Obstáculos no entorno do Aeroporto de Vitória da Conquista podem provocar o rebaixamento da categoria do terminal para nível 2 e impedir a operação de jatos no local. A adequação é uma exigência da Portaria 256, emitida pelo Comando da Aeronáutica.
Para evitar que isso aconteça estiveram reunidos ontem (1), o diretor da Associação Brasileira das Empresas de Transporte Aéreo Regional (ABETAR), Jorge Alberto Vianna, o prefeito de Vitória da Conquista, Guilherme Menezes, o Secretário de Meio Ambiente Valdemir Dias, o assessor de tráfego aéreo do Cindacta 3, Tte. Cel. CTA R1 José William Ferreira Lima e o Superintendente de Infraestrutura Aeroportuária da ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil), Jorge Viegas.
Após o debate sobre as possíveis soluções para o terminal, o Prefeito Guilherme Menezes assumiu o compromisso de elaborar com sua equipe um plano para remoção dos obstáculos com ações a curto e longo prazo.
“Ficou definido que o plano será feito pela prefeitura, que tem até o próximo dia 15 para apresentá-lo para análise na ANAC e regulamentação no DECEA. Esperamos que o plano seja aprovado e que consigamos manter as atividades com jatos, sem prejuízo aos usuários e as empresas que operam no local”, disse Vianna.
Atualmente, TRIP e Passaredo operam vôos regulares a partir do aeroporto. No entanto, apenas Passaredo com jatos E-145. Entre os obstáculos encontrados na cabeceira da pista está a existência de torres de antena para celular, postos de combustíveis, depósito de lixo e outras construções.

fonte: ABETAR