Rodrigo Meneses | Grupo A TARDE*

O delegado Omar Andrade, titular da 4ª CP, em São Caetano, onde são investigados os assassinatos de Janaína Cristina Brito Conceição, 16 anos, e Gabriela Alves Nunes, 13 anos, mortas decapitadas, disse, nesta segunda-feira, 22, que já tem os nomes dos possíveis autores do crime.

Policiais saíram duas vezes em diligência em buscas dos suspeitos. A primeira foi no final desta manhã e não teve sucesso. Por volta das 15 horas, os policiais voltaram a sair. Eles buscam os criminosos no bairro de IAPI, onde as garotas foram vistas pela última vez na quinta, 18, no final da tarde, antes de serem sequestradas.

Enquanto agentes fizeram buscas nas ruas, o delegado Omar Andrade ouviu os familiares das vítimas. Nesta manhã, ele acompanhou o depoimento de Maria das Graças Fernandes, Cosme Raimundo Paranhos, e Flávia Alves, avó, avô e mãe de Gabriela, respectivamente. Nesta tarde, o pai de Janaína, o sargente do Corpo de Bombeiros Ezardival Rubens Bassalo foi ouvido.

Investigações –
O delegado disse que o dono do chip de onde partiu a ligação dos sequestrados para a família das vítimas, Cleiton Alcântara de Jesus, 25 anos, não é considerado suspeito de participação no crime. Omar Andrade explicou que ele apresentou a ocorrência que ele registrou há um ano quando perdeu o chip. Após prestar esclarecimentos neste sábado, 20, Cleiton foi liberado.

A polícia também já localizou o carro utilizado pelos criminosos. De acordo com o delegado, o veículo foi roubado no dia 16 no Iapi e estava com placa clonada. O automóvel apresenta manchas de sangue.

O caso – Janaína e Gabriela foram sequestradas e mortas após supostamente fugirem de casa na tarde de quinta, 18. De acordo com familiares, Janaína deixou um bilhete avisando que estaria bem e manteve contato com parentes no mesmo dia da suposta fuga.

Mas na sexta pela noite, bandidos ligaram para a família da menina informando do sequestro e pedindo R$ 50 mil de resgate, além de duas armas. Janaína chegou a falar com o pai e confirmar a situação.

A polícia rastreou o celular utilizado para ameaçar a família e chegou ao local onde os corpos foram encontrados.

*Com redação de Paula Pitta | A TARDE On Line