WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

ebook gestao financeira


dezembro 2019
D S T Q Q S S
« nov    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  


:: ‘missões’

Número de cristãos assassinados por sua fé cresceu mais de 150% em 2017

Apesar da diferença de metodologia, os índices de perseguição no mundo divulgados pela Missão Portas Abertas (evangélica) são muito parecidos com os publicados pela Fundação Ajuda à Igreja que Sofre (católica).

Publicadas com uma semana de diferença, ambos concordam que 2017 testemunhou um aumento na perseguição e morte de cristãos exclusivamente por causa de sua fé. A Lista Mundial da Perseguição 2018 da Portas Abertas foi divulgada nesta quarta-feira (10).

Como faz todo ano, a missão avalia a situação da perseguição religiosa em todo o mundo e estabelece um ranking dos países onde viver a fé cristã é mais arriscado. Os números contabilizados para 2017 apontam 3066 cristãos assassinados e 793 igrejas ou propriedades de igrejas atacadas. Ao contrário de outros levantamentos, a Portas Abertas não leva em consideração os casos onde existem questões raciais, étnicas ou políticas envolvidas.

Segundo afirma em seu site “quase 75% da população mundial vive em áreas com graves restrições religiosas. Para a Portas Abertas, a perseguição aos cristãos consiste em qualquer oposição vivenciada como resultado da identificação de uma pessoa com Cristo, incluindo palavras e atitudes hostis, dirigidas contra elas unicamente por causa de sua fé em Jesus. Hoje em dia são aproximadamente 215 milhões de cristãos perseguidos nos 50 países que compõem a Lista Mundial”.

Em comparação com o levantamento de 2016, o número de mortes cresceu mais de 150%, embora tenha diminuído em relação a 2015, quando o Estado Islâmico tinha o controle de grandes extensões territoriais.

Como no ano anterior, as duas primeiras posições da lista são ocupadas pela Coréia do Norte e pelo Afeganistão, respectivamente, países muito diferentes em termos de política e estrutura social, mas com ódio similar aos cristãos.

Entre os 10 primeiros, 9 são nações islâmicas. Os norte-coreanos ocupam o alto da tabela pelo 17º ano consecutivo.

De modo geral, há pouca diferença em relação aos levantamentos anteriores, com um destaque negativo para a Líbia, nação com maior crescimento nos casos de perseguição. Outros países que tiveram aumentos significativos no último ano são Egito e Turquia. :: LEIA MAIS »

Maioria dos cristãos já sofreu “abuso ??espiritual”, indica pesquisa

Os acadêmicos da Universidade de Bournemouth, Reino Unido, realizaram uma pesquisa em nome do Churches’ Child Protection Advisory Service (CCPAS). O levantamento indica que a maioria dos cristãos acredita ter sofrido algum tipo de “abuso espiritual”.

Os números finais do estudo indicam um número alto, com cerca de 2/3 dos entrevistados relatando terem sido expostos a esse abuso em sua comunidade cristã. Justin Humphreys, o diretor executivo da CCPAS, admite que “os resultados são significativos, pois [ter sofrido abusado espiritual] não era um pré-requisito para a participação”. Mesmo assim, ele não está totalmente surpreso.

As definições de abuso espiritual são bastante amplas. Por isso, os críticos dizem que a falta de clareza pode ser uma barreira significativa para aceitarem os resultados do estudo sem questionamentos.

Humphreys explica que eles definem o “abuso espiritual” como “uma experiência caracterizada por um padrão sistemático de controle e comportamento coercitivo em um contexto religioso”. Deixa claro que isso também pode ser visto como “uma forma de abuso emocional e/ou psicológico. No entanto, como acontece no ambiente religioso, a opção foi pelo uso do termo abuso espiritual”.

Entre os entrevistados, a compreensão é que esse tipo de abuso ou manipulação era caracterizado por toda forma de controle e pressão sobre os indivíduos, “através do uso indevido de textos religiosos, visando fornecer uma lógica ‘divina’ para justificar o comportamento”. :: LEIA MAIS »

Número de meninas cristãs sequestradas por islâmicos atinge recorde

Uma antiga estratégia militar dos muçulmanos é sequestrar meninas e adolescentes cristãs, estuprá-las e forçá-las a se casar com o estuprador. Isso, pela lei religiosa, equivale à conversão, já que a mulher deve total obediência ao marido.

Financiada com dinheiro de organizações religiosas da Arábia Saudita, essa prática comum no Oriente Médio e no norte da África está atingindo índices recordes.

No ano passado, cenas dos “leilões” de meninas feito pelos jihadistas do Estado Islâmico na Síria despertou o mundo para essa tragédia. Contudo, afirma a Release International, o cenário mais preocupante hoje é o que acontece no Egito.

O drama dessas crianças e adolescentes não recebe atenção da grande mídia, mas a Release diz que essa é uma forma subestimada de perseguição. A ONG reuniu dados de fontes egípcias e ocidentais e aponta que o número de cristãs coptas sequestradas no Egito no último ano atingiu um recorde histórico.

Os coptas são 10% da população do Egito. Na maioria são pessoas muito pobres, que vivem em áreas rurais ou na periferia da capital Cairo.

Kate Ward (nome alterado por questões de segurança) trabalha com uma instituição inglesa que luta contra esses sequestros. Através de seus parceiros egípcios, entrou em contato com 2.500 famílias que sofreram com o “sumiço” de algum membro.

“Os sequestradores visam as meninas com cerca de nove anos e procuram fazer amizades com elas. Oferecem presentes e investem nessa relação por meses. As meninas somem quando são consideradas sexualmente maduras, a partir dos 14 anos de idade”, conta.

Abouna é um obreiro egípcio que trabalha com a ONG de Ward em comunidades cristãs pobres. Ele conta que esses sequestros são uma estratégia deliberada. As mais velhas são enganadas, pensando que terão uma vida melhor, mas quando descobrem a realidade já é tarde demais. :: LEIA MAIS »

Billy Graham traz mensagem de encorajamento para começar o Ano Novo

Meditando sobre a chegada do Ano Novo, Billy Graham deixou palavras de encorajamento para aqueles que tiveram um 2017 difícil. O evangelista de 99 anos lembrou a todos que, embora Deus permita que passemos por tempos difíceis, Ele nos proporciona a esperança eterna através de Seu filho Jesus.

Em sua coluna semanal, postada no site da Associação Evangelística Billy Graham, respondeu a um leitor que lhe questionou por que Deus parecia estar tão ausente este ano, com o mundo vivendo seguidos desastres naturais e multiplicação de guerras

Citando também problemas pessoais, o leitor disse que, mesmo orando, não viu resposta.  “Onde estava Deus em tudo isso?”, questionou.

Graham primeiramente explicou que a coisa mais importante a lembrar é que “Deus sabe o que estava acontecendo em sua vida, e Ele se importou profundamente com você, mesmo que às vezes não pareça”.

Depois, citou o texto de Lamentações 3:22. “Em meio a um período terrível para o povo de Deus,  o profeta Jeremias ainda podia dizer: as suas misericórdias não têm fim”

Graham disse que, muitas vezes,  podemos desanimar diante das dificuldades que vivemos e que ele próprio já passou por isso.  “Eu sei que o mal é real, e às vezes parece estar levando  vantagem”, disse ele. “Mas também sei que Deus sabe tudo e por isso deu Seu único Filho, Jesus Cristo, para sofrer e morrer na cruz. Seu túmulo está vazio, pois ele ressuscitou. Por causa disso, você e eu podemos ter esperança”.

Diante dos momentos difíceis, ensina o evangelista, precisamos fazer escolhas. “Podemos ficar revoltados e nos voltarmos contra Deus, ou buscarmos ao Senhor com fé, podendo encontrar nele a força e a esperança que precisamos”.

“Qual a sua escolha?”, questionou Graham. Para aqueles que não sabem o que esperar de 2018, ele diz que a primeira decisão deveria entrar no ano novo com certeza da sua salvação.  Para isso, lembrou que é preciso que confessemos a Jesus Cristo. :: LEIA MAIS »

Ataque contra igreja cristã ortodoxa copta deixa ao menos 10 mortos no Egito

Ataque contra igreja cristã ortodoxa copta deixa ao menos 10 mortos no Egito

Foto: Reprodução / Twitter RT

Um ataque nas proximidades de uma igreja cristã ortodoxa copta, ao sul do Cairo, deixou pelo menos dez mortos, entre eles oito cristãos coptas, segundo o Ministério da Saúde do Egito. Porta-voz do ministério, Khaled Megahed disse que homens armados em uma motocicleta abriram fogo diante da igreja Mar Mina, nesta sexta-feira (29). O porta-voz disse que um dos suspeitos foi morto a tiros por um agente de segurança. A agência estatal Mena, que cita uma fonte não divulgada do Ministério do Interior, informou que o outro suspeito fugiu do local e era perseguido. Mais cedo, agentes de segurança disseram que dois policiais foram mortos. Um porta-voz da Igreja Ortodoxa Copta afirmou em comunicado que pelo menos seis pessoas foram mortas no ataque, entre elas cinco coptas e um policial. Também informou que houve um ataque separado em uma loja no mesmo bairro de Helwan, onde morreram dois coptas. A minoria cristã do Egito tem sido alvo constante de ataques de militantes muçulmanos. Desde dezembro de 2016, essas ações já deixaram mais de 100 mortos. Fonte: Associated Press.

Como será o Natal dos cristãos perseguidos?

Enquanto os cristãos do Brasil comemoram livremente o Natal nesta segunda-feira, há milhões de fiéis no mundo todo que precisam fazer a celebração em segredo, sabendo que, se foram apanhados, podem ser presos ou até mortos. Embora haja controvérsias históricas sobre a exatidão da data, o importante para eles é a lembrança do nascimento do Salvador.

A missão Portas Abertas divulgou alguns testemunhos de pessoas que vivem em países como a Arábia Saudita, onde a comemoração do Natal é ilegal. Citou a pregação de um pastor indiano que trabalha secularmente ali e lidera uma igreja subterrânea. “Deus quer usá-lo”, diz ele à pequena congregação. “Todo dia pode ser Natal se você estiver disposto a obedecer a Deus que nos ordenou a ir e fazer discípulos de todas as nações, afinal para milhões de muçulmanos Jesus não ‘nasceu’ em seus corações”.

O texto publicado pelo ministério Portas Abertas pede que os seguidores de Jesus de todo o mundo que têm liberdade religiosa possam lembrar em oração dos seus irmãos que estão sendo perseguidos e não poderão comemorar em paz a data.

A missão lembra que na semana passada, terroristas atacaram uma igreja evangélica no Paquistão, matando 11 pessoas e feriando mais de 50. Era um culto alusivo ao Natal, onde estavam sendo distribuídos presentes para as crianças.

Os cristãos do Egito vão lembrar com muita dor o ataque terrorista contra a igreja do Cairo que está completando um ano. A situação não mudou nada de lá para cá.

Em 2015, a Somália proibiu o Natal com a justificativa de que, por ser um país muçulmano, não precisaria da festa. O governo justificou a proibição dizendo que o Natal e o Ano Novo “não têm nada a ver com o Islã”. Em países como a Indonésia, milhares de soldados são enviadas para guardar as igrejas durante os cultos de Natal. :: LEIA MAIS »

Missionários ajudam a resgatar 244 escravas sexuais

Uma organização humanitária cristã, com sede na Virgínia, Estados Unidos recentemente conseguiu ajudar no resgate de mais de 200 mulheres e meninas presas na indústria do sexo da Tailândia. Além de oferecer-lhes a oportunidade de sair dessa vida, pregaram o amor de Cristo.

Nas duas últimas semanas, a missão World Help atuou em Bangkok e Pattaya, realizando três eventos para as prostitutas que vendem seus corpos em “bares” daquelas cidades. Chamada de “Noite da Liberdade”, as reuniões atraíram 244 delas, que poderão agora iniciar uma nova vida com o apoio dos missionários.

“Essas meninas realmente só estão neste trabalho porque são muito pobres”, explicou Noel Yeatts, a vice-presidente da World Help. Disse ainda que na Tailândia, culturalmente, a responsabilidade de prover para a família é da filha.

“Essas meninas saem de áreas rurais na Tailândia e vêm para a grande cidade procurando trabalho honesto para que possam enviar dinheiro para suas famílias. Muitas delas percebem que, por não terem estudo, o único lugar que lhes oferece ‘oportunidade’ são esses bares, que funcionam mais como um prostíbulo”, relata.

Segundo Yeatts, muitas acabam se envolvendo na prostituição por falta de opção, pois é a única maneira que encontram para sobreviver. Um grande número delas se tornam verdadeiras escravas sexuais, caindo em grandes redes de tráfico humano. Por causa disso, não conseguem sair mesmo que queiram.

A vice-presidente da missão explicou que este é o primeiro ano que a World Help está investindo nesse tipo de ministério. Cerca de R$ 80.000 foram gastos para financiar as festas de Natal. Muitas daquelas que aceitaram o convite para mudar de vida possuem “multas” que precisavam pagar aos seus empregadores para recuperarem a liberdade.

“[Nossos parceiros locais] pagam o dono do bar para poderem levar as meninas para a “Noite da Liberdade”. A missão aluga um ótimo local, em um restaurante ou hotel”, explicou Yeatts. “As meninas entram e recebem uma refeição maravilhosa. Todas ganham presentes. Depois, um evangelista tailandês lhes apresenta a mensagem do Evangelho”.

Cada uma ganha ainda sua própria Bíblia. Na festa de Natal em Pattaya, as garotas levaram todas as cópias disponíveis embora. As participantes também recebem o convite para deixar a indústria do sexo e viver em uma casa-abrigo que lhes oferece segurança. As que ainda estão em idade escolar têm a opção de frequentar uma escola perto dessa casa mantida pela missão. :: LEIA MAIS »

Saiba qual o versículo bíblico mais lido de 2017

Em 2017, mais pessoas do que nunca leram, ouviram, refletiram e compartilham a Palavra de Deus através de aplicativos bíblicos. A conclusão é do YouVersion, o mais popular do gênero no mundo, com cerca de 300 milhões de usuários.

Como faz todos os anos, a empresa divulgou qual foi a passagem mais lida. Considerando todas as vezes que foi compartilhado, marcado e destacado por seus usuários, o versículo mais popular de 2017 foi Josué 1:9, que diz: “Não te mandei eu? Esforça-te, e tem bom ânimo; não te atemorizes, nem te espantes; porque o Senhor teu Deus está contigo, por onde quer que andares”.

Criado em 2008 como parte de um projeto missionário de uma igreja dos EUA, o YouVersion se tornou rapidamente o aplicativo bíblico mais usado no planeta. Segundo os dados da empresa, cresceu 131% no Brasil este ano.

Em média, 1,4 pessoas instalaram o aplicativo e 10,8 versículos foram compartilhados a cada segundo de cada dia, em 2017.

“Nós acreditamos que a Bíblia é uma fonte duradoura de coragem e força”, explica o idealizador do aplicativo, pastor Bobby Gruenewald. Ele conta também que é visível como as pessoas tem adquirido o hábito de usar o aplicativo nos cultos e para devocionais diários.

Disponível em mais de 1200 línguas e dialetos, o YouVersion pretende ter o Novo Testamento disponível em 99.9% dos idiomas do mundo até 2033.

Gruenewald explica que seu foco missionário não mudou: “Nos últimos anos, a tecnologia tornou possível acelerar a tradução da Bíblia como nunca antes. Há um impulso incrível em torno desse esforço que sabemos que não vai parar até que todas as pessoas tenham a Escritura disponível em sua língua nativa”. Com informações de Independent Journal Review

Achados arqueológicos revelam detalhes sobre o Templo nos dias de Jesus

Qual a verdadeira aparência do Templo em Jerusalém, construído por Herodes, que acabou destruído pelo exército romano no ano 70? É possível visualizar algo destruído há quase 2.000 anos? Como ele era decorado?

Todas essas perguntas começaram a ganhar novas respostas esta semana. A literatura e a arqueologia nem sempre coincidem, mas uma nova pesquisa pode acabar com muitas dúvidas dos religiosos.

Grande parte do que sabemos, ou pensamos que sabemos, vem da narrativa do século 1, pelos escritos do historiador judeu-romano Flavio Josefo, que dedicou parte de um de seus livros para descrever o Templo e o Monte onde ele ficava. Não há muito conhecimento de pesquisas arqueológicas do alto do antigo Monte Moriá, pois desde que o local passou para o controle da Jordânia, como parte da negociação de paz após a Guerra dos Seis Dias (1967), escavações no local são proibidas.

Esses estudos são considerados importantes não apenas por preencher algumas “lacunas” arqueológicas em Israel, mas, sobretudo, por oferecerem detalhes que são considerados fundamentais na construção do Terceiro Templo, uma vez que organizações como o Instituto do Templo seguidamente reiteram que já tem tudo preparado, inclusive as plantas dessa construção. :: LEIA MAIS »

Com fronteiras abertas, Europa vê sua população muçulmana “explodir”

A população muçulmana no continente europeu em geral poderá triplicar até 2050, indica um estudo divulgado pelo Instituto de Pesquisas Pew, especializado em questões religiosas. Ele pode ser lido na íntegra aqui(em inglês).

O material, com o nome de Crescimento da População Muçulmana da Europa, faz três projeções a partir de cenários distintos. Eles levam em conta questões como o crescimento natural da população, migração regular futura e migração em massa de refugiados. Nos três casos já há uma forte divisão entre os países do oeste e do leste europeu.

Na Alemanha, por exemplo, essa população poderia pular dos 6,1% em 2016 para 19,7% em 2050, caso continue com a mesma política de “fronteiras abertas” que pratica atualmente. Em contraste, a Polônia, que tem normas bastante rígidas, passaria de 0,1% para 0,2% no mesmo período.

Ainda que todos os atuais 28 Estados-membros da União Europeia (EU) – mais Noruega e Suíça – fechassem completamente suas fronteiras aos imigrantes, a população muçulmana continuaria crescendo por causa, principalmente, da alta taxa de fertilidade entre muçulmanos.

De acordo com os dados revelados pelo Pew, os muçulmanos eram 4,9% da população da Europa em 2016, reunindo com cerca de 25,8 milhões de pessoas em 30 países. No último levantamento do tipo, de 2010, eles eram 19,5 milhões. O número de imigrantes muçulmanos que chegaram na Europa aumentou a partir de 2014 para quase meio milhão anualmente. Em grande parte, isso se deu pela chegada de refugiados dos conflitos na Síria, no Iraque e no Afeganistão. :: LEIA MAIS »

Meninas afegãs são vendidas como esposas por menos de R$ 10 em Cabul

Uma reportagem investigativa feita pelo jornalista Amador Guallar para o jornal espanhol El Mundo mostra a dura realidade dos habitantes do Afeganistão. Nas mãos de grupos extremistas como Al Qaeda e Talibã, o país convive com um número crescente de miseráveis.

No Mercado dos Pássaros da capital Cabul tudo tem um preço, incluindo meninas que são vendidas diariamente em leilão. O jornalista espanhol conseguiu entrevistar Akbar, que se apresenta como “intermediário para homens que buscam boas esposas”. Ele oferece aos interessados mulheres “jovens, mas suficientemente maduras para ser uma esposa fértil”.

Localizado atrás da grande mesquita de Pul-e Khishti, o Mercado possui mais de 500 anos de tradição. Seguindo a tradição islâmica, é possível encontrar ali quem negocie o preço de um dote e os mais desesperados ofereçam suas filhas.

 Embora no Afeganistão o matrimônio infantil seja ilegal, Akbar e outros como ele, aproveitam-se do desespero das famílias mais pobres para ganhar dinheiro com isso.

Cultura religiosa

“Esta é a minha cultura, não faço nada que não venha sendo feito por centenas, talvez milhares de anos, antes do Profeta [Maomé]. A mulher deve formar uma família, e só as ajudo a encontrar um marido”, justifica Akbar.

 Diz ainda que está tranquilo. “Eu não sequestro as meninas, nem forço ninguém a me entregar as suas filhas. O que eu faço é pôr em contato as famílias que querem casar com homens que precisam de uma mulher”. Embora não admita, ele sabe que em muitos casos este é um ato de desespero de quem vive em extrema pobreza e sabe que poderá morrer de fome.

O atravessador conta que o custo para se encontrar “uma mulher satisfatória” é de 150 afeganis (cerca de 8 reais). A este valor acrescenta 10.000 afeganis (cerca de 1800 reais), pela sua “intermediação” e o pagamento do dote. Segundo Akbar, ele tem contatos em todo o país, especialmente no Leste, e não encontra dificuldades para realizar sua operação. “Naquelas províncias é fácil encontrar uma boa esposa com cerca de 15 anos, obediente e preparada”, garante, deixando claro que a idade pode ser menor, caso o cliente assim deseje.

Pela tradição islâmica, os homens podem ter até quatro mulheres. Um dos argumentos de Akbar é que “as segundas e as terceiras esposas são as melhores”, pois teriam menos atribuições no lar. Mostrando uma série de fotos de menores de idade ao jornalista, o traficante de seres humanos frisa que “todas [as que negociou] agora tem uma vida melhor”.

Em muitos casos, as famílias são de refugiados, que saíram fugidos das regiões onde há guerra. Na maioria das vezes, o dinheiro arrecadado com a venda de uma filha pode ajudar a família a sobreviver durante meses.

:: LEIA MAIS »

Cristão arrisca a vida para contrabandear 100 mil Bíblias para seu país

Ele é um homem normal de 33 anos e com dois filhos para criar. Mesmo assim esse cristão vietnamita arrisca sua vida por causa da fé em Jesus. Ele vem contrabandeando milhares de Bíblias para seu país, de maioria budista, desde que se converteu.

Identificado apenas como Bao, ele tem recebido do projeto de Bíblias para Crianças da Missão Porta Abertas, e já levou pelo menos 100 mil cópias das Escrituras para o Vietnã nos últimos dois anos.

Embora pareça ser uma grande façanha, Bao acredita que não está perto de terminar. Ele revela que as igrejas cristãs sofrem grandes restrições e os fiéis geralmente são forçados a se encontrar em segredo. Cerca de 2 milhões de cristãos não possuem uma Bíblia, pois o livro não é vendido livremente no país.

O budismo é a única fé que o governo vietnamita não persegue.

Aos 19 anos, Bao tentou se matar. “Eu pensava que a vida não tinha sentido”, testemunha.  “Eu me sentia vazio, queria me suicidar. Minha casa ficava perto de um rio e, muitas vezes, passei por ali e pensava: “E se eu simplesmente pular no rio e morrer afogado?”

Alguns amigos de Bao, que sabiam que o jovem tinha pensamentos suicidas, o convidaram para a igreja. Ele foi, mas no início não entendia o que eles tinham de diferente. “Eu me perguntava por que os cristãos têm essa alegria estranha em suas vidas?”.

Voltando para casa um dia, ele disse que fez um desafio a Deus, pedindo “Se você é real, me mostre”. Foi então que, pouco tempo depois, sentiu o espírito de Deus o “tocar”.

“Minha vida mudou completamente, e desde então só tenho vontade de servi-lo”, conta Bao. Ele logo começou a trabalhar com um ministério que alcançava crianças. “Eu sabia que as crianças eram muito especiais, e que Deus tinha um grande plano para todos elas”, por isso até hoje as chama de “futuros guerreiros”.

Seu ministério cresceu e ele começou a evangelizar adultos que vivem nas regiões dominadas pelo comunismo. Quando o governo soube disso, tentou detê-lo. A polícia invadiu a casa dele durante um culto doméstico, forçando as pessoas que participaram a fugir.

Todas Bíblias de Bao e seus materiais didáticos foram confiscados, e ele foi preso. :: LEIA MAIS »

Muçulmana lê a Bíblia para confrontar cristãos e acaba se convertendo

Rita Chaima nasceu em uma família muçulmana religiosa. Eles imigraram para a Europa, mas o desejo dela sempre foi se juntar aos jihadistas do Estado Islâmico na Síria. Com o coração cheio de ódio pelos “infiéis” que não seguiam a Maomé, ela tinha tudo para se tornar uma terrorista. Assistia aos vídeos das mortes e decapitações e tinha prazer em ver aquilo.

Ela só tinha 18 anos, mas era influenciada por pessoas mais velhas que tinham ideais extremistas.

Tudo mudou quando sua mãe ganhou livros de uma pessoa na rua. Quando os trouxe para casa, Chaima ficou curiosa e começou a ler. Irritada ao perceber que se tratava de material cristão, decidiu então “combater” aqueles ensinamentos. Só que para fazer isso ela precisava conhecer o que seus “inimigos” pregavam.

“Comecei a ler a Bíblia para provar aos cristãos que estavam errados”, diz ela. “Mas eu estava errada! E a graça de Jesus Cristo começou a me tocar. Comecei a ler coisas como orar pelos inimigos e amá-los. Ora, era alguém que queria matá-los”, lembra.

“Intelectualmente, não queria aceitar Jesus, mas Jesus começou a fazer um trabalho no meu coração”, testemunha. A jovem chegou a um ponto em que não conseguiu mais resistir ao amor de Jesus e decidiu entregar sua vida a ele.

Na adolescência, Chaima tentou se matar três vezes. “Eu estava usando drogas, fumando… Eu só queria me destruir”, revela.

Porém, a descoberta de um sentido para sua vida não teve o resultado esperado. Quando ela disse à sua família que ela agora era uma cristã, eles a rejeitaram. Durante meses ela ficou sozinha em seu quarto pois ninguém em sua casa queria falar mais com ela.

Foi então que ela passou a ler muito a Bíblia. “Jesus estava lá comigo. Ele estava me encorajando. O Espírito Santo estava realmente lá. Eu senti isso, eu sabia disso”, comemora. :: LEIA MAIS »

Apocalipse, da Record quer alertar o mundo sobre volta de Jesus

“Prepare-se para o início do fim”, diz a chamada que anuncia a estreia de “Apocalipse”, a nova novela da Record TV. A trama que estreia nesta terça (21) às 20h30 irá misturar relatos bíblicos e ficção para alertar o mundo, entre outras coisas, sobre volta de Jesus.

Recheada de efeitos especiais, fazendo um paralelo com a revelação de João no primeiro século e os dias atuais, o folhetim deverá gerar debates. Mas esse é um dos seus objetivos declarados. “Vamos trazer polêmica. Já vivemos os sinais do apocalipse hoje e é incrível ver que isso foi previsto há mais de dois mil anos”, destaca a autora Vivian de Oliveira, que fez sucesso quando escreveu “Os Dez Mandamentos” (2015).

A história contada pela novela se passa em quatro países: Brasil, Itália, Estados Unidos e Israel. A autora explica a opção: “Quis mostrar que o apocalipse vai acontecer em todo o mundo. Roma é mais ligada às tradições; Israel é muito retratada na Bíblia, o Oriente Médio tem vários conflitos. Nova York vem pelo fato de ser centro financeiro pulsante, além, claro, do nosso Rio”.

Programada para ter 170 capítulos, promete oferecer efeitos especiais inéditos em produções brasileiras. Ela será contada em três fases. No centro, as histórias de Zoe (Juliana Knust), Benjamin (Igor Rickli) e Ricardo (Sergio Marone). Enquanto os dois primeiros são os “mocinhos” e viverão um romance, Marone será o vilão: o Anticristo.

Coletiva de Imprensa - Apocalipse
Na tarde desta quinta-feira (16), aconteceu no Rio de Janeiro a coletiva de imprensa para a divulgação da novela Apocalipse. O evento reuniu elenco, diretores e jornalistas para o lançamento da superprodução da Record TV que estreia na terça-feira (21)
Foto: Wallace Barbosa/AgNews

De acordo com a Folha de SP, entre os temas abordados estão os sinais do fim dos tempos, a apostasia da igreja e a volta de Cristo. As cenas do arrebatamento prometem ser um dos pontos altos da narrativa. Cerca de metade da trama se passará durante a Grande Tribulação. :: LEIA MAIS »

Netflix produzirá série “Messias”, que mostra um Jesus moderno

A Netflix anunciou o início da produção da série “Messias”, um drama sobre a vida de Jesus produzida por Mark Burnett e Roma Downey, a mesma dupla responsável pelo sucesso mundial “A Bíblia”.  O roteiro ficará a cargo de Michael Petroni (de “Milagres”).

De acordo com o material divulgado à imprensa, os 10 episódios de Messias falarão sobre “o encontro entre religião, fé e política”. A produção quer mostrar como seria a reação do mundo do século 21 a um homem que surge no Oriente Médio e logo atrai uma multidão de seguidores.

A história será contada a partir de múltiplos pontos de vista, incluindo um jovem agente da CIA, um oficial israelita da agência de serviço secreto Shin Bet, um pastor latino e sua filha texana, um refugiado palestino e, obviamente, pela mídia.

Petroni, diz que seu roteiro pretende mostrar uma série multicultural “que nos desafia a examinar o que acreditamos e o porquê”.

Downey e Burnett, um dos poucos casais cristãos de sucesso em Hollywood, acreditam que “Messias” poderá mudará a maneira com as pessoas não religiosas veem Jesus. “Trata-se de uma série que provocará no público grandes questionamentos. E se alguém aparecer em 2018 em meio a ocorrências estranhas e começa a ser chamado de Messias? O que a sociedade faria? Como a mídia o cobriria? Bilhões de pessoas simplesmente desistiram do seu trabalho para segui-lo? Ele causaria um colapso nos governos?”, o casal perguntou durante entrevista recente.

A produção começa em breve e “Messias” deve ser lançado em 2019. Com informaçõesChristian Post

Pastor vence câncer louvando a Deus

Mesmo diante do diagnóstico de câncer na língua, o pastor Jason David, de San Diego, Califórnia, não perdeu a fé em Deus. Desenganado pelos médicos, que afirmaram que ele não voltaria a falar e nem a cantar, sua resposta foi compor uma canção de louvor.

Surgiu então “These Walls” [Estes Muros], cujo vídeo viralizou no Facebook e tem ajudado a encorajar milhões de pessoas em todo o mundo. Durante boa parte de 2016, Jason ficou hospitalizado e em um severo tratamento.

Confinado a uma cama, ele conta que chegou a pedir para morrer. “Foi devastador”, lembra, “os médicos me disseram que eu poderia piorar, mas eu não sabia se iria aguentar”. Eu pensava: “se viver dói tanto, não quero mais viver”.

O pastor relata que ele já tinha começado a escrever a música, mas durante o tratamento acrescentou frases como “mesmo no sofrimento eu vou te louvar”. Após ter voltado para casa, depois de um período de recuperação ele a cantou pela primeira vez na sua igreja, a Bonita Valley Community.

Após ser postada online, teve mais de 5 milhões de visualizações somente no Facebook. Também se espalhou pelo Youtube. Acabou sendo traduzida para 12 idiomas e é cantada em igrejas de pelo menos 25 países.

Até hoje ele recebe e-mails de pessoas contando como aquela canção os ajudou a enfrentar seus próprios problemas. “Há quem tenha deixado de cantar, de dançar ou de tocar por causa de uma doença ou um acidente”, destaca.

Lendo todos esses testemunhos, ele decidiu lançar agora um vídeo clip de “These Walls” com cenas que remetem a todos os testemunhos que ele recebeu. Também está lançando comercialmente no iTunes e em CD.

Jason voltou a pregar e a cantar. Ele agora espera que seu testemunho de superação chegue a um número maior de pessoas ainda. Com informações NBC

Estado Islâmico anuncia que cristãos terão um “Natal sangrento”

Após as sucessivas derrotas que pôs fim ao califado do Estado Islâmico no Oriente Médio, os jihadistas voltam suas energias para a realização de atentados em várias partes do mundo em nome do grupo.

Eles divulgaram na internet um cartaz que promete aos cristãos um “Natal sangrento”. A imagem mostra um homem em carro próximo ao Vaticano com uma arma e uma mochila. No espelho retrovisor, um rosto mascarado. O aviso, em inglês, diz: “aguardem” e a figura da Basílica de São Pedro, onde o papa Francisco realiza missas públicas deixa claro que o alvo escolhido remete a um símbolo do cristianismo

Não é a primeira vez que os jihadistas do EI incentivaram ataques terroristas durante a semana do Natal. Em 2015 ocorreu um atentado em San Bernardino, EUA, e no ano passado um ataque com um caminhão em Berlim deixou 12 pessoas e feriu outros 56.

As agências de segurança internacionais têm alertado que, com o fim do califado, milhares se jihaditas que lutavam na Síria e no Iraque estão voltando para suas casas na Europa. Os ataques do tipo “lobo solitário” têm se multiplicado sendo que, na maioria dos casos, fica evidenciado que os terroristas tinham algum tipo de contato com o Estado Islâmico.

Em agosto, os jihadistas publicaram um vídeo falando de um ataque ao Vaticano, que embora seja um país, geograficamente fica em Roma. “Lembrem-se disso, infiéis, nós vamos estar em Roma, se Allah quiser”, brada um soldado que se identifica como Abu Jindal. Em seguida, o grupo põe fogo em uma igreja. “Depois de todos os esforços, a religião dos cruzados é que será destruída”, diz o narrador. Com informações The Blaze



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia