A Tarde

Um dos acusados da barbárie em Salvador chega ao presídio

O promotor de Justiça Antônio Luciano Assis, denunciou à Justiça, nesta sexta-feira, 21, os quatro envolvidos nas mortes das adolescentes Janaína Cristina Brito da Conceição, 16 anos, e Gabriela Alves Nunes, 13 anos, ocorridas em 19 de novembro do ano passado. Além da denúncia, o promotor de Justiça pediu a decretação da prisão preventiva de Adriano Silva Nunes, vulgo Bocão; Alex Santos e Silva, vulgo Lequinho; Jarbas Cristiano Chaves de Souza, vulgo Tiano, e Danilo Rocha Carvalho, vulgo Cacaroto, por garantia da ordem pública para assegurar a aplicação da lei penal e por conveniência da instrução.

Citando informações do inquérito policial, o promotor de Justiça destaca que os denunciados, em ação conjunta com Vítor dos Santos Almeida, vulgo Branco ou Amado, morto em confronto com policiais, por razões abjetas, de forma cruel e sem dar qualquer chance de defesa às vítimas, torturaram e decapitaram as meninas. Em seguida, acondicionaram os corpos em sacos e deixaram em via pública, sem identificação, na Avenida San Martin, onde foram encontrados pela polícia no dia 20 de novembro.

 

As adolescentes saíram de casa no dia 18, levando pertences e deixando um bilhete informando que estariam bem. No dia seguinte, os parentes começaram a receber ligações dos bandidos que exigiam dinheiro e armas ao tempo em que mandavam as meninas falar com os parentes relatando seu sofrimento.

De acordo com as investigações, os criminosos promoveram uma sessão de tortura e espancamento e decapitaram primeiro Gabriela, quando o acusado Branco deu o primeiro golpe. Janaína a tudo assistiu e foi decapitada em seguida, tendo o primeiro golpe sido desferido por Tiano. Mas todos ajudaram a utilizar o facão para seccionar a cabeça do corpo das meninas.

Segundo o promotor, os denunciados agiram desta forma porque imaginaram que as vítimas, por residirem no Engenho Velho de Brotas e uma delas ser filha de policial, seriam ligadas a traficantes da localidade de Manguinhos, situada no IAPI, a quem passariam informações.