Cristãos chineses oram durante culto. (Foto: Council on Foreign Relations)
Cristãos chineses oram durante culto. (Foto: Council on Foreign Relations)

Treze famílias sul-coreanas que vivem na China como parte de um grupo missionário foram deportadas depois que autoridades comunistas decidiram que a permanência dos cristãos no país era “ilegal” devido ao seu trabalho evangelístico.

Recentemente, um missionário sul-coreano que foi deportado da China há um ano contou à International Christian Concern como o governo chinês tenta conter o cristianismo e limitar o número de ‘desertores’ norte-coreanos que entram no país, deportando os suspeitos de compartilhar o Evangelho.

Ele compartilhou como, em 2016, o líder do grupo chegou à estação de Yanji e foi preso pelas forças de segurança. Pouco tempo depois, as autoridades levaram o restante da equipe da missão – treze famílias no total – à delegacia.

Muitos dos missionários foram presos em suas casas, e os detidos incluíam crianças pequenas e um idoso com mais de 60 anos. Após uma investigação que durou a noite toda, a polícia acusou as famílias de serem “missionárias” e disse que a permanência delas na China era ilegal, devido ao seu trabalho evangelístico.

Segundo a lei chinesa, os estrangeiros são proibidos de criar organizações religiosas ou realizar “proselitismo” na China, embora a lei não tenha sido aplicada até que o presidente Xi Jinping assumisse o cargo em 2012, de acordo com o South China Morning Post.

No entanto, o missionário disse à International Christian Concern que, contrariamente à alegação da polícia, as famílias estavam ensinando a Bíblia principalmente aos norte-coreanos, que visitam regularmente a China com a permissão de Pyongyang (capital da Coreia do Norte) – e não fazem evangelizam os cidadãos chineses.

No entanto, as famílias receberam uma semana para vender todos os seus bens, incluindo carros e casas antes da deportação. Em janeiro de 2017, todas as 13 famílias foram deportadas da China.

Logo depois, todas as igrejas ministradas por coreanos-chineses em Dandong, incluindo a maior igreja em Dandong, onde um pastor coreano-chinês liderava cerca de 200 membros, foram fechadas pelas autoridades.

Mais tarde, descobriu-se que as autoridades de segurança de Yanji estavam se preparando para prender os missionários e encerrar suas atividades desde 2014. Para esse fim, as autoridades hackearam repetidamente os e-mails e registraram telefonemas entre os membros do grupo.

“Presume-se que esse ato de explorar a comunicação seja uma tentativa do governo de Xi Jinping de demonstrar seu poder na área de fronteira, onde eles vêem a admissão de desertores norte-coreanos como a raiz da instabilidade na região”, observa a International Christian Concern.

Intensa perseguição religiosa

Nos últimos anos, a China reprimiu missionários estrangeiros no país, expulsando milhares de sul-coreanos acusados ??de fazer proselitismo e ajudar os desertores da Coreia do Norte.

Em 2014, as autoridades começaram a visar missionários sul-coreanos que trabalham com refugiados norte-coreanos no nordeste da China. Entre o final de 2015 e o início de 2016, as províncias de Liaoning, Jilin e Heilongjiang, no nordeste da China, deportaram centenas de pastores e missionários sul-coreanos, na tentativa de fechar suas igrejas.

No entanto, a repressão aumentou após a adoção pela China do “Plano para a Campanha Especial de Investigação e Processamento Legal de Infiltrações Cristãs da Coreia do Sul” no ano passado, segundo o South China Morning Post. O documento coloca as atividades cristãs coreanas em pé de igualdade com outros alvos religiosos de Pequim – budistas tibetanos e uigures muçulmanos na região de Xinjiang.

“As igrejas coreanas têm uma longa história de trabalho missionário na China … mas o que vimos nos últimos 18 meses a dois anos foi uma repressão constante por parte das autoridades chinesas nas atividades missionárias sul-coreanas na China, destinadas a ajudar os norte-coreanos”, disse Eric Foley, CEO da Voice of the Martyrs Korea, ao Christian Post no ano passado. “É uma história que não foi contada na China ou na Coreia.”

A Missão Portas Abertas (EUA) classificou a China no 27º lugar da lista dos 50 países líderes no ranking de perseguição religiosa.