, foram incluídas 14 práticas: arteterapia, ayurveda, biodança, dança circular, meditação, musicoterapia, naturoterapia, osteopatia, quiropraxia, reflexoterapia, reiki, shantala, terapia comunitária integrativa e ioga. Agora, somam-se à lista a apiterapia, aromaterapia, bioenergética, constelação familiar, cromoterapia, geoterapia, hipnoterapia, imposição de mãos, ozonioterapia e terapia de florais.

O ministro destaca que, no ano passado, foram 1,4 milhão de atendimentos individuais. A maioria foi de acupuntura, com 707 mil atendimentos. Depois, vieram medicina tradicional chinesa, com 151 mil sessões de tai chi chan e liangong, auriculoteriapia, com 142 mil procedimentos, e ioga, com 35 mil sessões.

Segundo Ricardo Barros, o Congresso Internacional de Práticas Integrativas e Complementares e Saúde Pública vai debater formas de ampliar as práticas de medicina integrais e complementares no SUS e levar as terapias aos municípios.

“Este é o desafio. Primeiro, estamos consolidando a oferta do serviço, permitindo que as estruturas de atenção básica implantem esses serviços e coloquem à disposição das pessoas. Agora é fazer a divulgação e o engajamento dos cidadãos na prevenção, que não é a nossa cultura. Se você vai à China, a cada 50 metros, tem uma casa de massagem. Aqui, a cada 50 metros, tem uma farmácia. Essa é a mudança que precisa ser alcançada”, afirmou. :: LEIA MAIS »

ONG revela que mais de 20 mil crianças já morreram na Síria

A guerra na Síria teve início em 2011 e durante muito tempo não recebeu destaque na mídia. Os conflitos eram no interior, onde a rede de comunicação era mais precária. Além disso, o governo de Bashar al-Assad fazia um tipo de censura do que era divulgado pois lutava nas Nações Unidas contra algumas sanções propostas ao seu regime, principalmente pelos Estados Unidos.

Com o apoio das nações islâmicas e da Rússia, ele conseguiu impedir sua aprovação e até ocupou postos em comitês importantes. Surpreendentemente, a ONU jamais reconheceu o genocídio contra cristãos levado a cabo no país, sobretudo pela ação do Estado Islâmico, que chegou a dominar 30% do território sírio.

Contudo, desde o início do ano a destruição da Síria passou a ser destaque nos principais meios de comunicação do mundo e a sangrenta verdade está vindo à tona. Segundo a ONG Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), são pelo menos 511 mil mortes desde 2011.

Dentre elas, 350 mil foram nominalmente identificadas, enquanto as demais ainda não foram registradas. Dentre as vítimas, estão 106.390 civis, incluindo 19.811 crianças. Há um número não revelado de “desaparecidos”.

Cerca de um terço da população de 18 milhões de sírios foi obrigado a abandonar suas casas e estão espalhados por diferentes países vizinhos ou aguardam em campos de refugiados uma oportunidade de voltarem para casa.

A ONU parece, finalmente, dar a devida atenção ao conflito e através do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) divulgou relatórios apontando que cerca de 3,3 milhões de crianças estão expostas a dispositivos explosivos naquele país.

Sem expectativa para o fim da guerra, os prognósticos para 2018 são sombrios. O foco das batalhas atualmente está na região de Ghouta Oriental, nos arredores da capital Damasco.

O OSDH divulgou na semana passada que após os bombardeios 219 crianças morreram de um total de 1.031 civis, e deixaram mais de 4.350 feridos. :: LEIA MAIS »

Raio atinge igreja durante culto, deixando 16 mortos e dezenas de feridos

Pelo menos 16 pessoas morreram e dezenas ficaram feridas após um raio atingir uma igreja adventista do sétimo dia em Nyaruguru, distrito no sul de Ruanda, na África.

Um culto era realizado no templo neste sábado (10) e a maioria das vítimas morreu instantaneamente. Cerca de 140 pessoas foram levadas para o hospital e os centros de saúde da cidade.

Os médicos dizem que três outras pessoas correm risco de morte. A maior parte dos feridos foi medicada e liberada.

O incidente climático ocorreu na região montanhosa, perto da fronteira com o Burundi.

Recentemente, centenas de igrejas ruandesas foram fechadas no país por não cumprirem as normas de construção. Muitas delas não tinham para-raio. Com informações das agências.

Temer: Mercosul e União Europeia estão próximos de fechar acordo definitivo

da Agência Brasil
Valparaíso / Chile - Presidente da República, Michel Temer, Senhora, Juliana Awada, Presidente da Argentina, Mauricio Macri (Beto Barata/PR)
Valparaíso / Chile – Presidente da República, Michel Temer, senhora Juliana Awada, e o presidente da Argentina, Mauricio Macri Beto Barata/PR

O presidente Michel Temer disse hoje (11) que após 19 anos de tratativas, o Mercosul e a União Europeia estão próximos de fechar um acordo “em definitivo”. Ele  participou neste domingo (11) da cerimônia de posse do presidente eleito do Chile, Sebastián Piñera, em Valparaíso.

Segundo Temer, ainda faltam alguns pontos para resolver e fechar um tratado de livre comércio com os europeus. O Mercosul busca diminuir as barreiras tarifárias para produtos como grãos e alimentos, dos quais são grandes exportadores.

“Temos alguns pequenos pontos para ainda resolver, mas os chanceleres da União Europeia e do Mercosul vão se reunir muito proximamente. Eu acho que, depois de 19 anos, foi isso que eu e o Macri concordamos. Nós talvez fechemos, em definitivo, o acordo Mercosul e União Europeia”, disse o presidente, após ter se reunido com o presidente da Argentina, Maurício Macri.

Michel Temer disse ainda que conversou com o presidente do Peru, Pedro Pablo Kuczynski, sobre um possível acordo do bloco formado pelo Brasil, Uruguai, Argentina, Paraguai e Venezuela com a Aliança do Pacífico, formada por Chile, Colômbia, México e Peru.

O acordo com o bloco vizinho gira em torno do aumento no comércio entre os países, considerado ainda baixo. Também está voltado para a diminuição de tarifas cooperação alfandegária, promoção de pequenas e médias empresas, redução de barreiras não tarifárias e facilitação no comércio de bens e serviços.

“Conversei até com o presidente do Peru [Pedro Pablo Kuczynski], muito rapidamente, mas com vistas a logo fazermos uma aliança do Mercosul com a Aliança do Pacífico”, disse.

Parceiro comercial

Vi a del Mar - Chile - Presidente da República Michel Temer recebe as despedidas do Presidente da República do Chile (Beto Barata/PR)
Viña del Mar/ Chile – Presidente da República Michel Temer recebe cumprimentos do Presidente da República do Chile Beto Barata/PR

Temer participou da cerimônia de posse de Sebastian Piñera acompanhado do ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes. De acordo com o Ministério das Relações Exteriores, o Brasil é o principal destino dos investimentos chilenos no mundo, com estoque de US$ 31 bilhões, e seu primeiro parceiro comercial na América do Sul. O Chile, por sua vez, é o segundo parceiro comercial do Brasil na região, com intercâmbio comercial da ordem de US$ 8,5 bilhões, em 2017.

“Vim cumprimentar o presidente eleito, Piñera, tendo em vista não só o fato de que nós temos uma relação comercial fortíssima. São mais de 8 bilhões de dólares, a nossa relação comercial, que aliás, aumentou muito em 2015, 2016 e 2017”, disse Temer

Esta é a segunda vez que Piñera ocupa o cargo. A primeira vez foi no período de 2010 a 2014. O novo mandatária, assume o cargo de Michelle Bachelet para um mandato que vai até 2022.

Presidente francês lança aliança para mobilizar US$ 1 trilhão para energia solar

Energia Solar
O objetivo da aliança lançada por Emmanuel Macron é que nações desenvolvidas transfiram tecnologia e
financiem o desenvolvimento da energia solar nas regiões mais pobres  José Cruz/Arquivo/Agência Brasil

O presidente da França, Emmanuel Macron, abriu neste domingo (11), ao lado do primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, a conferência de fundação da Aliança Solar Internacional (ISA), com o objetivo de conseguir avanços concretos no desenvolvimento desse tipo de energia entre os países-membros. As informações são da Agência EFE.

A ISA, que conta com o apoio do Banco Mundial, procurará mobilizar até US$ 1 trilhão até 2030 para projetos solares. Para isso, no entanto, Macron disse que é  necessário o apoio da iniciativa privada.

Macron fez um discurso para as delegações de 47 países que farão parte da organização e para 23 chefes de Estado presentes no evento de abertura em Nova Délhi. O objetivo da aliança é que as nações desenvolvidas transfiram tecnologia e financiem o desenvolvimento da energia solar em regiões mais pobres do mundo.

“Junto ao primeiro-ministro Modi, gostaria que todos os que tomem a palavra hoje façam anúncios concretos sobre como vão desenvolver a energia solar em seus próprios países. Estamos obsecados com resultados concretos”, enfatizou Macron.

No discurso, o presidente francês se comprometeu a destinar 600 milhões de euros para projetos por intermédio da Agência Francesa de Desenvolvimento, elevando a quantia reservada para a cooperação no órgão para 1 bilhão de euros até 2022.

Modi destacou a importância de tornar a tecnologia disponível para os países mais pobres, e afirmou que é necessário fornecer financiamento para essas nações em condições favoráveis.

O objetivo da aliança é reunir os 121 países situados entre os trópicos de Câncer e de Capricórnio que tem mais de 300 dias de luz solar ao ano no projeto. Até agora, 61 países já se uniram ao bloco e 32 ratificaram o acordo, informou o primeiro-ministro da Índia.

O pedido de entrada do Brasil na ASI (MSC nº 94/2018) foi encaminhado pela Presidência da República ao Congresso Nacional no dia 26 de fevereiro deste ano e aguarda a apreciação.

A ISA foi promovida pela Índia e apoiada pela França em novembro de 2015, dentro das discussões da Cúpula do Clima de Paris (COP21), e, posteriormente, formalizada em Nova Delhi, em novembro de 2016.

*Com informações da Agência EFE

Com janela partidária, deputados começam a trocar de legenda sem sofrer punição

da Agência Brasil

Desde a última quinta-feira (8), deputados federais e estaduais podem trocar de partido, sem o risco de perder os mandatos por infidelidade partidária, na chamada “janela partidária”. O período das trocas vai até o dia 7 de abril.

As conversas para as mudanças já estão sendo costuradas há muito tempo, mas os registros no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) só podem ser oficializados durante a janela.

 

Brasília - Câmara dos Deputados aprova aumento de pena para roubo com uso de explosivos (Wilson Dias/Agência Brasil)
Com janela partidária, deputados federais podem trocar de partido sem risco de perder mandatoWilson Dias/Agência Brasil

A legislação eleitoral diz que só é possível mudar de partido, sem risco de perder o mandato, quando houver incorporação ou fusão do partido; criação de novo partido; desvio no programa partidário ou grave discriminação pessoal. Mas, em 2015, o Congresso incorporou a possibilidade de desfiliação, sem justificativa, durante a janela em ano eleitoral. Se o parlamentar se desfilia do partido fora do período da janela, sem justa causa, a legenda pode recorrer à Justiça Eleitoral e pedir a perda do mandato por infidelidade partidária, pois o entendimento é que o mandato pertence ao partido, e não ao eleito.

Na hora de escolher um novo partido, o analista político do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap), Antônio Augusto de Queiroz, avalia que os parlamentares levam em conta três fatores: um deles é o valor que o partido oferecerá do fundo eleitoral – principal fonte de financiamento das legendas – ao candidato para custear a campanha. Com as mudanças trazidas pela reforma política, o candidato à Câmara dos Deputados poderá gastar, no máximo, R$ 2,5 milhões.

Outro atrativo é o tempo de rádio e TV que o candidato poderá ter para a propaganda eleitoral. Quanto mais filiados a sigla têm, mais tempo de propaganda. Outro fator de peso, em alguns casos, para a mudança é o domínio do diretório estadual. Segundo Antônio Augusto, com menos verba e menos tempo de TV, filiados, sem mandato, têm poucas chances de se tornarem conhecidos e conseguirem sucesso nas urnas, o que pode dificultar a renovação na Câmara.

A troca de legendas durante a janela, contudo, não altera a distribuição do dinheiro do Fundo Partidário, nem o tempo de propaganda nas rádios e TVs de cada legenda. A única exceção é se os deputados mudarem para um partido recém-criado.

No primeiro dia da janela, pelo menos 15 deputados trocaram de partido. Na lista estão, por exemplo, os deputados do Rio de Janeiro Jair Bolsonaro e Eduardo Bolsonaro, que deixaram o PSC e foram para o PSL; Sérgio Zveiter que saiu do Podemos para o Democratas; e delegado Francischini (PR), que deixou o Solidariedade também para o PSL.

Um dos partidos que mais recebeu novos integrantes foi o Democratas, que ganhou mais quatro deputados federais, aumentando a bancada de 33 para 37 cadeiras, conforme informado na quinta-feira. O presidente da sigla, ACM Neto, espera mais filiações nos próximos dias.  “Vamos ter mais, até o dia 7 de abril, vamos ter muitas filiações. Alguns ainda estão fazendo entendimentos finais. Nossa meta é ficar na casa dos 40 deputados”, disse à Rádio Nacional.

O líder do governo, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), avalia que a base não deve perder muitos aliados. “Temos acompanhado, lógico, e eu estou vendo que os partidos da base estão se saindo bem nesse movimento. Agora, é cedo para dizer, mas a nossa expectativa é que nós tenhamos na base um saldo positivo”.

O líder do PSDB na Câmara, deputado Nilson Leitão (MT), defende que os políticos não mudem somente por questões financeiras. O partido trabalha para manter os 46 deputados na Câmara dos Deputados. Atualmente, a sigla é a terceira maior da Casa, atrás de MDB e PT. “As mudanças de partido são legais, mas acaba denegrindo ainda mais a classe política que busca no financeiro a sua prioridade. Não tem problema nenhum, mas que isso fosse somado com a programação, ideias, estatuto. Como alguém pode estar na dúvida entre dois ou três partidos que são totalmente antagônicos na sua ideologia? É necessário, pelo menos, que se mantenham dentro de uma linha programática dos partidos e não do financeiro”, ressaltou Leitão à Agência Brasil.

“Síria é o inferno na Terra para as crianças”, afirma Unicef

Após dias de incessantes bombardeios, caminhões levando ajuda humanitária chegaram nesta sexta-feira (9) à Ghouta Oriental, nos subúrbios da capital da Síria, Damasco. Apesar da segurança prometida pelas várias partes envolvidas na guerra, incluindo a Rússia, não há expectativa de mudança a curto prazo.

A UNICEF (Fundo das Nações Unidas para a Infância) que trabalhou para levar água potável, comida e medicamentos para a região, alerta que a situação atual, “é o Inferno na Terra para as crianças”. A pouca ajuda que conseguiu chegar até eles, é insuficiente. A estimativa é que cerca de 14 milhões de crianças foram afetadas drasticamente pelo conflito sírio.

Henrietta Fore, diretora executiva da organização, lembra que “elas convivem todos os dias com a morte e com mutilações. Falta água e comida. As doenças estão se espalhando”, lamenta.

Em Saqba e Hamoryah, duas cidades na região de Ghouta, os ataques de forças do governo voltaram a matar crianças, indica o Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

“O bombardeio é quase incessante e a quantidade de violência é assustadora. A criança vê violência, vê morte e pessoas mutiladas o tempo todo”, sublinha Fore. :: LEIA MAIS »

Trump aceita se reunir com Kim Jong-un em maio

Da Agência EFE
Kim Jong-Un e Trump
Kim Jong Un e Trump devem finalmente se encontrarReuters/KCNA handout 

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, aceitou nesta quinta-feira (8) comparecer à reunião que lhe foi proposta pelo líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, e disse que esse encontro deverá ocorrer em maio, disseram emissários sul-coreanos em Washington. A informação é da EFE.

O anúncio foi feito pelo chefe do Escritório de Segurança Nacional da Coreia do Sul, Chung Eui-yong, que hoje entregou a Trump, na Casa Branca, uma carta que lhe tinha sido dada na segunda-feira por Kim Jong-un durante uma reunião em Pyongyang.

O líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un propôs uma reunião ao presidente dos EUA e lhe ofereceu suspender o programa nuclear e de mísseis de seu país para iniciar uma negociação.

* É proibida a reprodução total ou parcial desse material. Direitos Reservados.

Universidade expulsará alunos que não assistirem a palestras sobre “movimentos LGBT”

Os alunos recém ingressados na Universidade Federal de Lavras (UFLA), em Minas Gerais, são obrigados a assistirem às atividades do programa de “recepção de calouros”, que inicia no próximo dia 13 e vai até o 16.

resolução da universidade, datada de 21 de março de 2007, diz em seu Art. 49: § 1° “O estudante que deixar de comparecer às atividades de recepção de calouros será automaticamente desvinculado do curso e da Universidade”.

Portanto, esses ‘calouros’ irão perder a vaga se não participarem dos eventos, o que já é uma arbitrariedade. Tudo fica mais difícil quando ele se deparar com os temas propostos. No dia 14, por exemplo, as opções são: “Gênero e Sexualidade”, “Gênero e Trabalho”, “Questões de Gênero”. e “História das Lutas do Movimento LGBT”.

Outros temas propostos, alinhados à agenda de esquerda, são: “A Política de Cotas na Universidade Brasileira” e “Controle Social e Garantia de Direitos”.

Quando tomou conhecimento do caso, a Associação Escola Sem Partido entrou com uma ação na Justiça para impedir que os alunos sejam expulsos, caso não participem.

O argumento principal da ação protocolada na Justiça Federal em Brasília é que essa imposição é um critério a mais além do vestibular, o que não torna a prática abusiva da Universidade.

No documento, a associação destaca que “não é possível deixar de reconhecer aos calouros da UFLA o direito à objeção de consciência relativamente à participação nas oficinas”. :: LEIA MAIS »

Mulheres são donas de 31% de empresas nos Estados Unidos

A brasileira Ana Carolina Teixeira, dona de empresa na Flórida (Acervo pessoal)
A brasileira Ana Carolina Teixeira, dona de empresa na Flórida –Acervo pessoal

Na luta pela conquista de espaços, mais e mais mulheres têm se lançado no mercado norte-americano como empreendedoras. Um levantamento do Instituto de Desenvolvimento para Empreendedorismo do Conselho Nacional de Mulheres Proprietárias de Empresas (livre tradução para National Woman´s Business Council – NWBC), feito no ano passado, mostrou que 31% das empresas norte-americanas pertencem a mulheres. Uma em cada cinco tem receita superior a um US$ 1 milhão.

O estudo mostrou ainda que em 2017 existiam mais de 9,4 milhões de empresas pertencentes a mulheres nos Estados Unidos.  Em 2015 eram 9,1 milhões, 300 mil novas empresas geridas por mulheres foram criadas no período. A receita  estimada gerada foi de um US$ 1,7 trilhão nos últimos três anos.

A tendência de crescimento tem se sustentado nos últimos anos. O número de total de empresas criadas nos Estados Unidos cresceu 47%, entre 1999 e 2014. Nesse universo, aquelas que pertencem às mulheres aumentaram 68%. Na geração de empregos, as empresas comandadas por mulheres responderam por mais da metade das vagas do mercado de trabalho em 2017 – 8,3 milhões de empregados no ano passado, de um total de 16 milhões no universo de todas as empresas. :: LEIA MAIS »

Vitória da Conquista é a 11ª do ranking entre as 50 cidades mais violentas do mundo

Uma reportagem veiculada no BBC Brasil destaca dados negativos de Vitória da Conquista. A informação vem no campo da Segurança Pública deixando a Capital do Sudoeste Baiano entre as cinquenta cidades mais violentas do mundo.

No ano passado Vitória da Conquista registrou 245 homicídios, o que lhe deixa da 11º posição do ranking entre as cidades com mais de 100 mil habitantes. Confira a reportagem da BBC Brasil divulgada nesta quarta-feira (7). Confira a reportagem da BBC Brasil.

Luto em Conquista: Morre Pedro Emílio

É com profundo pesar que o Blog do Wal Cordeiro informa o falecimento precoce de Pedro Emílio, uma das figuras mais conhecidas de Vitória da Conquista.

Atualmente Pedro era presidente do Conselho Municipal de Educação e foi presidente da Liga Conquistense de Desportos Terrestres (LCDT).

Formado em Direito pela Faculdade Independente do Nordeste (FAINOR), Pedro Emílio era um conhecedor nato da política de Conquista, incentivador e apaixonado pelo esporte amador.

Pedro veio a óbito dentro da sua residência, na Rua Santos Dumont, no Bairro São Vicente. O velório acontece na manhã desta quinta-feira (8), no Plenário Vereadora Carmem Lúcia da Câmara Municipal de Vitória da Conquista. Local e horário do sepultamento ainda não foram divulgados.

Alemanha pode mudar letra do hino nacional, para usar “gêneros neutros”

Depois da Áustria e do Canadá, agora é a Alemanha que terá mudanças em seu hino nacional. Numa tentativa de se adequar ao discurso politicamente correto que tenta se impor como norma, desde 2011 o país tem uma “comissária da igualdade”.

Quem ocupa o cargo é Kristin Rose-Moehring. Esta semana ela fez a proposta para retirar as “referências estritamente masculinas”, trocando-as por “gêneros neutros” em alemão.

O pedido foi divulgado em uma carta aberta ao governo, escrita em função do Dia Internacional das Mulheres, a ser comemorado em 8 de março. Porém, ainda não foi votado pelo Congresso.

A ideia é que a Alemanha substitua palavras que seriam masculinas como “Vaterland” (terra de nossos pais, em tradução livre) por “Heimatland” (pátria) e outro termo, com sentido de “fraterno”, trocando-a por “corajosa”.

Segundo Rose-Moehring, suas propostas são para que o hino torne-se “mais correspondente aos tempos atuais”. A agência governamental comandada por ela possui 25 funcionários e visa analisar questões referentes ao comportamento social.

Caso seja aprovada, essa não será a primeira mudança no hino nacional. A letra original, escrita pelo poeta August Heinrich Hoffmann von Fallersleben, em 1841, foi adotada oficialmente como representação da pátria alemã em 1922. Como os nazistas usavam de maneira extremada a primeira estrofe, que dizia “Alemanha, Alemanha acima de tudo, acima de tudo no mundo”, as primeiras frases foram eliminadas em 1991, quando o país foi reunificado. Desde então passou a iniciar no que seria a antiga terceira estrofe, que diz: “Unidade, justiça e liberdade”. :: LEIA MAIS »

Morar Legal: Prefeitura inicia processo de regularização fundiária do Vila América

Vice-prefeita, Irma lemos, e a equipe do programa Morar Legal ajustam as questões necessárias para a regularização

A regularização fundiária, promovida pelo Governo Municipal, segue avançando pelos bairros de Vitória da Conquista e permitindo que diversos cidadãos concretizem o sonho de ter a escritura de seus imóveis. E foi para tratar da regularização fundiária do Vila América, que a vice-prefeita, Irma Lemos, esteve reunida nesta segunda-feira (5), em seu gabinete, com a equipe do programa municipal Morar Legal.

Durante a reunião, o diretor municipal de Habitação Popular, Wal Cordeiro, detalhou o cronograma de regularização. “Iniciaremos com a mobilização dos moradores. Para isso, já convocamos uma reunião com os representantes da Associação de Moradores do Vila América. Em seguida, iniciaremos a fase do levantamento planialtimétrico e do cadastro socioeconômico”, explicou Wal.

Nesta etapa, serão beneficiadas mais de 900 pessoas que receberam lotes da Prefeitura há mais de 20 anos. “O objetivo do Governo Municipal é identificar as famílias que receberam lotes da Prefeitura e ainda não possuem suas escrituras um direito dessas pessoas que o nosso Governo está garantindo”, ressaltou a vice-prefeita. :: LEIA MAIS »

Acessuas Trabalho inscreve até sexta-feira (9) para cursos profissionalizantes

Você que tem interesse em se especializar em algum curso profissionalizante, precisa ficar atento! O prazo de inscrição nos cursos oferecidos pelo programa de Promoção do Acesso ao Mundo do Trabalho (Acessuas Trabalho) termina nesta sexta-feira (9).

São 64 cursos, ministrados à distância (por meio da internet). No entanto, para se inscrever, você precisa comparecer no escritório do Pronatec, localizado na Avenida Bartolomeu de Gusmão, nº 744, Jurema (antiga Secretaria de Trabalho, Renda e Desenvolvimento Econômico/Semtre), das 8h às 12h.

Os documentos necessários para a inscrição são: RG, CPF, comprovante de residência e atestado de matrícula ou escolaridade.

Podem se inscrever maiores de 16 anos que estejam cursando ou que já tenham concluído o Ensino Médio.

Confira os cursos disponíveis, clicando aqui.



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia