WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

ebook gestao financeira


outubro 2020
D S T Q Q S S
« set   nov »
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031


:: 14/out/2020 . 9:25

O impacto de um curso pós-trauma para iraquianos

Décadas de guerra e conflito deixaram os cristãos iraquianos com cicatrizes profundas. Por esse motivo, o professor Juwaid* se reúne com líderes religiosos, profissionais da saúde e assistentes sociais a fim de compartilharem o que enfrentam no trabalho diário com os traumatizados. A variedade de contextos e experiências torna a conversa rica.

Juwaid, um psicólogo que fugiu da Síria, está feliz com o entusiasmo dos participantes. “É importante desenvolver a saúde mental e serviços de apoio psicossocial nesse país destruído pela guerra. Há muita necessidade, mas são poucos os profissionais. É por isso que devemos treinar líderes para ajudar a completar os espaços”, disse.

Durante a palestra, Juwaid fala sobre como sobreviventes do conflito possuem alto risco de estresse psicológico e condições que afetam a saúde mental. Muitos cristãos iraquianos testemunharam violência e crimes durante a fuga e vivem com grande incerteza sob condições de pobreza nos campos. Eles também enfrentaram a perda de pessoas e bens materiais. Todas essas condições podem causar traumas.

Mais que uma dor física
Embora haja muito trauma entre os iraquianos, há pouca conscientização. Miray, de 27 anos, é uma das participantes que trabalha no hospital de Qaraqosh como assistente de médico. “Eu vejo muitas pessoas sofrendo de problemas psicológicos e emocionais em vez de doenças físicas. Muitos de nossos pacientes não reconhecem o próprio problema psicossocial, mas percebem uma dor no corpo e vêm por causa dos remédios.”

“O que esses pacientes realmente precisam é de terapia, mas terapeutas são escassos no Iraque”, explica Miray, que também é deslocada de Mossul. Por isso, ela começou um programa de ensino de seis meses. Isso inclui quatro semanas de lições, supervisão do trabalho e sessões de consulta para universitários e seus colegas. Ela não é terapeuta, mas pelo menos pode prover cuidados básico para amigos e familiares.

Mesmo não estando no final do curso, Miray já pode ver os frutos: “Muitas pessoas pedem conselhos e que as ouça. Elas gradualmente confiam em mim e me falam sobre as dificuldades e do estresse que enfrentam. Por causa do curso, sei o que estou fazendo. Eu tento me ater às diretrizes que aprendi para ajudar essas pessoas efetivamente”.

Quer conhecer mais a realidade de deslocados no Iraque? Assista ao vídeo abaixo e conheça a história de Dalia.

“Ao lidar com as histórias dos outros, é importante não esquecer de si mesmo. Nós enfatizamos o autocuidado para construir a resiliência dos participantes e sua capacidade de lidar com estresse no trabalho. Isso os ajudará em seu próprio bem-estar e os exercícios os permitem experimentar o que pode ser útil para aqueles a quem servem”, disse Juwaid. :: LEIA MAIS »



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia