WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

ebook gestao financeira


janeiro 2022
D S T Q Q S S
« dez   fev »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  


:: 14/jan/2022 . 9:19

Quais países já ocuparam o 1º lugar na Lista Mundial da Perseguição

A Lista Mundial da Perseguição 2022 será lançada no dia 19 de janeiro

A Lista Mundial da Perseguição 2022 será lançada no dia 19 de janeiro

Desde 1992, a Portas Abertas coleta dados e informações sobre a Igreja Perseguida. Em 1993, foi publicada a primeira Lista Mundial da Perseguição (LMP). Qualquer hostilidade recebida por causa da fé em Jesus, seja ela por meio de palavras, atitudes ou ações é considerada perseguição. Atualmente, mais de 340 milhões de cristãos são perseguidos no mundo.

O primeiro país que ocupou a primeira posição como a nação que mais persegue os seguidores de Jesus foi a Arábia Saudita, na LMP 1993. O país ficou sete vezes no topo da lista que mede a perseguição aos cristãos. Em 1993, o Afeganistão estava em 2º lugar e nunca saiu da LMP desde a primeira edição. Em duas edições da LMP, a Somália também ocupou a primeira posição. Outro país que sempre esteve presente no ranking é a Coreia do Norte, que ficou em 6º lugar na primeira lista publicada, mas desde 2002 é a nação mais perigosa para os cristãos viverem.

Qualquer cristão em qualquer lugar da Coreia do Norte é extremamente vulnerável à perseguição. Os norte-coreanos são obrigados a adorar e obedecer cegamente às ordens da família Kim, que lidera o país. O controle das autoridades no país vai além das fronteiras. Agentes secretos na China têm a tarefa de encontrar e deportar cristãos norte-coreanos que fugiram do país.  

Na Coreia do Norte, todos ficam sob o controle extremo do governo, até mesmo o emprego é definido pelas autoridades do país. E qualquer pessoa que tenha ligação cristã na árvore genealógica é impedida de ter promoções de cargo. É estimado que cerca de 30% dos cristãos presos em campos de trabalho forçado pela fé são mulheres. É comum elas passarem por violência sexual e estupro durante interrogatório, o mesmo pode acontecer enquanto estão na prisão. Mesmo fora da prisão, o abuso sexual é normalizado.   :: LEIA MAIS »



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia