Tribuna da Bahia

A economia brasileira deverá crescer 3,9% em 2011, segundo aponta a mediana das expectativas de 31 bancos que participaram da Pesquisa Febraban de Projeções Macroeconômicas e Expectativas de Mercado de junho, divulgada ontem pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban).

Crescimento mais moderado tanto da economia quanto da inflação e da inadimplência refletem as medidas tomadas pelo governo para conter a alta dos preços.O mesmo levantamento, realizado entre os dias 16 e 21, aponta para uma expansão do PIB em 2012 da ordem de 4,1%. Na pesquisa de maio, a previsão dos bancos apontava para um crescimento maior do PIB, de 4,1% em 2011 e de 4,2% em 2012.

 

Caiu, por outro lado, a expectativa da pesquisa para a inflação oficial medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que deve terminar 2011 em 6,2%. Na pesquisa de maio, a expectativa era de 6,3%. Para 2012, a mediana das expectativas em relação ao IPCA é de 5,1%, mesma taxa apurada em maio.

“Números mostram melhora das expectativas inflacionárias. Na última pesquisa, tínhamos um quadro mais pessimista sobre a inflação. É um recuo pequeno, mas mostra uma inversão de tendência”, afirmou Rubens Sardenberg, economista-chefe da Febraban, durante apresentação da pesquisa.

Na avaliação do economista, a projeção de crescimento mais moderado tanto da economia quanto da inflação e da inadimplência refletem as medidas macroprudenciais tomadas pelo governo para conter a alta dos preços.