Ser expulso de sua vila na Guiné é perder mais que sua casa, mas também seu sustento e família

Ser expulso de sua vila na Guiné é perder mais que sua casa, mas também seu sustento e família

O assunto sobre a violência em Lokpoou, uma vila na Guiné, se espalhou rapidamente. Os cristãos foram expulsos da vila e não deveriam voltar nunca mais. Na Guiné, isso significa que você está em grandes problemas, porque sua vila é muito mais do que apenas a localização da sua casa. É todo o seu sustento: o campo onde você planta sua comida, onde vivem seus irmãos e irmãs e aqueles que lhe ajudam em cada passo da sua vida. Em resumo, tudo que é importante está em sua vila. Fora dela, você está sozinho em um mundo hostil.

Quando a Portas Abertas ouviu sobre a situação, representantes viajaram para vilas próximas a Lokpoou, onde encontramos o grupo de cristãos traumatizados que foram expulsos. Nos meses anteriores, cristãos das vilas vizinhas tinham cuidado deles. Além da ajuda oferecida, a Portas Abertas também quis estar presente.

Certa vez, o prefeito da região foi humilhado publicamente quando Gnakaye*, líder religioso de Lokpoou, disse a ele para “se sentar e ficar calado”.  “Você não tem poder aqui. Esse é o país de N’Ghafouyi. Eu sou o líder”, Gnakaye disse a ele. Essa humilhação não teve consequências, afinal Gnakaye nunca foi preso ou condenado. Isso porque os locais têm medo. “Todos aqui instintivamente temem os curandeiros, especialmente um tão poderoso como Gnakaye.

Cristãos e muçulmanos, policiais e prefeitos, soldados e coronéis – todos têm medo dos poderes místicos usados pelos curandeiros para prejudicar ou até mesmo matar pessoas que precisam aprender uma lição”, afirmou um morador. Todos têm sua própria história sobre poderes místicos. Um ocidental cético geralmente recebe essas histórias como exageradas, mas para pessoas do oeste africano, que cresceram entendendo a realidade dos poderes demoníacos e vendo isso regularmente, não é nada que possa ser tratado com indiferença.

Os cristãos finalmente puderam voltar para a vila, mas primeiro tiveram que pedir perdão por praticar o cristianismo na terra de N’Ghafouyi. Depois, tiveram que prometer nunca mais “trazer Jesus para Lokpoou”. Além disso, foram avisados: “Deixem suas Bíblias no rio, na fronteira da vila, e esqueçam seu Deus enquanto vocês estiverem na terra de N’Ghafouyi”.

Pedidos de oração

  • Apresente os cristãos que vivem em vilas tribais e são perseguidos por abandonarem as tradições da comunidade.
  • Peça ao Senhor que eles tenham sabedoria para compartilhar o evangelho com suas famílias e vizinhos.
  • Interceda para que comunidades tribais da África Subsaariana sejam mais abertas ao evangelho.
  • Fonte: Portas Abertas