Boeing 727 da Iran Air tentava fazer um pouso não programado em meio a uma forte tempestade de neve

Teerã. Um Boeing 727 da estatal Iran Air com 106 pessoas caiu ontem no noroeste do Irã, quando fazia um pouso não programado em meio a uma tempestade de neve. A aeronave se dividiu em vários pedaços, matando pelo menos 71 pessoas. Os outros 35 sofreram apenas ferimentos. As informações são do Crescente Vermelho – equivalente à Cruz Vermelha nos países islâmicos.

Dos 106 a bordo, 12 eram tripulantes e 94, passageiros – entre eles, duas crianças. O voo seguia da capital Teerã para a cidade de Urumiyeh, 700 quilômetrosa noroeste, segundo Shahrokh Nioushabadi, porta-voz da companhia Iran Air. “O número de mortos deve aumentar”, disse Heidar Heidari, do Crescente Vermelho, à agência de notícias Irna.

Segundo outro representante do grupo, Mahmoud Mozafar, muitos dos feridos estão em estado grave. Mozafar disse que o avião se dividiu em vários pedaços, mas que não houve explosão ou incêndio.

Os pilotos do Boeing 727 tentaram fazer um pouso não programado em Orumiyeh após notarem um problema técnico na torre de controle, informou a agência semioficial Mehr, citando um vice-governador estadual, Ebrahim Fatholahi.

Segundo a TV estatal, o avião “enfrentou um incidente” e desapareceu dos radares. A aeronave caiu após uma segunda tentativa de aterrissagem, segundo a emissora. Dois voos anteriores que partiriam de Teerã com destino a Orumiyeh foram cancelados devido ao mau tempo.

A TV mostrou imagens da equipe de resgate e sitiantes locais em busca de sobreviventes na noite de ontem, em meio a destroços do avião e sob nevasca. Segundo a agência de notícias semi-oficial Fars, o chefe dos socorristas, Gholam Reza Masoumi, afirmou que a neve se acumulava por 70 centímetros no local onde estão os destroços do Boeing.

Mais cedo, a imprensa iraniana tinha anunciado números diferentes de pessoas a bordo. A agência Fars disse que 105 pessoas estavam a bordo, enquanto a TV estatal fala em 156. A autoridade nacional de aviação civil disse que o avião transportava 95 passageiros e tripulantes.

Acidentes frequentes

O Irã tem uma história de acidentes aéreos frequentes causados pela frota antiga e com manutenção precária. Sanções dos Estados Unidos contra o país persa têm impedido o país de comprar novas aeronaves ou peças sobressalentes do Ocidente.

O Irã sofreu cerca de 15 catástrofes aéreas nos últimos 10 anos, que deixaram mais de 900 mortos. Um dos acidentes aéreos mais recentes aconteceu em julho de 2009, quando um avião Tupolev da Caspian Airlines com destino a Armênia pegou fogo no ar e caiu em terra perto da cidade de Qazvin, matando todas as 168 pessoas a bordo. Dez dias depois, um avião de passageiros pegou fogo no momento em que pousava em Mashhad, matando 17 pessoas.

Um dos maiores acidentes aconteceu em fevereiro de 2003, quando um transportador de tropas iranianas Ilyushin-76 caiu no sudeste do Irã, matando todos os 276 soldados da Guarda Revolucionária e tripulantes a bordo.

Ocupantes

106 pessoas estavam a bordo do avião de passageiros da Iran Air. Dos ocupantes do Boeing 727, 12 eram tripulantes e 94 passageiros. Segundo relatos, 35 pessoas sobreviveram.