Imagens mostram manifestantes encapuzados saqueando uma igreja na região da La Assuncion. (Foto: Adrien Vautier / Le Pictorium Agency)
Imagens mostram manifestantes encapuzados saqueando uma igreja na região da La Assuncion. (Foto: Adrien Vautier / Le Pictorium Agency)

Milhares de pessoas se reuniram perto da Praça Italia de Santiago, que tem sido usada por três semanas como o principal local dos protestos em massa, no Chile.

A multidão cantava, carregava faixas e agitava bandeiras nacionais chilenas enquanto outros acendiam as luzes em seus telefones celulares.

Mas pouco tempo depois os protestos aumentaram quando um grande grupo de manifestantes encapuzados começou a saquear uma igreja católica na área conhecida como La Asuncion e removeu quase toda a iconografia do local.

Eles foram fotografados arrastando bancos da igreja, estátuas de Jesus Cristo, telas religiosas e outras iconografias pelas portas do prédio histórico antes de atear fogo em grande parte.

A fumaça também foi vista subindo da sede da Universidade Pedro de Valdivia, embora não se saiba se os manifestantes também deram início ao incêndio, pois as autoridades disseram que ainda estão investigando a causa.

Muitas das manifestações nos últimos 22 dias começaram relativamente “pacíficas”, mas agora parece que elas estão se tornando cada vez mais violentas, como pode ser visto no vídeo abaixo.

Manifestantes atirando pedras entraram em confronto com o batalhão de choque da polícia chilena pouco tempo depois que a igreja foi saqueada, enquanto os policiais respondiam com gás lacrimogêneo e canhões de água.

A agitação começou no mês passado, devido a um aumento das passagens do metrô que levou os estudantes a começarem a pular catracas em protestos, que gradualmente aumentaram e se espalharam por todo o país com uma ampla gama de demandas.

As demandas incluíam melhorias na educação, assistência médica e um sistema de pensões amplamente criticado em um dos países mais ricos da América Latina.

Uma estudante de 17 anos, Ginette Perez, que se juntou às multidões que inundaram as ruas esta semana, disse: ‘Ainda não conseguimos nada, então vamos continuar protestando’.

O presidente do Chile, Sebastian Piñera, anunciou medidas no início desta semana para aumentar a segurança e endurecer as sanções por vandalismo após os protestos de longa data que deixaram pelo menos 20 mortos.

Estima-se que mais de 2.500 pessoas tenham sido feridas nos protestos, que também forçaram o cancelamento de duas grandes cúpulas internacionais em Santiago.

Piñera deve mudar seu gabinete e anunciar um aumento no salário mínimo.

Fonte: Guiame