da Agência Brasil

Brasília – O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Ricardo Lewandowski, disse hoje (3), em entrevista à Agência Brasil, que a Lei da Ficha Limpa provocou “uma revolução nos costumes da política brasileira. Seja qual for o destino dela, já permitiu que os eleitores vejam a necessidade de verificar o passado de seus candidatos, por isso ela envolve uma mudança cultural”.  

Lewandowski argumentou que, a seu ver, o Supremo Tribunal Federal, mesmo empatando por 5 a 5 na avaliação da lei, quanto à aplicabilidade nas eleições deste ano, “reconheceu a sua constitucionalidade”. Ele previu que para as eleições de 2012, quando serão eleitos novos vereadores e prefeitos, a lei não deverá ser questionada. O ministro falou sobre o assunto depois de visitar seção eleitoral instalada no Colégio Ciman, na quadra 2 do bairro Octogonal, no Plano Piloto de Brasília.

Ao deixar o local, ele foi abordado pela eleitora brasiliense Aurora Almeida que o felicitou pelas suas posições em relação à rejeição de candidatos que têm processos na Justiça. O ministro agradeceu e comentou que o controle da Justiça Eleitoral “é um ótimo incentivo para as pessoas saberem como exercer o dever e o direito de escolher seus candidatos”.