A Tarde

A manhã deste domingo, 3, em Eunápolis, a 643 km de Salvador, no extremo sul da Bahia, foi marcada por flagras de boca de urna, propaganda irregular e um princípio de confusão por causa de uma eleitora que teria confundido os números dos candidatos dela. Na cidade, com 99.553 habitantes (IBGE-2009), 68.261 pessoas estão aptas a votar nas 207 seções eleitorais, segundo a 188ª Zona Eleitoral.

Nas imediações do Colégio Estadual Armando Ribeiro Carneiro, cabos eleitorais distribuiam santinhos de candidatos. Um grupo de seis homens e duas mulheres abordava eleitores e pedia votos. A reportagem acionou a Polícia Militar, e quando dois policiais chegaram, meia hora depois, o grupo se dispersou e os PMs foram embora sem levar ninguém preso.   

Na Escola Municipal Nilza Barbosa, no bairro Pequi, onde 3.081 eleitores estão aptos a votar, uma mulher provocou tumulto ao confundir os números dos candidatos. Ela queria votar no peemedebista Geddel Vieira Lima para deputado estadual, sendo que ele é candidato a governador. Ao digitar um número que ela achou que fosse de Geddel, viu a foto de uma candidata diferente na urna e saiu dizendo que a urna estava fraudada, gerando um tumulto.

“Fomos lá com outros fiscais e conferimos que a cola dela é que estava errada. Depois ainda fizemos o teste para ver se os números estavam batendo com os candidatos. Foi uma pequena confusão que houve, mas está controlado”, explicou o coordenador das oito seções instaladas no Nilza Barbosa, Fernando Sampaio. Além das 207 urnas (uma por seção), ainda há em Eunápolis mais 32 urnas, caso alguma dê problema.

A TARDE flagrou também nesta manhã de domingo propagandas irregulares de dois candidatos a deputado estadual e um a federal. Ambas estavam em cavaletes. No canteiro da BR-101, Almir Neto (PMDB), e no bairro Pequi, atrás da feirinha, na porta de um bar estava a propaganda dos candidatos Jânio Natal (PRP), que tenta um lugar na Câmara Federal, e Cláudia Oliveira (PTdoB), pleiteante a uma vaga na Assembleia Legislativa da Bahia.

“Para serem retiradas as propagandas, temos de receber uma denúncia e isso não foi formalizado ainda. Estou recebendo denúncias aqui, toda hora chega problema”, disse o juiz eleitoral de Eunápolis, Afrânio de Andrade Filho, que baixou portaria proibindo a venda e o fornecimento de bebida alcoólica na cidade.