WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

ebook gestao financeira


maio 2022
D S T Q Q S S
« abr    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  


:: ‘missões’

Cristãos em Camarões são forçados a fechar e deslocar igrejas

No Oeste Africano, muitos cristãos fogem para as montanhas por causa dos ataques do Boko Haram

No Oeste Africano, muitos cristãos fogem para as montanhas por causa dos ataques do Boko Haram


No dia 1º de maio, cristãos no Norte de Camarões pararam as atividades eclesiásticas de suas vilas. Eles vivem perto da fronteira com a Nigéria e se sentem inseguros por causa dos frequentes ataques dos militantes do Boko Haram.
Muitos foram para as montanhas no meio da noite, buscando proteção para dormir, pois temiam os ataques noturnos nas vilas. Alguns cristãos ficaram tão assustados que empacotaram seus pertences e partiram definitivamente.
“Nós paramos as atividades da igreja porque os terroristas do Boko Haram tornaram a vida impossível. Se eles vêm, eles matam as pessoas. Então, nós decidimos fazer as atividades da igreja em outro lugar. Por favor, ore por nós”, diz um ancião da igreja.
Militantes do Boko Haram mataram muitas pessoas e obrigaram outras a deixarem suas casas no Nordeste da Nigeria. Camarões e outros países também convivem com os ataques desse grupo. Em 2021, a Portas Abertas socorreu milhares de cristãos no Norte de Camarões com ajuda emergencial.  

A igreja sob ataque no Oeste Africano 
No dia 12 de junho, o Oeste Africano será o foco do Domingo da Igreja Perseguida (DIP). É um dia em que cristãos de todo o Brasil clamam ao Senhor pelos cristãos perseguidos. 

O Oeste Africano será o foco do DIP 2022 porque, sob ataque de grupos extremistas como Estado Islâmico e Boko Haram, os irmãos dessa região têm enfrentado grandes desafios para viver e permanecer em Cristo.
Domingo da Igreja Perseguida 2022 

Falta apenas um mês para o DIP, então não perca tempo e inscreva sua igreja. Ao se cadastrar como organizador do DIP, você terá acesso aos materiais para realizar o evento. Prepare sua igreja para interceder pelos irmãos perseguidos no Oeste Africano no dia 12 de junho de 2022.

Pedidos de oração

  • Ore pelos irmãos e irmãs perseguidos em Camarões e em todo o Oeste Africano, para que possam prestar culto em paz e segurança. 
  • Interceda pelos que fugiram e estão se deslocando internamente para sobreviver. 
  • Agradeça pela fé em Jesus que alcançou corações em Camarões e pelo sustento que Deus tem garantido mesmo em meio a tanta insegurança. 
  • Peça ao Senhor que alcance e converta os corações dos que têm perseguido a igreja.

Fonte: Portas Abertas

Cristãs iranianas são presas na Páscoa

Uma das cristãs que se entregou é recém-casada e já tinha sido presa anteriormente com o então noivo

Uma das cristãs que se entregou é recém-casada e já tinha sido presa anteriormente com o então noivo


No domingo de Páscoa, 17 de abril, Sakine (Mehri) Behjati e Fariba Dalir se entregaram para as autoridades na prisão de Evin, Irã. Ambas estão cumprindo a sentença de dois anos de prisão por causas parecidas.
Mehri, Fariba e outras cristãs já tinham sido presas anteriormente, em fevereiro de 2020, por participarem de uma igreja doméstica em Rasht, no Irã. Em agosto, elas foram sentenciadas mais uma vez por “agir contra a segurança nacional, se reunir em igrejas domésticas e espalhar o cristianismo sionista”. O apelo de liberdade delas foi negado em setembro de 2020.
Em 2021, Fariba estava noiva de Sourush e ambos foram presos juntos. Outros quatro cristãos foram detidos com eles: dois adultos, uma jovem de 17 anos e uma última pessoa cuja situação é desconhecida até agora. Depois de dez dias na solitária sob interrogatório, a jovem foi liberada. No fim, apenas Fariba cumpriu a sentença de dois anos por ser parte da liderança da igreja doméstica. Sourush e ela se casaram enquanto aguardavam as decisões da justiça sobre as penas no ano passado e ficarão separados mais uma vez, com a nova sentença que Fariba recebeu em 2022 na prisão de Evin.
Já Mehri, após se entregar, foi transferida para a prisão de Lakan, em sua cidade natal, assim ela pode ficar perto do filho mais novo. Ela conseguiu permissão para ficar seis semanas em casa para comemorar o Ano Novo iraniano com sua família. 
Outros cristãos foram presos no mesmo período, entre eles Hadi (Moslem) Rahimi, sobrinha de Mehri, e um casal. Eles não conseguiram pagar a fiança de 500 milhões de tomans (aproximadamente 30.000 dólares). 
Moslem tinha deixado a filha de nove meses para cumprir os quatro anos de prisão em janeiro de 2022 na prisão de Evin, mas um amigo a ajudou pagando a fiança. Ela e o casal saíram da prisão uma semana depois com o valor da fiança reduzido. Mehri e sua sobrinha, Moslem, pediram à Suprema Corte a revisão do processo, mas as solicitações foram rejeitadas por nove juízes em fevereiro. 

Apoie o treinamento de líderes para a igreja no Irã 

Com uma doação, você pode participar da formação de líderes locais que apoiam e preparam os cristãos perseguidos no Irã, além de compartilhar com outros os ensinos que recebem. Esses cursos acontecem de maneira remota por motivos de segurança e são essenciais para fortalecer os irmãos que vivem sob grande pressão, com difícil acesso aos materiais relacionados às Escrituras. 

Fonte: Portas Abertas

Cristã perde marido, mas é sustentada por Deus na Nigéria

Cecelia e Sele são gratos pelo apoio da família na fé após a morte do marido na Nigéria

Cecelia e Sele são gratos pelo apoio da família na fé após a morte do marido na Nigéria


Hoje é o Dia das Mães e a Portas Abertas deseja que todas sejam abençoadas por Deus com sabedoria, ânimo e amor. Por isso, compartilhamos agora um testemunho de uma mãe cristã na Nigéria e seus desafios em criar os filhos nos caminhos do Senhor.

Cecelia viu o sonho de ter uma família feliz ruir quando o marido Solomon foi assassinado em 2011 na cidade onde mora. “Meu marido morreu em um domingo. De manhã, ele foi ao mercado. O primo dele tinha falecido e eu estava preparando comida para levar à família enlutada”, conta a cristã.

Cecelia e os filhos estavam esperando na casa do primo de Solomon quando aconteceu um ataque contra os cristãos na cidade: “Nós começamos a ouvir tiros em todos os lugares. Tinha muita fumaça também. Na última  ligação que tivemos, Solomom disse-me para voltar para casa e cuidar das crianças. Ele me disse que tudo na cidade estava em chamas, mas eu deveria ficar calma. Meu coração estava preocupado, eu me sentei e tentei ligar para ele várias vezes, mas o telefone não estava conectando”.

No dia seguinte, Cecelia e os familiares souberam que o marido e pai estava morto, e que o corpo fora levado para um hospital próximo. Mas quando a cristã chegou ao local, foi informada por um médico que os restos mortais de Solomon não estavam mais lá, ela saiu carregando apenas com a blusa do marido e voltou para casa.

Naquela tarde, uma pessoa chegou com uma pá para enterrar o líder da família e Cecelia começou a gritar e clamar pela perda do companheiro. “Quando meu marido estava vivo, nós vivíamos pacificamente. Ele era um agricultor e provia todas as nossas necessidades”, testemunha. De acordo com a cultura local, a viúva tornou-se inferior porque não tinha mais um esposo para cuidar dela e dos filhos.

Firme em Cristo apesar da tempestade

Cecelia não tinha escolha, assumiu a responsabilidade de sustentar os filhos e agora eles precisavam ajudá-la no cultivo da terra. Porém, a renda familiar não foi suficiente para arcar com as despesas escolares dos filhos. Logo, o futuro deles era continuar trabalhando nas poucas terras que tinham, marginalizados tanto econômica como socialmente. Mas Deus tinha um plano maior para a família.

A Portas Abertas conheceu o testemunho de Cecelia e seus filhos e graças aos parceiros espalhados pelo mundo conseguiu ajudá-los. “Eu agradeço a Deus pela Portas Abertas. Vocês sempre me visitam e me apoiam com as despesas da escola”, conclui.

A cristã e os filhos sonham com uma vida melhor e trabalham para que sejam testemunhos vivos do amor de Deus na Nigéria, apesar da violência que só aumenta no país. O motivo de tanta esperança ela revela: “Eu decidi me agarrar a Jesus”.

Fonte: Portas Abertas

Pastor Yousef Nadarkhani é preso pela quarta vez no Irã

O pastor Nadarkhani foi condenado no Irã por plantar igrejas domésticas e promover o cristianismo (Foto: Article 18)

O pastor Nadarkhani foi condenado no Irã por plantar igrejas domésticas e promover o cristianismo (Foto: Article 18)


O pastor Yousef Nadarkhani foi preso novamente e está na prisão de Evin, na capital Teerã, após curto período de liberdade em casa. Ele já tinha sido sentenciado à morte por apostasia e, desde julho de 2018, está cumprindo a pena de dez anos de prisão; posteriormente, a pena foi reduzida para seis anos de reclusão. A acusação contra ele é de “agir contra a segurança nacional ao plantar igrejas domésticas e promover o cristianismo sionista”.  

No último dia 15 de abril, o pastor teve a oportunidade de sair da prisão pela primeira vez. Mesmo após pagar fiança de 300 milhões de tomans (aproximadamente 11.500 dólares), sua licença foi adiada em sete dias. Os filhos do pastor Nadarkhani não têm acesso à escola enquanto o pai está preso e um deles foi agredido por um agente que prendeu o pai, há quatro anos.
A Comissão Internacional pela Liberdade Religiosa dos Estados Unidos (USCIRF) recomendou que o Irã continuasse na lista de “Países de Particular Preocupação” por “sistemáticas, ativas e graves violações à liberdade de religião”. A Comissão apoiou a breve licença do pastor Yousef, mas insiste em sua completa e permanente liberdade.
Nadine Maenza, membro da USCIRF, disse: “A licença do pastor Nadarkhani, que esteve preso e doente, é um gesto amistoso bem-vindo e aguardado há muitos anos. Contudo, pedimos ao Irã que liberte definitivamente o pastor Yousef e todos os outros que foram presos por causa da fé”.

O pastor e outros quatro cristãos presos foram contaminados em um surto de COVID-19 na prisão em fevereiro. Nesse período, Yousef disse que só aceitaria a licença temporária da prisão se os cristãos presos com ele saíssem também, mas esse pedido foi negado.

Ele teve a chance de voltar para casa e passou duas semanas em Rasht com sua esposa, Tina, e os filhos, Danial e Youeil. Mas logo foi detido e os deixou mais uma vez. Apesar dos pedidos das entidades que defendem a liberdade religiosa, ele continua preso.

A prisão é arbitrária pois não tem base legal, limita os direitos civis, não permitiu um julgamento justo e é baseada em discriminação por crença. Além disso, a USCIRF afirma que as alegações contra o pastor são falsas e que ele foi agredido fisicamente. 

Ajude cristãos presos 

Você pode apoiar os cristãos que estão presos por causa da fé em Jesus. Com sua doação, eles podem receber apoio jurídico e saber que não estão sozinhos.

Pedidos de oração 

  • Clame para que o pastor Yousef Nadarkhani e os cristãos que estão presos com ele sejam libertos definitivamente. 
  • Peça a Deus que mantenha firme a fé de Yousef e outros irmãos perseguidos e os proteja em Cristo. 
  • Interceda pela família do pastor e pelos seus filhos, para que possam voltar a estudar.

Afeganistão é um dos maiores violadores da liberdade religiosa no mundo


Com a ascensão do Talibã, o Afeganistão ultrapassou a Coreia do Norte na Lista Mundial da Perseguição 2022

Com a ascensão do Talibã, o Afeganistão ultrapassou a Coreia do Norte na Lista Mundial da Perseguição 2022

Anualmente, um relatório sobre o estado da liberdade religiosa internacional é publicado pela Comissão Internacional dos Estados Unidos para Liberdade Religiosa (USCIRF, da sigla em inglês), um corpo de aconselhamento do Departamento de Estado e do Congresso americano.

Em seu relatório de 2022, lançado em 25 de abril, a USCIRF disse que os direitos humanos foram os mais afetados no Afeganistão após o retorno do Talibã ao poder em 2021, especialmente para as minorias religiosas. Segundo o relatório, elas “enfrentaram assédios, detenções e até mesmo a morte por causa da fé e crenças”. Os cristãos de origem muçulmana têm sido forçados a praticar a fé escondidos por causa do medo da repressão e das ameaças do Talibã.

A situação regrediu tanto que o país deve ser novamente incluído na lista de “Países de Particular Preocupação” descritos como engajados em “sistemática, ativa e ofensivas violações da liberdade religiosa”, disse a USCIRF. A comissão também recomenda que o Talibã deveria ser redesignado como uma “entidade de preocupação particular”. Se o governo norte-americano decidir seguir esse conselho, a designação dá autoridade legal para impor sanções.
A última vez que a USCIRF advertiu o Departamento de Estado dos Estados Unidos para incluir o Afeganistão nessa lista de países foi em 2001, pouco antes de o Talibã ser expulso do poder. A recomendação está alinhada com a pesquisa da Lista Mundial da Perseguição 2022, que coloca o Afeganistão acima da Coreia do Norte, em primeiro lugar no ranking dos 50 países onde é mais difícil ser cristão.

Fonte: Portas Abertas

Muçulmanos proíbem classe de alfabetização em Bangladesh

Mulheres aprendem a ler e a escrever em Bangladesh, apesar da oposição dos líderes locais (foto representativa)

Mulheres aprendem a ler e a escrever em Bangladesh, apesar da oposição dos líderes locais (foto representativa)


Hoje é o Dia Mundial do Livro e do Direito do Autor, mas há milhões de pessoas no mundo que ainda não sabem ler. Por isso, a Portas Abertas atua também na alfabetização de adultos. Em Bangladesh, o projeto que capacita homens e mulheres a ler e a escrever teve um impacto significativo na vida dos alunos.

Em uma das classes, 15 pessoas se reúnem durante a noite para aprender o bengali. Apesar de cansados do dia de trabalho, os alunos demonstram prazer e entusiasmo durante as aulas. Mas em março de 2022, um grupo chefiado por líderes islâmicos decidiram impedir os vizinhos de frequentar o curso.

Todos os dias, os alunos são abordados pelos vizinhos, o que afetou a frequência nas aulas e tirou a paz de todos. Os aldeões visitaram a casa de cinco alunos e os ameaçaram para não comparecer mais à classe de alfabetização, pois aprender a ler e a escrever não seria bom para eles e poderia levá-los para o “caminho errado”.

Um dos alunos testemunhou a ameaça que recebeu: “Se você não nos ouvir e ainda for à aula, ficará isolado da sociedade. Você deverá deixar esta aldeia. Ninguém vai falar com você, e os aldeões não vão compartilhar nada com você”.

Até agora, cinco alunos pararam de frequentar as aulas e têm a vida monitorada pelos vizinhos. Um professor visitou alguns estudantes e soube que os líderes religiosos os pressionaram para não falar mais com a equipe de alfabetização.

De acordo com o professor, as ameaças afetam diretamente os alunos: “É muito difícil ignorar o comando das autoridades, pois os alunos são muito pobres e não podem lutar contra eles. O grupo pode fazer mal aos alunos se não seguirem suas ordens”.

A única saída para os alunos e parceiros da Portas Abertas é a intercessão. “Agora precisamos de oração para que Deus amoleça os corações dos aldeões e abra seus olhos para perceberem o valor e a importância da educação dessas pessoas desprivilegiadas”, pede o professor.

Pedidos de oração

  • Interceda pelos alunos da classe de alfabetização em Bangladesh, para que o Senhor os proteja e dê coragem para frequentar as aulas.
  • Clame para que os professores sejam guardados por Deus e consigam se posicionar de maneira sábia diante do grupo opositor.
  • Ore para que as pessoas e os líderes religiosos opositores sejam alcançados por Jesus e parem de ameaçar os aldeões que desejam aprender a ler e a escrever.

Fonte: Portas Abertas

Mulher encontra Jesus na prisão


Muçulmanas que encontram Jesus são perseguidas tanto pelos familiares como pela comunidade no Sudeste da Ásia (foto representativa)

Muçulmanas que encontram Jesus são perseguidas tanto pelos familiares como pela comunidade no Sudeste da Ásia (foto representativa)


Dhea (pseudônimo) cresceu em uma família muçulmana do Sudeste Asiático achando que o islamismo era a única fé que existia. Desde pequena ela queria agradar a Alá e por isso fazia tudo o que os líderes religiosos e o Alcorão mandavam.
Mas aos 15 anos, todo esforço para ser bem vista por Alá foi jogado fora, já que Dhea foi abusada sexualmente e ficou grávida. Na cultura local, ela foi considerada culpada por tudo o que aconteceu, pois engravidou de um homem influente da comunidade onde vivia.
Dhea foi penalizada com chicotadas e dois anos de prisão exilada em uma região distante no país. A jovem, que antes era admirada pela devoção ao islã, tornou-se vergonha tanto da família como da comunidade.

Os caminhos de Deus

A muçulmana contraiu malária enquanto estava presa e foi levada ao hospital. Lá  conheceu um cristão que estava de passagem pelo país. Quando voltou para a prisão, ela recebeu uma Bíblia dele. Naquele momento, ela sentiu muita raiva do remetente, pois se fosse pega com o livro sagrado do cristianismo seria castigada.
Então, decidiu queimar o presente, mas antes o leria para entender porque ele era considerado tão perigoso. Dhea foi impactada pelos versículos e passou a ler a Bíblia todos os dias. “Li coisas que nunca tinha ouvido antes — sobre um Deus que era amoroso e perdoador. Então, entendi que o Senhor Jesus é meu Salvador, meu Deus”, reconhece.
Quando Dhea cumpriu toda a pena, voltou para casa e logo contou sobre seu encontro com Jesus. Ela foi reprovada pelos pais e perdeu o direito à herança. Também foi questionada pelas autoridades locais e foi presa novamente.
A recém-convertida saiu da prisão e mudou de país para estudar e trabalhar, tudo com o apoio da família na fé. Hoje ela é apoiada pela Portas Abertas e tem um ministério de hospitalidade. “As pessoas podem vir aqui para receber ajuda de qualquer tipo, seja para uma infecção na garganta ou até para tratamentos de câncer. Eu abro minha casa para desconhecidos, ofereço comida de graça e eles sabem que sou uma seguidora de Jesus. Eu os trato como minha própria família”, explica.Socorra um cristão secreto

A Portas Abertas apoia Dhea e outros cristãos secretos no Sudeste Asiático. Mas há mais irmãos que precisam receber recursos para suprir as necessidades básicas, como moradia, alimentação e outros problemas materiais inesperados. Doe e fortaleça a família na fé.

Fonte: Portas Abertas

Quando Deus transforma lágrimas em riso

Rebekah perdeu familiares e teve queimaduras por todo o corpo

Rebekah perdeu familiares e teve queimaduras por todo o corpo

A morte de Jesus na cruz foi um grande golpe nas expectativas dos seus discípulos e seguidores que esperavam a vitória de Israel em relação ao Império Romano. Diante do sepulcro, Maria chorava tanto a perda do mestre como o aparente roubo do corpo dele. Porém, Jesus havia ressuscitado e estava presente naquele momento de luto e dor da cristã.

Diante de situações trágicas como o ataque de Páscoa no Sri Lanka em 2019, a dor de perder entes queridos e de ser vítima da violência cegam a esperança de se ter um futuro feliz. Sobrevivente do ataque, Rebekah sofreu queimaduras de terceiro grau em todo o corpo na explosão de uma das bombas. Além disso, perdeu a irmã, o cunhado e um sobrinho.

A professora de escola dominical passou por várias cirurgias para se restabelecer fisicamente, mas as cicatrizes emocionais estavam mais presentes do que nunca. Rebekah disse aos parceiros da Portas Abertas que ela não tinha paz de espírito nem para comemorar ocasiões como Natal e aniversários porque a dor de sua perda era muito grande. Assista ao vídeo abaixo, em que ela reconhece que foram as orações da igreja global que a sustentaram nesse tempo.

Surpresas de um pai amoroso

Por causa dos ferimentos, Rebekah evitou sair de casa por um longo tempo. Porém, ela decidiu continuar a viver e retornou ao ministério na Zion Church. “Sei que Deus faz tudo para o nosso bem. Tenho tanta paz no meu coração. Eu conheço Deus”, contou em outra visita.
Assim como Maria se alegrou quando percebeu que Cristo estava vivo e a morte já não tinha a última palavra, Rebekah também viu o Senhor transformar a vida que estava em cinzas em motivos de louvor e alegria.

Rebekah formou uma nova família e agora viverá com o esposo para a glória de Deus

A cristã casou-se recentemente e não escondeu a alegria de ver a ação de Deus, mesmo nos momentos de luto e dor. Rebekah expressou gratidão à família na fé pela oração constante e apoio. Muitos parceiros a apoiaram em oração e quando estenderam a mão às vítimas do ataque no Sri Lanka e mostraram que ela não estava sozinha.

Seja #UmComEles

Assim como Rebekah, há outros cristãos sobreviventes precisando de apoio no Sri Lanka. Seja um instrumento de Deus para que eles tenham esperança e a certeza de que o Senhor pode transformar histórias. Doe e socorra nossos irmãos do Sri Lanka.

Pedidos de oração

  • Louve ao Senhor pela ressurreição de Jesus. Adore-o porque ele é bom e tem prazer em cuidar daqueles que depositam a confiança nele.
  • Agradeça ao pai pelo restabelecimento e casamento de Rebekah. Que o casal viva em comunhão com o Senhor e seja abençoado por ele.
  • Ore para que as outras vítimas do mesmo atentando vejam Deus cuidando delas diariamente. Que sejam curadas e supridas em todas as necessidades.
  • Clame para que o Senhor guarde aos cristãos do Sri Lanka de todos os ataques em massa e que possam cultuar a Deus em paz.

Fonte: Portas Abertas

Ataques de extremistas fulani causam deslocamento em massa

O número de cristãos deslocados na Nigéria aumenta por consequência dos ataques de grupos extremistas

O número de cristãos deslocados na Nigéria aumenta por consequência dos ataques de grupos extremistas

Um vídeo de pessoas fugindo de um ataque ganhou destaque nas redes sociais. Alguns dizem que é de um incidente que aconteceu no estado de Níger, na Nigéria. Porém não há informações sobre o que causou o deslocamento das pessoas. Os parceiros locais da Portas Abertas confirmaram que situações como retratadas no vídeo são cada vez mais comuns no território número um em mortes de seguidores de Jesus.

Militantes fulani atacam centenas de vilarejos e isso colabora para que haja um deslocamento em massa. No final de março, um trem de passageiros foi interceptado no estado de Kaduna e uma pessoa foi morta. Dias depois, um segurança que patrulhava o aeroporto, que leva o mesmo nome do estado, também foi assassinado. Os guardas locais reagiram e o grupo de radicais foi disperso.

Dois dias depois, criminosos explodiram trilhos de trem no percurso entre a capital, Abuja, e a cidade de Kaduna. Eles começaram a atirar no trem, mataram oito pessoas, feriram 25 e 160 estão desaparecidas. Algumas foram sequestradas e as famílias contatadas para pagamento de resgate.
No estado de Zamfara, os jihadistas também são ativos e assassinaram o filho do comissário de Estado para Segurança, Ibrahim Mamman Tsafe. Já no estado de Plateau, homens armados atacaram uma comunidade durante um festival e mataram 10 pessoas. Há suspeita de que eram extremistas fulani interessados em terras férteis na área, apoiados por grupos radicais islâmicos.

Intercessão pela igreja na Nigéria

O líder da equipe dos parceiros da Portas Abertas na Nigéria compartilha: “Apelamos ao corpo de Cristo para orar fervorosamente pela segurança na Nigéria durante este ano pré-eleitoral. Embora cristãos e igrejas nem sempre sejam o alvo, isso afeta diretamente nosso trabalho e os cristãos nos estados do norte estão enfraquecidos em todos os aspectos.”

O colaborador completa: “Por favor, ore para que Deus estenda a mão e proteja os cristãos, líderes da igreja e comunidades nesses estados. Clame para que nosso trabalho fortaleça a Igreja Perseguida e seja frutífero, apesar de toda a insegurança. Interceda pela segurança de nossos parceiros e que o Senhor lhes dê sabedoria sobre como pastorear a igreja neste momento”.

Fonte: Portas Abertas

Cristãos são expulsos de vila no Laos

Cristãos costumam ser expulsos de comunidade quando são descobertos no Laos (foto representativa)

Cristãos costumam ser expulsos de comunidade quando são descobertos no Laos (foto representativa)

Deixar a fé animista para seguir a Jesus no Laos é uma decisão de coragem e que resultará em perseguição. Os cristãos Som*Saser* e Mihea* experimentaram isso desde que deixaram de fazer oferendas para os espíritos.

Som já tinha visto a perseguição acontecer no início de 2022, quando a filha dele conheceu Jesus por meio de um parceiro local da Portas Abertas. Quando a jovem voltou para a aldeia em que vivia, queimou os ídolos que tinha. Isso assustou a população e alguns vizinhos reportaram o fato ao chefe da aldeia. Ele e outros aldeões destruíram a casa da cristã e a expulsaram da vila.

Já Saser, de 18 anos, e Mihea, de 22, foram interrogados e agredidos tanto física como psicologicamente. Mihea também foi obrigado a assinar um documento, mas ele se recusou e por isso foi ameaçado de morte. Os policiais tentaram forçar violentamente as mãos de Mihea a assinar, mas ele se manteve firme na decisão de não aceitar o documento.

Quando foram liberados da sala de interrogatório, os dois amigos se encontraram e viram que ambos estavam machucados e não conseguiam se alimentar direito por causa dos ferimentos nos dedos. Som, Mihea e Saser foram expulsos da aldeia e agora estão abrigados em uma unidade habitacional na cidade.

Os cristãos sentem falta de casa e querem voltar a viver normalmente, mas não podem retornar porque os aldeões não permitem. Os funcionários do governo local disseram que vão tentar conversar e negociar para resolver o problema, mas até agora ainda não há sinais de progresso.

*Nomes alterados por segurança.

Pedidos de oração

  • Ore para que os líderes do governo tenham interesse em resolver a situação dos cristãos. Que sejam compassivos e permitam que eles retornem à aldeia.
  • Interceda para que Som, Mihea e Saser sejam supridos por Deus em todas as necessidades físicas, emocionais e espirituais.
  • Clame para que as pessoas que se opõem aos seguidores de Jesus encontrem o Salvador e tenham a vida mudada por ele.

Fonte: Portas Abertas

Como a guerra com a Ucrânia afeta os cristãos russos

Uma das dificuldades enfrentadas pelos cristãos russos é o ódio vindo de todas as partes do mundo por causa do conflito

Como tratamos anteriormente, os cristãos russos são contra o conflito iniciado pelo país contra a Ucrânia. Na segunda parte da entrevista da cristã russa Olya (pseudônimo) à Portas Abertas, ela explica as consequências do confronto para os cristãos que vivem em solo russo. Para ler a primeira parte da entrevista, clique aqui.

Uma questão que é muito difícil para nós, cristãos russos, é sentir o ódio vindo de todas as partes do mundo. Isso faz com que nos sintamos culpados, mesmo sabendo que não somos. Nós não pedimos por essa guerra, não a apoiamos e somos contra essa violência de todo o coração. Mas além das diversas restrições, precisamos lidar também com as sanções e o ódio. Vemos pessoas sofrendo e morrendo dos dois lados enquanto políticos fazem coisas más.

Alguns parentes próximos, uma família cristã que tem filhos jovens, estão muito estressados já que os filhos podem ser recrutados para o exército e enviados para a guerra nos próximos meses. Primeiro, eles se preocupam com os filhos, mas também não querem vê-los lutar contra seus irmãos, matando pessoas em seu próprio país nessa batalha sem sentido. :: LEIA MAIS »

Sri Lanka em estado de emergência

Mesmo com os cortes de energia elétrica, nossos parceiros locais continuaram os treinamentos no Sri Lanka usando lanternas recarregáveis

Mesmo com os cortes de energia elétrica, nossos parceiros locais continuaram os treinamentos no Sri Lanka usando lanternas recarregáveis

A Portas Abertas convoca o corpo de Cristo global a orar pelo Sri Lanka, pois o país está mergulhado em estado de emergência devido a uma crise econômica. A violência irrompeu entre cidadãos e autoridades locais devido a constantes cortes de energia, aumento dos preços do gás e escassez de alimentos. “O país está um caos total. Os cristãos não estão isentos dos efeitos da crise – pastores em nossa rede têm nos ligado pedindo ajuda para sobreviver”, diz Sunil (pseudônimo), um parceiro local da Portas Abertas.

No dia 1º de abril, o presidente do Sri Lanka declarou estado de emergência no país depois que pessoas tomaram as ruas que levavam à residência presidencial na noite anterior, 31 de março. O estado de emergência permite que as autoridades façam prisões sem mandados, revistem e apreendam propriedades, suspendam leis e emitam ordens que não podem ser questionadas em tribunal.

Com a hashtag #GoHomeGota inundando as plataformas de mídia social, a população exigia que o presidente do Sri Lanka, Gotabaya Rajapaksa, renunciasse ao cargo. “Os protestos estão atraindo multidões cada vez maiores. Longas filas para cilindros de gasolina tornaram-se uma visão comum e as pessoas estão lutando para sobreviver à medida que a inflação dispara. Os cortes diários de energia duraram até 13 horas por dia na semana passada, interrompendo a vida cotidiana das pessoas”, compartilha Sunil.

O que começou como um protesto logo se tornou violento quando a polícia retaliou lançando gás lacrimogêneo e disparando canhões de água contra as pessoas. Posteriormente, a polícia prendeu 54 manifestantes, alguns dos quais foram rotulados de “extremistas” pela mídia do presidente. Mas as pessoas, independentemente de etnia, religião e status socioeconômico, expressaram solidariedade aos manifestantes. Após as prisões, advogados compareceram à delegacia para prestar assistência jurídica gratuita.

Às 18h de sábado, 2 de abril, o presidente emitiu uma ordem exigindo um toque de recolher em toda a ilha até as 6h do dia 4 de abril (segunda-feira). No domingo (3), houve um apagão nas redes sociais. No entanto, isso não pôde impedir alguns dos protestos planejados. Enquanto o toque de recolher ainda estava em vigor, muitas pessoas saíram de casa em protesto pacífico.

:: LEIA MAIS »

“Quando adoramos, não fazemos barulho”, revela cristão secreto

Ruslan trabalha para fortalecer cristãos secretos no Centro e Sudeste da Ásia

Ruslan trabalha para fortalecer cristãos secretos no Centro e Sudeste da Ásia

Para muitos familiares de cristãos convertidos do islamismo, o evangelho é sinônimo de brigas na família. Por isso, muitos seguidores de Jesus culpam o cristianismo de acabar com a paz tanto dentro de casa como fora dela. Ruslan (pseudônimo) viu isso acontecer quando a irmã dele decidiu deixar o islã para servir a Cristo na Ásia Central.

A mãe de Ruslan perseguiu a filha severamente, até escreveu para um jornal local sobre a igreja frequentada e acusou a comunidade cristã de ser uma seita que estava tirando os filhos dela. Porém, ela teve um encontro com Jesus e, mais tarde, Ruslan também. Desde então, os familiares cortaram o relacionamento com eles.

Há 16 anos, Ruslan vive a fé em segredo e pastoreia outros cristãos secretos na região onde mora. Todo cuidado é pouco na hora de se reunir com os irmãos na fé. “Quando adoramos, não fazemos barulho e não batemos palmas para evitar chamar a atenção. Nós apenas sentamos juntos em uma mesa como se estivéssemos tomando chá”, testemunha. 

Caso o encontro seja descoberto, eles podem ser punidos tanto pela família, como pelas autoridades locais. Ruslan já recebeu ameaças para interromper o ministério e teve a casa frequentemente vandalizada. 

A Portas Abertas tomou conhecimento do ministério de Ruslan e o apoia há 13 anos. Em um dos vilarejos onde o líder cristão trabalha, os líderes religiosos muçulmanos descobriram que algumas pessoas decidiram seguir a Jesus. Então deram três ordens: as crianças cristãs não podiam mais frequentar a escola, era proibido que o gado dos cristãos comesse a mesma grama que o gado dos muçulmanos e os cristãos não deveriam receber água para irrigar as plantações.

Os cristãos foram socorridos com feno, água, máquinas de costura e outras ferramentas que os ajudariam a ter uma renda. Ruslan reconhece e agradece o apoio dos parceiros da Portas Abertas em todo mundo: “O que vocês fazem é essencial. Vocês não são pessoas comuns, mas uma resposta do Senhor. Sabemos que não estamos sozinhos, porque fazemos parte de uma grande família cristã”, afirma.  

Assim como Ruslan, outros cristãos secretos do Centro e Sudeste da Ásia precisam de apoio para arcar com despesas, como alimentação e moradia. Doe e mostre que nossos irmãos nãos estão sozinhos.

Fonte: Portas Abertas

 

Milhares de cristãos afegãos estão se escondendo do Talibã em seu país

Talibã no Afeganistão

Talibã no Afeganistão (Foto: Zabi Karimi/AP)

O escritório de Genebra da Aliança Evangélica Mundial (WEA), que representa 600 milhões de cristãos em todo o mundo, esteve presente na 49ª sessão do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas.

Por muito tempo o órgão tem trabalhado na questão da liberdade religiosa para as minorias religiosas. Ao abordar a situação do Afeganistão, o WEA alarmou juntamente com a Aliança Mundial Batista e a Campanha do Jubileu que “minorias religiosas no Afeganistão estão ameaçadas”

De acordo com os mesmos, milhares de afegãos que defendem a  cristã estão se escondendo no medo desde agosto do ano passado. Eles pediram ao Alto Comissariado para os Direitos Humanos para “acompanhar de perto” a situação ou as minorias religiosas.

“Recomendamos manter um forte pilar dos direitos humanos da Missão de Assistência das Nações Unidas para apoiar a Relatora Especial no monitoramento contínuo dos direitos humanos, especificamente das mulheres e dos direitos das minorias”, disseram.

Segundo Evangelical Focus, o representante do WEA, Markus Hofer, apelou aos governos para acelerar o processo de reassentamento de afegãos que evacuaram em direção aos Emirados Árabes Unidos.

Fonte: Gospel Prime

“Cristãos secretos foram mortos na Coreia do Norte”, diz Portas Abertas

Soldado da Coreia do Norte. (Foto: Reprodução/Portas Abertas)

A organização Portas Abertas, que monitora a perseguição contra cristãos no mundo, informou que houve uma varredura contra cristãos secretos em uma área da Coreia do Norte, segundo informações repassadas por fontes no país comunista.

Ainda segundo a organização, dezenas de cristãos secretos estavam reunidos e, quando iam começar o culto, guardas comunistas invadiram o local e todos foram presos e executados.

Além disso, junto com os cristãos capturados, familiares deles foram levados e enviados para campos de concentração, somando mais de 100 pessoas, onde serão tratados como animais, torturados e forçados a trabalhos em condições subhumanas.

A perseguição contra atividades religiosas se intensificou com a promulgação da “Lei do Pensamento Anti-Reacionário”, tornando ainda mais difícil para os cristãos e líderes da igreja clandestina manterem seus cultos e reuniões de oração.

Em uma carta, um cristão norte-coreano que é gratificante saber que Deus tem derramado sua paz e alegria para aqueles que andam na sombra da morte. Ele também diz que é preciso manter suas vidas voltadas para o Reino de Deus.

A Coreia do Norte ocupa a segunda colocação na Lista Mundial de Perseguição da Portas Abertas, que classifica os 50 países em que os cristãos são mais perseguidos.

O regime de Kim Jong-Un tem sido implacável na perseguição religiosa, prendendo, torturando e matando cristãos no país, que é um dos mais fechados do mundo.

Cristãs enfrentam pressão dentro de igrejas no Norte da África

Os princípios da cultura islâmica influenciam na pressão que algumas cristãs enfrentam dentro de igrejas

Os princípios da cultura islâmica influenciam na pressão que algumas cristãs enfrentam dentro de igrejas


Ter um encontro com Jesus não significa que a pessoa será transformada na mesma hora milagrosamente. Ainda há valores e princípios enraizados nela que precisam ser trabalhados por Deus. Nélya (pseudônimo) viaja por um país no Norte da África ajudando mulheres cristãs a descobrirem a nova identidade que receberam em Jesus, e a agirem conforme os fundamentos do Reino de Deus.

Isso não tem a ver com usos e costumes, mas com doutrinas bíblicas de como deve ser uma discípula de Cristo. “As mulheres nas áreas rurais enfrentam mais dificuldades. É muito difícil para elas serem ouvidas. Nas cidades, elas já assumem responsabilidades em algumas igrejas”, explica a líder cristã. 

Outro ponto é que as mulheres solteiras são vistas como incompletas e com menos valor do que as casadas dentro de igrejas, assim como na cultura islâmica. “Senti a pressão para me casar também na minha igreja. O sentimento era de que eu precisava me casar senão arruinaria minha vida”, conta a cristã. 
O resultado dessa pressão é que muitas cristãs entram em casamentos fadados ao divórcio para receber aprovação dos irmãos na fé e da sociedade. Há casos em que as mulheres não encontram um marido dentro da comunidade cristã e terminam por se casar com muçulmanos. Nesses casos, “será muito difícil para ela manter a fé. Algumas continuarão a seguir Jesus em segredo. Só em casos muito raros o marido se converte a Jesus também”, explica Nélya. 
Desafios dentro da igreja

A expectativa sobre as mulheres no Norte da África é alta. Elas devem ser esposas obedientes aos maridos e mãe perfeitas, porém, se algo deixar o cônjuge aborrecido, a cristã deverá ser castigada fisicamente. “Mesmo como cristãs, as mulheres sentem que os homens têm o direito de bater nelas quando não agradam ao marido”, lamenta Nélya.
Por isso, a Portas Abertas, por meio de Nélya e outros líderes cristãos, faz um trabalho de conscientização do papel bíblico da mulher, tanto para homens quanto para mulheres. O objetivo é reverter essas concepções erradas dentro da igreja. “Eu diria que as mulheres recebem pelo menos um pouco mais de valor na igreja do que fora dela. Estamos remodelando a forma como as mulheres são vistas. Agora você vê mulheres em posições de liderança. Mas também vê diferença nos casamentos e no ensino da igreja — eles ensinam respeito pelas mulheres”, completa.

Fonte: Portas Abertas

Tribunal ordena demolição de igreja no Sudão

Comitê instalado pelo governo tentou assumir o controle das propriedades da igreja

 

Um tribunal no Sudão ordenou a demolição de parte de uma igreja cristã perto da capital do país, Cartum. O tribunal de Cartum Bahri decidiu, no dia 15 de fevereiro, que parte de uma igreja pertencente à Igreja Evangélica Presbiteriana do Sudão (SPEC, da sigla em inglês) deveria ser derrubada, resultando no fechamento do edifício. 

Um tribunal no Sudão ordenou a demolição de parte de uma igreja cristã perto da capital do país, Cartum. O tribunal de Cartum Bahri decidiu, no dia 15 de fevereiro, que parte de uma igreja pertencente à Igreja Evangélica Presbiteriana do Sudão (SPEC, da sigla em inglês) deveria ser derrubada, resultando no fechamento do edifício. 

Esse é o resultado de uma disputa de longa data entre a igreja de Cartum Bahri e as autoridades. A disputa começou em 2013, quando um comitê instalado pelo governo tentou assumir o controle das propriedades da igreja.  

O ex-presidente do Sudão, Omar al-Bashir, usou comitês para assumir a administração das igrejas, interferir em sua administração e vender suas propriedades. Embora ainda existisse esperança de que a situação mudasse após o golpe de Estado de 2019, que destituiu Bashir e o substituiu por um governo de transição, as mudanças foram lentas e aqueles que se posicionavam contra injustiças enfrentaram uma forte oposição.  

Atitudes sociais são contrárias aos cristãos 

Desde o golpe de 2019, a situação dos cristãos sudaneses teve algumas mudanças, já que o governo mudou a política de considerar os cristãos inimigos e agentes do Ocidente. No entanto, existem questões sistemáticas que afetam os cristãos. Primeiro, embora a política governamental tenha mudado, as atitudes sociais em relação aos seguidores de Jesus não mudaram, especialmente fora da capital Cartum.

Em julho de 2021, um conselheiro cristão do ministro de Assuntos Religiosos do Sudão foi atacado por questionar sobre a necessidade de o governo abordar questões decorrentes de propriedades confiscadas da igreja, comitês falsos e controle dos ativos da Igreja Evangélica Presbiteriana do Sudão 

Desde então, um golpe militar em outubro parece ter revertido qualquer progresso feito, e as igrejas novamente enfrentam interferências. No final de dezembro de 2021, grupos ocuparam e apreenderam duas igrejas pertencentes à SPEC nos estados de Nilo Branco e Cordofão do Sul. Um líder da igreja que protestou está enfrentando acusações criminais.  

O Sudão ocupa a 13ª posição na Lista Mundial da Perseguição 2022, lá, igrejas foram incendiadas e cristãos foram vítimas de violência física no último ano. No país, os cristãos que vivem fora da capital, Cartum, estão em maior risco. Mas toda a sociedade sudanesa ainda se opõe amplamente às expressões públicas do cristianismo.

Fonte: Portas Abertas



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia