Lílian Machado/Tribuna

 Dentro de um quadro de enfraquecimento e desarticulação da legenda em âmbito nacional, redução da bancada estadual e possíveis desentendimentos durante a campanha estadual, uma nova informação chega para embaralhar ainda mais o cenário do DEM na Bahia.

 Segundo noticiado ontem, o deputado federal ACM Neto (DEM), ícone do carlismo na legenda e parlamentar mais bem votado do estado, está de malas prontas para deixar o berço partidário. Rumores indicam que seu principal dilema seria apenas sobre para qual sigla migrar.

 Nesse contexto, estariam sendo fontes de interesse o PSDB, que tem como presidente estadual o deputado federal eleito Antonio Imbassahy, o PMDB, do ex-ministro Geddel Vieira Lima, e o PR, do senador César Borges. Procurado pela reportagem da Tribuna da Bahia, o deputado preferiu não comentar o assunto. “Primeiro, irei tratar da questão dentro do campo político para depois tratá-la publicamente”, restringiu, no entanto, sem negar a especulação.

 

O afastamento de Neto do partido já teria sido conjecturado antes da campanha estadual, mas foi jogado para debaixo do tapete, em decorrência da aliança com o PSDB para a disputa ao Palácio do Planalto.

A sua saída, porém, pode resultar numa debandada ainda maior no âmbito estadual. Os deputados democratas “derrotados”, por exemplo, já deram sinais de que, assim como Neto, já buscam nova morada. Por consequência, consta que sua decisão deve implicar em um novo panorama para a disputa da prefeitura municipal em 2012.

Ontem, o deputado teria se reunido com a cúpula nacional do DEM, em Brasília para traçar seu futuro. Nos bastidores, informações dão conta de que o democrata estaria a analisar três opções de filiação.

O abrigo mais cogitado seria o PSDB, onde Neto tem fortes ligações.
Especula-se que questões nacionais estariam a influenciar em sua decisão, a exemplo do abatimento da figura do atual presidente nacional da legenda, Rodrigo Maia, ameaçado de deixar o comando do partido por pressão de grandes nomes, como Jorge Bornhausen.

Embora tenha preferido o silêncio a respeito de seu futuro político, o deputado ACM Neto deixou claro que o Democratas nacional deve passar por uma reestruturação. “Vamos discutir uma composição de uma comissão executiva provisória e a formação do calendário de convenções municipais e estaduais.

Isso abre espaço para uma reorganização do partido”, afirmou, se referindo à decisão de Maia sobre uma convenção no dia 15 de março. Questionado sobre uma possível saída de Maia da presidência, Neto negou.

“Pelo contrário. Com tudo isso, ele está retomando a condução do processo”. Na Bahia, já foram cogitadas as saídas do deputado federal reeleito Paulo Magalhães, do deputado estadual reeleito Gildásio Penedo e de alguns que não conquistaram a reeleição, como  Clóvis Ferraz, Carlos Gaban, Heraldo Rocha e Júnior Magalhães.

Rodrigo Maia se antecipa

Na tentativa de evitar uma fissura no DEM, o presidente nacional do partido, Rodrigo Maia, decidiu ontem, em reunião da executiva do partido, convocar para o dia 15 de março de 2011 convenção nacional extraordinária para eleger a nova presidência da legenda. Com a decisão, Maia antecipa sua saída do comando da sigla, previsto para acontecer somente no final de 2011. Segundo informações, o democrata se antecipou ao grupo do senador Jorge Bornhausen (DEM-SC).

Além de defender a realização de convenções em abril para a escolha, o grupo comandado por Bornhausen tentava tirá-lo da presidência como uma das condições impostas pelo prefeito Gilberto Kassab para permanecer na legenda.

A iniciativa de Maia evitou que o democrata fosse retirado do comando da sigla, ampliando a possibilidade de sua permanência no comando pelo menos até a data da convenção. saída do DEM