As ações do Banco Panamericano saíram às 12h13 de leilão já em forte queda e lideram a lista de maiores baixas do mercado. Às 15h51, o papel recuava 28,95%, cotado a R$ 4,81, ante queda de 0,81% do Ibovespa. A baixa das ações ocorre após o banco ter informado que receberá um aporte de R$ 2,5 bilhões do Fundo Garantidor de Crédito (FGC).

Após a notícia de ontem à noite do aporte no banco, o início dos negócios com as ações do Panamericano foi adiado em mais de uma hora na Bolsa. O leilão é um período em que a Bolsa apenas aceita o registro de ofertas de compra e venda dos papéis, mas não efetiva o negócio. Ele ocorre apenas para formar o preço de abertura da ação. Durante o leilão, a ação chegou a cair 40%, segundo a assessoria de imprensa.

 

Entre os maiores vendedores da ação no pregão de hoje, aparecem o BES Securities, a Interflot e o Credit Suisse, segundo dados do AE Broadcast.

Após a notícia, a agência de classificação de risco Moody’s colocou em revisão para possível rebaixamento todas as classificações de risco (ratings) do banco. A Moody’s atribui a decisão ao rápido declínio de valor de mercado do banco nos últimos dias e ao anúncio de ontem de injeção de R$ 2,5 bilhões.

Durante a tarde desta quarta-feira, a corretora Planner também soltou um relatório em que colocou a recomendação e o preço-justo da ação em revisão. “Buscaremos maiores informações principalmente da qualidade dos ativos do banco e do futuro das suas operações dada à magnitude do aporte”, disse o analista Victor Martins, em relatório. A corretora recomenda cautela aos investidores e desaconselha investimentos no curto prazo.

Bancos médios

As ações dos bancos médios também operam em forte queda. No horário, BicBanco recuava 4,23%, ABC tinha queda de 3,16%, Daycoval caía 3,23%, Sofisa tinha desvolarização de 4,81% e Cruzeiro do Sul -2,64%. Também operam em queda Pine (-3,82%) e Paraná Banco (-5,67%).

Nesta manhã, o Banco Central divulgou comunicado em que aprova a indicação de novos diretores para o Banco Panamericano. A troca da diretoria faz parte da solução encontrada pelo Grupo Silvio Santos, controlador da instituição, em conjunto com o sócio minoritário Caixa Econômica Federal e o próprio BC. De acordo com o comunicado foram aprovados os nomes de Celso Antunes da Costa, Celso Zanin, Raphael Rezende Neto, Mario Ferreira Neto, José Alfredo Lattaro, José Henrique Marques da Cruz, Eliel Teixeira de Almeida e Ivan Dumont Silva.

(Com Yolanda Fordelone, do Economia & Negócios) Estadão