Acompanhamento familiar, oficinas pedagógicas, assistência psicológica, encaminhamento para cursos e atividades profissionalizantes são algumas das ações desenvolvidas pelo Programa Novo Olhar, com o objetivo de acolher adolescentes em conflito com a lei.

O Programa, executado pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, atende jovens encaminhados pela Justiça, e aplica medidas socioeducativas em meio aberto, como a Liberdade Assistida e a Prestação de Serviços à Comunidade.

Atualmente, 84 jovens, na faixa etária de 12 a 21 anos, recebem ampla assistência de uma equipe multidisciplinar, formada por uma advogada, uma assistente social, duas psicólogas e dois pedagogos. Dentro dessa perspectiva de oferecer novas perspectivas de vida para os adolescentes, o programa acompanha a vida escolar dos jovens atendidos, avaliando o comportamento e o aprendizado através de visitas periódicas aos colégios. Por determinação da Justiça, todos os adolescentes inseridos no programa devem freqüentar a escola.  Aqueles que desistiram de estudar, são encaminhados para as unidades da rede pública de ensino da cidade.

Durante os atendimentos individuais, a pedagoga procura identificar em que área o jovem pretende atuar e faz os encaminhamentos necessários. Oito adolescentes freqüentam o curso de padeiro, realizado no Projeto Pequeno Ofício, e outros quinze fazem curso de serigrafia, no Programa Conquista Criança. A partir de fevereiro, os educandos que têm o desejo de fazer curso de violão serão encaminhados para o Conservatório Municipal de Vitória da Conquista e aproximadamente 20 deles passarão a freqüentar os cursos de informática básica e manutenção de computadores, promovidos pela Rede de Atenção à Criança e ao Adolescente.

Nas oficinas pedagógicas, realizadas pela pedagoga do programa ou em parceria com outras instituições, são discutidas temáticas escolhidas pelos próprios jovens e outras que são propostas pela equipe do Novo Olhar: orientação sexual, direitos humanos, cidadania, meio ambiente já foram debatidos.

“Nosso papel é esse de abrir portas, dar oportunidades para esses jovens para que eles ampliem seus conhecimentos e possam fazer outras escolhas na vida”, explica a pedagoga do Programa, Marivane Andrade.

Assistência psicológica– O núcleo de psicologia realiza atendimentos individualizados e em grupo. Em ambos os momentos são trabalhados temas voltados para o autoconhecimento, a autoestima, a relação e o convívio familiar, a ressignificação do ato infracional e a construção e elaboração de projetos de vida. O objetivo é buscar junto com os jovens um novo sentido para o momento de conflito com a lei que eles estão vivendo e também construir, em conjunto, perspectivas para o futuro, buscando melhorar a qualidade de vida.

De acordo com a psicóloga Denise Tavares ao longo dos atendimentos se estabelece uma relação de confiança que facilita o acompanhamento: “Eles tem sido receptivos ao trabalho e, gradativamente, começam a falar de si, a se perceberem e a construir de fato essa mudança de comportamento, de atitude, de posicionamento diante da vida”.
SECOM/PMVC