Por Wal Cordeiro

A vida é cheia de surpresas e nos ensina, constantemente, acerca dos valores humanos e suas reais conseqüências, quando tais valores são praticados ou não em decorrência da busca incessante do poder.

Olhando para as figuras destacadas da história, que sempre lemos nos livros corriqueiros das bibliotecas empoeiradas e na Bíblia Sagrada, podemos constatar que o exemplo dos mesmos nos demonstra várias lições sobre a vida de cada um e revela o lado sombrio de suas ações.

Um dos exemplos mais clássicos é o de Maquiavel, quando numa época de poucas mudanças escreveu para um príncipe dando orientações sobre a busca e permanência do poder. O que podemos chamar de a “linha tênue da mediocridade”, pois ninguém consegue permanecer a vida todo no poder.

Podemos ter a sensação por um período de tempo de que dominamos pessoas e exercemos poder sobre elas, mas na realidade o poder é abstrato e misterioso, pois quanto mais adquirimos mais o veneramos e acabamos reféns das nossas próprias ambições e automaticamente perdemos o controle do mesmo que é transferido a outros. Então, o poder é prazeroso, mas não é permanente. O poder é fascinante, mas não é eterno. O poder é necessário, porém nos sucumbe.

Outra figura conhecida de todos, que se deixou ser levado pelo desejo de exercer e adquirir poder, andando na linha tênue da mediocridade, é Lúcifer. História registrada na Bíblia que nos mostra o quanto o poder pode destruir o futuro de alguém. Lúcifer, hoje chamado de Diabo, era um anjo de luz que levava à Presença de Deus a adoração dos demais colegas de ministério. Um dia achou que poderia desviar para si esse poder, quebrou a cara. Foi expulso do céu e se tornou o mais miserável dos anjos: sem glória, sem vida, sem céu e sem virtude, porém com o poder de persuasão, ao ponto de conseguir, ao longo da história, convencer há muitos que ele é digno de adoração.

Quando o poder é exercido de forma altruísta os homens são abençoados, porém quando é usado egoisticamente a humanidade geme. O poder traz glória, porém traz tragédia. O poder traz realização, porém traz frustração. O poder é o maior inimigo do ambicioso, pois o leva ao quarto escuro da solidão. O poder é necessário, mas é preciso que seja dominado a todo instante através da força da humildade.

O homem mais poderoso que já pisou no planeta terra chama-se Jesus Cristo. Este mesmo, fez questão de lavar os pés dos seus seguidores, comer com os mais simples e desprezados e deixou o maior ensinamento para que pudéssemos colocar em prática: ” Se quiser ser o maior, seja o menor. Se quiser ser servido, sirva primeiro. Esta é a maior e mais poderosa arma que temos á disposição.

Wal Cordeiro é autor de oito livros