WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

ebook gestao financeira


dezembro 2019
D S T Q Q S S
« nov   jan »
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  


:: dez/2019

Estado Islâmico alega ter matado 11 cristãos no Natal

Grupo extremista alega ter matado grupo de cristãos durante as comemorações de Natal

Grupo extremista alega ter matado grupo de cristãos durante as comemorações de Natal

Uma equipe de campo informou que o Estado Islâmico na Nigéria alegou ter matado 11 cristãos durante o feriado do Natal. A Amaq, agência de notícias do Estado Islâmico, divulgou um vídeo de 56 segundos que mostra mortes violentas. O Estado Islâmico aparentemente deu duas razões para a execução: vingança pela morte dos líderes, Abu Bakr al-Baghdadi, no Iraque, e Abul-Hasam al-Muhajir, na Síria; e a falha do governo em aceitar uma troca de prisioneiros, os cativos em troca de membros do Boko Haram sob custódia do governo.

As vítimas apareceram em um vídeo no começo do mês pedindo a ajuda do governo e da Associação Cristã da Nigéria para que garantissem sua libertação. Embora no vídeo o Estado Islâmico declare que todas as vítimas eram cristãs, o jornalista Ahmed Salkida disse que sua análise mostra que três delas eram muçulmanas.

O secretário-geral da ONU, António Gutteres, liberou uma declaração por meio de porta-voz: “O secretário-geral está profundamente preocupado sobre os relatos de que civis foram executados e outros sequestrado por um grupo armado no nordeste do estado de Borno, na Nigéria. Ele expressa suas profundas condolências às famílias das vítimas e reitera a solidariedade da Nações Unidas para o povo e governo da Nigéria”. :: LEIA MAIS »

Retrospectiva 2019: novas leis aprovadas têm impacto na vida dos cristãos

Sudaneses ganham direito de ir à igreja aos domingos

Sudaneses ganham direito de ir à igreja aos domingos

A Portas Abertas traz à memória notícias da Igreja Perseguida que trazem esperança. Cristãos de diferentes países do mundo intercederam por irmãos e irmãs para que resistissem à perseguição e se mantivessem firmes em Cristo. Algumas decisões governamentais pareceram não favorecer os cristãos, outras soaram como grandes bênçãos. Mas em todos os momentos a certeza é que o nome de Deus continua sendo anunciado e que ele pode transformar qualquer situação em bênção. Relembre alguns fatos que foram motivos de oração e incentivaram a criação de projetos para apoiar os cristãos envolvidos.

Perseguição do governo aumenta na Índia

Desde que o partido Bharatiya Janata (BJP) chegou ao poder na figura do primeiro–ministro Narendra Modi, o cerco se fechou contra os cristãos. Porque para ser cidadão indiano, deve-se professar a fé hinduísta. Além de enfrentarem ataques de grupos extremistas pró-governo, os seguidores de Jesus foram proibidos de se reunir em prédios específicos para adoração, e tiveram os cultos domésticos monitorados e também barrados.

Nova lei promete mais liberdade aos cristãos no Laos

Um decreto aprovado recentemente pelo governo do Laos indica que os cristãos do país estarão mais protegidos quando o assunto for intolerância religiosa. Um líder cristão da região norte participou de uma reunião com as autoridades para entender como as novas ações funcionarão na prática. Muitos vilarejos desconhecem as novas decisões governamentais e mantém a cultura de perseguição aos cristãos. :: LEIA MAIS »

Vamos orar: Presenteie cristãos secretos com Bíblias

Doe Bíblias e literatura cristã e fortaleça cristãos secretos na Ásia

Doe Bíblias e literatura cristã e fortaleça cristãos secretos na Ásia

Mesmo sendo responsáveis pela manutenção da ordem ditatorial da Coreia do Norte, os soldados não são bem tratados pelo governo. Alguns são forçados a ir para as montanhas para procurar comida para si próprios. Porém, existem outros soldados secretos no mesmo país que trabalham para manter o reino de Deus vivo. Eles não desejam o reconhecimento dos governantes, apenas anseiam pela comunhão uns com os outros e pela liberdade de compartilhar a Cristo.

Os cristãos secretos da Coreia do Norte convivem com o medo de serem descobertos, interrogados e levados a campos de trabalho forçado, podendo até ser mortos. A segurança para professar a fé em Jesus é arriscada até mesmo dentro de casa, já que é comum os familiares denunciarem os seguidores de Cristo como traidores da nação. O cristianismo é visto como uma religião ocidental, mais precisamente, americana.

O ambiente restritivo do país dificulta a confirmação do número de cristãos existentes. Porém, a Portas Abertas estima que exista cerca de 300 mil discípulos de Jesus no território. A comunidade de convertidos atual é composta por ex-comunistas. Alguns tiveram encontro com Jesus quando atravessaram a fronteira para a China, durante a grande fome na década de 90. Eles foram recebidos e evangelizados pelas igrejas chinesas, e ao retornarem a Coreia do Norte, mantém a fé em Cristo e estão responsáveis por espalhar as boas-novas a outros norte-coreanos. :: LEIA MAIS »

Presenteie cristãos afegãos com o evangelho

Cristãos afegãos são cada vez mais raros, mas os que ainda permanecem no país precisam ser encorajados pelo evangelho

Cristãos afegãos são cada vez mais raros, mas os que ainda permanecem no país precisam ser encorajados pelo evangelho

Professar a fé em Cristo vivendo no Afeganistão é algo impensável de se fazer. Importar ou possuir Bíblias e demais literaturas cristãs também são atos arriscados, resultando até em morte. É cada vez menor o número de seguidores de Jesus no país, por isso é difícil o desenvolvimento de projetos de ajuda aos cristãos. Na realidade, eles vivem a fé em segredo.

Se para as pessoas que são de famílias cristãs a situação é delicada, quando envolve a conversão de um muçulmano as coisas tornam-se ainda piores. Alguns são mortos quando a nova fé é descoberta, outros são internados em clínicas psiquiátricas, muitos têm as propriedades destruídas ou transferidas para outros. O Afeganistão ocupa a 2ª colocação na Lista Mundial da Perseguição 2019, ficando atrás apenas da Coreia do Norte.

Nesse contexto, a evangelização comum feita por meio de distribuição de materiais cristãos, testemunhos em lugares públicos e até reuniões para comunhão não são possíveis. Outro fator que também dificulta levar Cristo até os afegãos é o monitoramento severo da internet. A perseguição atual torna difícil acreditar que o cristianismo possa ter chegado no Afeganistão no século 2. :: LEIA MAIS »

Extremismo islâmico pode crescer nas Filipinas

Cristã perdeu as pernas e uma filha durante o ataque de extremistas islâmicos (foto representativa)

Cristã perdeu as pernas e uma filha durante o ataque de extremistas islâmicos (foto representativa)

Um ataque suicida deixou 20 mortos e mais de 100 feridos em uma igreja em Jolo, ilha ao sul das Filipinas. Duas bombas explodiram no dia 27 de janeiro de 2019, e desde então o medo e a dor da perda de pessoas queridas fazem parte da rotina dos cristãos locais. Na mesma data, Mark completou mais um ano, porém, a namorada dele perdeu a mãe. “Eu não sei se celebro meu aniversário ou lamento as nossas perdas”, explica o jovem.

O responsável pelo atentado foi o grupo extremista Abu Sayyaf, afiliado ao Estado Islâmico. De acordo com o analista de perseguição da Portas Abertas, Thomas Muller, a probabilidade de acontecerem outros ataques de mesmas proporções é grande, por isso é necessário estar preparado.  “Infelizmente, há um crescimento no número de relatórios sugerindo que o Estado Islâmico está usando o sudeste da Ásia como área para refúgio e reorganização, especialmente após perder o domínio na Síria e Iraque”.

A Portas Abertas encontrou muitas vítimas do ataque, tanto adultos como crianças, e ouviu os relatos deles. “Apesar da reunião começar com um jogo divertido e gargalhadas, lágrimas tomaram conta da sala, porque os participantes colocaram para fora as emoções. Eles descreveram o que aconteceu dentro da catedral após ela explodir”, conta um colaborador da Portas Abertas.

Uma das testemunhas foi uma mãe de quatro filhos; ela perdeu as duas pernas na explosão. Porém, o problema maior não foi o prejuízo causado pelas faltas dos membros do corpo, mas a morte de uma filha tem sido a maior fonte de dor.  “As pessoas me dizem que as coisas estão bem porque meus outros três filhos estão vivos, e eu devo ser grata por isso… mas eu perdi uma filha”, lamenta. :: LEIA MAIS »

Pastor testemunha os desafios da Igreja Perseguida na Colômbia

O pastor Enrique já foi ameaçado de morte pelo trabalho feito com os colombianos

O pastor Enrique já foi ameaçado de morte pelo trabalho feito com os colombianos

Quem lê os relatos de cristãos perseguidos em países árabes e asiáticos pode não imaginar que há irmãos e irmãs da América Latina enfrentando violenta oposição por causa da fé em Jesus. O pastor Enrique Machado vem ao Brasil para testemunhar como é fazer parte da Igreja Perseguida na Colômbia. Entre os dias 18 de janeiro e 2 de fevereiro, o líder cristão percorrerá o território nacional para compartilhar os feitos de Deus na nação dele.

A Colômbia está em 47ª posição na Lista Mundial da Perseguição 2019. Um dos grandes responsáveis pela violência contra os seguidores de Cristo são os conflitos entre grupos criminosos e dissidentes das FARC. Os valores bíblicos expressam visões sociopolíticas contrárias às ideologias dos grupos armados, por isso existe violenta oposição. Este é o contexto de atuação do pastor Enrique há 21 anos. Atualmente, ele ocupa a diretoria nacional do abrigo para crianças Visão Ágape, fundado pela Portas Abertas no país. :: LEIA MAIS »

Boko Haram mata 71 soldados do Níger, invade vilas e mata cristãos

Boko Haram ataca vilarejos na região do Sahel com o objetivo de implantar o islamismo radical

Boko Haram ataca vilarejos na região do Sahel com o objetivo de implantar o islamismo radical

O grupo extremista Boko Haram atacou mais uma vez no dia 11 de dezembro no Níger. Desta vez, as vítimas fatais foram 71 soldados e outros 12 ficaram feridos, no vilarejo de Inates. O acontecimento foi considerado um dos mais mortais contra as Forças Armadas nigerinas em anos. Os militantes islâmicos têm expandido os domínios sobre as regiões de Tillabéri e Tahoua, que fazem fronteira com o Mali e Burkina Faso. O resultado das ofensivas já descolocou 80 mil pessoas. Isso representa a segunda maior crise nas fronteiras de um país.

No Mali, mais de 100 soldados foram mortos nos últimos três meses. Eles estavam lutando contra a crescente violência na região. Já no leste e sul de Camarões, o Boko Haram matou ao menos 275 pessoas, incluindo 225 civis. Alguns cidadãos foram mutilados e outros sequestrados. O grupo extremista tem aterrorizado a região do Sahel para implantar um islamismo radical, que torna proibido o relacionamento político ou social com o Ocidente. Os impedimentos incluem votar nas eleições, restrições de vestimentas e receber educação que não seja muçulmana. :: LEIA MAIS »

Pastor Bahrom é liberto da prisão no Tajiquistão

O pastor Bahrom vai passar as comemorações do Natal livre, com a família

O pastor Bahrom vai passar as comemorações do Natal livre, com a família

Hoje, na manhã do dia 18 de dezembro, o pastor Bahrom Kholmatov foi liberto da prisão no Tajiquistão. Isso era esperado para acontecer em março de 2020. O líder da Igreja Sou Min Sum Bogim foi acusado falsamente de extremismo religioso em 10 de abril de 2017, na cidade de Yavan. Desde então, estava recluso sem autorização para receber visitas dos membros da igreja e tinha proteção especial, para impedir que compartilhasse o evangelho com outros presos. Mas essas medidas não foram suficientes para calar o discípulo de Cristo. A Portas Abertas agradece a todos os irmãos e irmãs que oraram e participaram da campanha de cartões para encorajar Bahrom e seus familiares.

Os momentos de reclusão foram muito estressantes para todos os envolvidos no caso. No início, a esposa dele, Gulnora, só podia falar com o marido pelo telefone. Depois foi autorizada a visitar o pastor, mas durante uma das idas até a prisão, teve convulsões e precisou ser levada até um hospital. A cristã estava depressiva com toda a situação que viviam. Além disso, alguns parentes a consideravam culpada pelo esposo estar no cárcere. Já os membros da igreja chegaram a tentar entregar presentes ao líder cristãos, mas foram impedidos pelas autoridades. :: LEIA MAIS »

[VÍDEO] Bolsonaro “aceita Jesus” em culto no Palácio do Planalto

Por Gospel Prime

Silas Câmara, Jair e Michelle Bolsonaro. (Foto: Carolina Antunes / PR)

Em culto de ação de graças alusivo ao Natal realizado no Palácio do Planalto, o presidente Jair Messias Bolsonaro declarou publicamente aceitar Jesus.

A primeira-dama, Michelle Bolsonaro, é evangélica da Igreja Batista Atitude e Bolsonaro, mesmo católico, sempre teve um bom relacionamento com líderes evangélicos.

Na celebração, promovida pela Frente Parlamentar Evangélica, vários ministros de Estado e mais de 600 pastores e líderes evangélicos entoaram hinos cristãos e fizeram orações pelo Brasil.

Culto de Ação de graças no Palácio do Planalto. (Foto: Isac Nóbrega / PR)

Em sua fala, o presidente afirmou que pode “ser o chefe mais importante da República, mas o ‘homem’ do Brasil é Jesus” e relacionou o tempo de sua vida parlamentar com a vida de Jacó.

Também afirmou estar honrado em participar daquela reunião e fez questão de declarar publicamente que estava aceitando Jesus “naquela casa” – o Palácio do Planalto.

 

Vamos orar: Na Ásia Central, cristãos ex-muçulmanos enfrentam dupla perseguição

O Turcomenistão é um dos países da Ásia Central onde os cristãos ex-muçulmanos são mais perseguidos

O Turcomenistão é um dos países da Ásia Central onde os cristãos ex-muçulmanos são mais perseguidos

No DIP 2020, que acontecerá no dia 7 de junho, vamos concentrar nossas orações e ações em favor dos cristãos ex-muçulmanos de todo o mundo. Um grande número deles se encontra na Ásia Central. Essa região é formada por Azerbaijão, Cazaquistão, Turcomenistão, Uzbequistão, Tajiquistão e Quirguistão e passou por um impressionante avivamento nos anos 90, com muitos muçulmanos indo a Cristo.

Nesses países, estima-se que de uma população de 322.700 protestantes, o número de cristãos ex-muçulmanos seja em torno de 320 mil. Um dos aspectos mais positivos é que eles estão bem integrados às igrejas protestantes da região. Conversões massivas ocorreram na época de abertura, mas se encerraram depois de 1998, quando houve um significativo êxodo de missionários e ministérios estrangeiros devido a restrições governamentais.

Para evitar confrontos com o governo, a Igreja Ortodoxa Russa mantém-se distante e há padres que frequentemente denunciam aqueles que se convertem do islã ao cristianismo. Nesse contexto, os cristãos podem ser pegos em uma rede de acusações, tais como: “você faz parte de uma seita”, “você não é muçulmano”, “você não é do nosso país”, “você é um traidor”.

A tendência é que a situação piore na região, à medida que os governos desses países se debatem em busca de uma nova legitimidade e não podem se abster de tentar usar o islã para reforçar seu governo. Isso cria uma dupla perseguição para os cristãos ex-muçulmanos – por parte do Estado, uma vez que estão fora do controle do governo e não podem recorrer a ele para ajuda, e dos líderes muçulmanos, pelo fato de terem abandonado o islã. Isso pode resultar em questões práticas relevantes, como por exemplo, não terem permissão para fazer enterros, visto que todos os cemitérios são controlados por clérigos islâmicos. :: LEIA MAIS »

Celebrações públicas de Natal são canceladas no Iraque

O Iraque enfrenta clima de instabilidade política e social e tem sido local de muitas mortes durante as manifestações

O Iraque enfrenta clima de instabilidade política e social e tem sido local de muitas mortes durante as manifestações

Os protestos da população iraquiana contra o governo resultaram na morte de 430 pessoas e no ferimento de outras 20 mil. Em solidariedade à situação instável, as celebrações públicas de Natal foram canceladas. O líder cristão Martin pediu que a igreja internacional se junte a eles em oração. Os jovens cristãos também protestaram e prestaram assistência médica aos manifestantes. “Temos muitos conflitos sectários em nosso país, mas desta vez há uma unidade entre diferentes grupos religiosos”, testemunha Martin.

As reinvindicações do povo são por empregos e serviços básicos e pelo fim da corrupção. Os protestos acontecem na capital Bagdá e em várias cidades do Sul. “Pedimos solidariedade com os manifestantes iraquianos. Por favor, ajude-nos a expressar nossa voz à comunidade internacional, às organizações de direitos humanos, à Nações Unidas e ao mundo inteiro. Queremos viver em liberdade e dignidade, e que a corrupção em nosso país termine”, pede o cristão.

O Iraque ocupa o 13º lugar na Lista Mundial da Perseguição 2019, e uma das responsáveis pela violência contra os cristãos é a ideologia extremista propagada pelo Estado Islâmico que, mesmo derrotado, encontrou simpatizantes na população. Apesar do país ser berço do cristianismo, os que professam a fé em Jesus enfrentam ataques físicos e mentais, são ameaçados e muitos perdem a vida. :: LEIA MAIS »

Vamos orar: Em mais de 50 países, cristãos enfrentam ataques e outras formas de hostilidade

A Igreja Sião, em Batticaloa, foi uma das três igrejas cristãs atacadas na Páscoa, no Sri Lanka (foto: redes sociais)

A Igreja Sião, em Batticaloa, foi uma das três igrejas cristãs atacadas na Páscoa, no Sri Lanka (foto: redes sociais)

Diariamente, diversos ataques contra cristãos são registrados no mundo inteiro. Eles enfrentam situações que vão desde insultos a casos mais extremos, como proibições, prisão e até morte. A perseguição contra nossos irmãos da fé vem crescendo nos últimos anos e, com isso, está cada vez mais comum que cristãos sejam vítimas de ataques por conta de sua escolha de seguir o cristianismo.

Segundo dados da Portas Abertas*, mais de 245 milhões de cristãos no mundo enfrentam algum tipo de oposição como resultado de sua identificação com Jesus Cristo.

 

Ataques contra cristãos no mundo

Os ataques contra cristãos se intensificam perto de datas comemorativas da religião cristã. Isso porque o principal tipo de perseguição que afeta a maior parte dos países onde existe perseguição é o extremismo islâmico. Exemplo disso é o que aconteceu no domingo de Páscoa de 2019, no Sri Lankaem que 290 pessoas foram mortas e outras 500 ficaram feridas após ataques a igrejas cristãs e hotéis no país.

Outro exemplo, é o atentado de 2017, no Egitoquando duas igrejas foram atacadas durante a comemoração pascoal, em que 50 pessoas morreram e mais de 100 ficaram feridas. Atentados como esses, contra igrejas cristãs, seguem como reflexo do que a Igreja Perseguida ao redor do mundo enfrenta em lugares onde os direitos à liberdade religiosa são restringidos por meio da perseguição e violência de grupos extremistas. :: LEIA MAIS »

Cazaquistão precisa de intercessão da igreja brasileira

O governo e o extremismo islâmico são os inimigos dos cristãos no Cazaquistão

O governo e o extremismo islâmico são os inimigos dos cristãos no Cazaquistão

Desde 1991, o Cazaquistão comemora no dia 16 de dezembro a independência. O país pertencia à União Soviética e foi o último a declarar a soberania como república. Os governantes conseguiram fazer uma transição econômica satisfatória nesses períodos de mudanças. Há também uma abertura para cooperar com a comunidade internacional. Porém, essa aceitação não significa que ser cristão no país é algo desprovido de perseguição. Desde 2010, com a ocupação do poder por Nursultan Nazarbayev, a nação enfrentou políticas repressivas, controle da mídia e restrições legislativas e na esfera religiosa.

Apesar do cristianismo ter chegado no país entre os séculos 7 e 8, a rede atual de igrejas fica concentrada nas minorias étnicas. Dos 4,6 milhões de cristãos, apenas 15 mil são cazaques. Segundo a Agência de Assuntos Religiosos (ARA), existem 3.563 associações ou comunidades cristãs registradas no país. Mas a presença dos seguidores de Cristo não garante a liberdade religiosa. Há dois grandes perseguidores de cristãos no país: o governo e o extremismo islâmico. :: LEIA MAIS »

Vamos orar: Dia da Independência de Bangladesh

Ore pelo país de maioria muçulmana e que persegue cristãos

Ore pelo país de maioria muçulmana e que persegue cristãos

Por consequência da guerra entre Índia, Paquistão Oriental e Ocidental em 1971, hoje é comemorado o Dia da Independência de Bangladesh. Com 58 pontos na Lista Mundial da Perseguição 2019, o país ocupa a 48ª posição e aos principais tipos de perseguição são opressão islâmica, nacionalismo religioso e antagonismo étnico. A nação tem enfrentado vários ataques de grupos extremistas como o Estado Islâmico, mas o governo resiste em admitir a existência de redes afiliadas.

Bangladesh é o oitavo país mais populoso do mundo, com mais de 166 milhões de pessoas. Quando o assunto é o número de indivíduos que professam o islamismo, a nação fica apenas atrás da Indonésia e do Paquistão. Além de ser considerado pobre, o território é um dos lugares mais corruptos do mundo. A vulnerabilidade vai além da política instável, o país é atingido por catástrofes naturais consequentes de alterações climáticas. Apesar dos fatores desfavoráveis, há uma expectativa, por parte do Banco Mundial, de que a economia nacional será a única classe média-alta do sul da Ásia, até 2024. :: LEIA MAIS »

Vamos orar: Brechas em nova Constituição preocupam cristãos de Gâmbia

Cristãos apontam possíveis problemas em nova Constituição de Gâmbia

Cristãos apontam possíveis problemas em nova Constituição de Gâmbia

Gâmbia, país da África Subsaariana, passa por um processo importante de revisão constitucional. Porém, o assunto tem preocupado os cristãos do país, já que o novo projeto de lei não define claramente a nação como um estado secular. Outro ponto é a possibilidade de transformação dos tribunais khadi (que regem a vidas dos locais de acordo com as leis islâmicas, com reconhecimento oficial) em sharia. Os líderes da igreja, como o pastor Seal S. Jammeh, têm se posicionado e pedido a análise dos trechos que podem dar margem à perseguição.  “O Conselho Cristão da Gâmbia pede para ser incluído na Constituição final que a Gâmbia seja soberana e secular. Uma república com diversas comunidades de liberdade étnico-linguística e religiosa, com igualdade de oportunidades e garantia de liberdade interétnica, política e religiosa para a coesão social”, esclarece.

A nova Constituição de Gâmbia tem pontos positivos, como a garantia de liberdade de imprensa e de acesso à informação pública e limitação dos poderes presidenciais, já que a população enfrentou a ditadura por mais de 20 anos, sob o comando do ex-presidente Yahya Jammeh, entre os anos 1994 e 2016. “Precisamos lembrar que, três anos atrás, alguém ficou aqui e declarou o país como um Estado islâmico, portanto, foi uma questão que afetou os cristãos. Pedimos que vocês analisem o problema de forma crítica”, continua o pastor Seal. :: LEIA MAIS »

Vamos orar: Al-Shabaab mata 11 “não locais” em ataque no Quênia

Por onde passa, grupo extremista deixa rastro de destruição e causa medo na população

Por onde passa, grupo extremista deixa rastro de destruição e causa medo na população

No dia 7 de dezembro, o grupo extremista Al-Shabaab matou 11 pessoas em um ataque no nordeste do Quênia. As vítimas estavam viajando em um ônibus que fazia o trajeto entre Wajir e Mandera, região próxima à fronteira com a Somália. Os extremistas ordenaram que o ônibus parasse e todos os passageiros descessem. Depois, foram divididos em dois grupo: locais e não locais. Todos os onze “não locais” foram assassinados. Alguns deles eram trabalhadores dos escritórios de segurança que estavam retornando aos postos depois de alguns dias de descanso.

A região é de maioria muçulmana, logo, a expressão “não local” serve para classificar os possíveis não muçulmanos. Em abril de 2015, o grupo usou a mesma marca durante um atentado na universidade de Garissa. Os estudantes foram separados em dois grupos, 148 “não locais” foram assassinados, a maioria era cristã. Em outubro de 2018, dois professores “não locais” foram mortos durante um ataque a uma escola em Mandera.

De acordo com um colaborador da Portas Abertas na região, datas de celebração como Natal e Páscoa estão gerando mais medo do que alegria aos cristãos quenianos, já que nesses feriados há grande chance de acontecerem atentados vindos dos extremistas. “Enquanto a mídia pode ser lenta para explicitar isso, poderemos estar corretos ao interpretar esse ataque como outra maneira de reduzir a presença cristã em área dominada por muçulmanos”. Além da tensão e medo, os cristãos que vivem nos locais sentem-se marginalizados e muito vigiados. :: LEIA MAIS »

Vamos orar: 5 motivos para orar pelo Quênia

Cristãos no Quênia enfrentam perseguição de extremistas e são ignorados pelos governantes

Cristãos no Quênia enfrentam perseguição de extremistas e são ignorados pelos governantes

Hoje comemora-se o Dia da Independência do Quênia, desde 1963. As veias comerciárias do país fizeram que por séculos, tribos da costa do país trocassem mercadorias com árabes. Os portugueses passaram pelo país no século 16. No século 19, as relações comerciais com a Europa se intensificaram, e em 1980, os britânicos tomaram o país e estabeleceram-no como colônia em 1920.

A doação de terras quenianas para colonos da Grã-Bretanha e África do Sul revoltou a população. Após muitas rebeliões, o país tornou-se independente. A igreja cristã esteve presente no país desde a chegada dos portugueses, mas foi expulsa da costa do país e só pôde voltar em 1844, quando a Igreja Anglicana enviou o missionário Johann Ludwig Krapf. Após esse marco, novas denominações foram se estabelecendo no país.

Hoje, o país está na Lista Mundial da Perseguição 2019 em 40º lugar por causa da perseguição que os cristãos estão enfrentando do grupo radical islâmico Al-Shabaab. Outro fator, que dificulta a expressão livre da fé, é a corrupção dos governantes. Confira 5 motivos para orar pelo Quênia. :: LEIA MAIS »



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia