Por Wal Cordeiro

“ Você pode decidir o que semear, porém não pode escolher o que vai colher.” Provérbio chinês

A lei da semeadura é muito interessante e nos ensina vários princípios sobre as questões da vida.

Para um agricultor é mais fácil compreender essa lei, pois convive, diariamente, com os desafios de preparar a terra e jogar a semente sobre ela e aguardar pacientemente o processo da germinação e crescimento do produto plantado.

O homem do campo sabe muito bem o que quer. Sabe a hora exata de arar a terra, o momento ideal para o plantio e o tempo certo para colher o que plantou.

Em relação ao tempo e ao clima, o homem rural é um grande especialista. Basta olhar para as nuvens e dizer se vai chover ou não. É um grande conhecedor climático sem ter freqüentado uma faculdade. Pelo tipo de vento e sua direção ele sabe qual é a semente ideal para a época.

Porém, uma coisa ele sabe e tem plena certeza que nenhuma tecnologia de ponta pode interferir: “O que planta colhe”.
– Se planta arroz, vai colher arroz;
– Se plantar feijão, jamais colherá soja;
– Se plantar milho, nunca poderá colher laranja.
A lei da semeadura diz que: “O que plantamos colhemos”. Não é difícil entender, pois as respostas da vida, através de amargas ou benéficas experiências nos ensinam. Para exemplificar, usarei uma historinha interessante:
Ao encontrar caído no chão um pequeno e frágil filhote de passarinho, um dos discípulos de um grande sábio concebeu um jeito de, afinal, provar ser mais esperto que seu mestre.
“Vou levar o passarinho até o sábio e lhe perguntar se ele está vivo ou morto, pensou ele consigo mesmo, se ele responder que o passarinho está morto, eu abro as mãos e o deixo se mexer. Se ele responder que está vivo, eu aperto um pouco as mãos e o mato. De um jeito ou de outro, ele não acertará a resposta”.
Após ensaiar mentalmente suas palavras, aproximou-se do mestre e lhe perguntou: Bom mestre, o que tenho em minhas mãos?
O mestre olhou para suas mãos e, vendo algumas penas por entre seus dedos, respondeu-lhe: Um filhote de passarinho.
Muito bem mestre… Mas este filhote está vivo ou está morto?
E o mestre, de pronto, lhe respondeu: Isso só depende de você!
Depende de você os resultados da colheita:
– Se plantar amor, vai colher bondade;
– Se plantar generosidade, vai colher prosperidade;
– Se plantar lealdade, vai colher amizade verdadeira;
– Se plantar verdade, vai colher liberdade;
– Se plantar paz, vai colher bonança.
Se escolhermos plantar as sementes do mal a colheita será tempestuosa. Se insistirmos, o fim será trágico.
– Se plantar ódio, vai colher angustia;
– Se plantar maldade, vai colher inimizade;
– Se plantar mentira, vai colher vergonha;
– Se plantar traição, vai colher desprezo;
– Se plantar corrupção, vai colher prisão (principalmente a espiritual);
– Se plantar guerra, vai colher cadáveres.
Portanto, na hora de decidir faça a opção pela semente do bem. Nunca esqueça que tudo aquilo que o homem plantar, com certeza colherá!!!

Wal Cordeiro é autor de oito livros