por Wal Cordeiro

pernilongo

O que é isso? Síndrome do pernilongo? Como entender que estamos com essa síndrome?

É a luta com o inseto mais chato da noite. Noite que se torna longa. Geralmente, noite de imensa solidão.

Observe que ele passa em torno de dois dias sugando o máximo de sangue possível, picando todas as pessoas e animais que encontra pela frente. Ele faz tudo isso entoando uma cantiga noturna. Essa, com certeza, ganharia o primeiro lugar como a música mais ouvida e mais odiada de todos os tempos. Entretanto, o período de sobrevivência e alegria dele é curto; após dois dias de alegrias, entre “picadas e overdoses sanguíneas”, o pernilongo explode e morre. Vai literalmente ao óbito!

Isso serve de alerta para nós. Não podemos começar pelo meio ou final do processo da vida para tornar-nos homens e mulheres justos e vitoriosos. Trilharemos, assim, o caminho de auto-condenação se fizermos como o pernilongo. Para ser bom é necessário começar a mudança de dentro para fora! Leva tempo. É uma escola.

Não podemos jogar tudo para cima, deixar as responsabilidades de filhos para com os pais e de pais para com os filhos.

O caminho não é por aí! Geralmente, a “síndrome do pernilongo” aparece após um congresso sobre criação de filhos, ou, como obedecer aos pais. Participar de eventos, como esses, é importante e edificante, mas devemos tomar cuidado porque experiência e crescimento espiritual e reconciliação familiar não se adquire da noite para o dia, num final de semana, leva tempo; é uma vivência diária de: prática do bem; oração, leitura da Bíblia, de auto-análise, buscas e renúncias. Como diz a Palavra do Senhor em Provérbios 4.18: “Mas a vereda dos justos é como a luz da aurora, que vai brilhando mais e mais até ser dia perfeito.”

Se estamos dispostos a nos tornarmos bons filhos e trilharmos a vereda do justo, temos que andar pelo caminho certo. Precisamos começar do início e entender que o justo é justo porque foi justificado por Deus, e não por sacrifício humano, grau de escolaridade, diploma teológico e méritos pessoais.

Você já observou como o pernilongo é um inseto muito desobediente e chato? Você pode passar a mão no rosto várias vezes, orar, soprar, gritar, perder o sono, pedir por favor para que o deixe em paz, mas, em frações de segundo, ali está ele de volta, com o mesmo barulho perturbador de sempre. Ao invés de conquistar a simpatia do desesperado sonhador, consegue arrancar as mais terríveis murmurações e antipatia de alguém que quer uma noite tranqüila de sono.

Podemos ser considerados e confundidos com o pernilongo, quando não desenvolvemos bons relacionamentos; não respeitamos o direito do próximo, não paramos para ouvir nossos pais e como pais, não temos tempo para os nossos filhos…

…e como filhos e pais, não temos tempo para vida, não temos tempo para Deus.

Wal Cordeiro é autor de oito livros