Terra

Levantamento CNT/Sensus divulgado nesta quinta-feira (14) aponta crescimento do candidato tucano à presidência da República, José Serra, em todas as regiões do Brasil. A maior vantagem do tucano é na região Sul, onde ocupa a dianteira da preferência do eleitorado com quase 20 pontos de vantagem. Em setembro, o ex-governador de São Paulo tinha vantagem de 4,8 pontos percentuais entre os sulistas e ampliou a margem para 19,6 pontos.

Para o presidente da Confederação Nacional do Transporte (CNT), Clésio Andrade, a queda de Dilma em todas as regiões brasileiras é resultado de um novo processo sociológico a que os pesquisadores atribuem como resultado de uma suposta onda de difamação contra a ex-ministra do governo Lula. “Não estamos vendo outra explicação a não ser isso”, disse Clésio.

A vantagem de Dilma só se confirma na região Nordeste, onde tem 60,7% das intenções de voto contra 31,1% de José Serra. Em setembro, a petista tinha 66,0% da preferência do eleitorado contra 24,5% do tucano entre os nordestinos. Na região Sudeste, os dois presidenciáveis estão tecnicamente empatados na preferência dos eleitores, com Dilma controlando 43,3% das intenções de voto contra 44,7% de José Serra.

Nas regiões Norte e Centro-Oeste, computadas em conjunto pela pesquisa CNT/Sensus, Dilma registra queda de 48,9% em setembro para 40,7% em outubro entre o eleitorado das duas regiões, ao passo que José Serra cresce de 38,2% em setembro para 45,7% no levantamento divulgado nesta quinta.

A despeito do crescimento do tucano José Serra em todas as regiões, a pesquisa Sensus traçou o que chama de “expectativa de vitória”. Para 59,6% dos entrevistados, Dilma Rousseff sairá vitoriosa no segundo turno. Outros 29,0% acreditam em vitória do ex-governador de São Paulo. Não opinaram sobre a expectativa de vitória 11,4%.

O levantamento CNT/Sensus ouviu 2 mil pessoas entre os dias 11 e 13 de outubro. Registrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número 35560/2010, tem margem de erro de 2,2 pontos percentuais.